segunda-feira, 16 de julho de 2018

Sol em Júpiter






Sol Leão é uma famosa youtuber de Florianópolis. Apaixonada pela sua “juba”, que dá nome ao canal, a jovem mostra ao mundo seu estilo e sua vida perfeita em vídeos divertidos e calorosos. No entanto, a vida real pode ser um pouco diferente disso, e um jovem com o estranho nome de Júpiter aparece para balançar o mundo de Sol e questionar as certezas que ela achava que tinha.



Título: Sol em Júpiter
Autor (a): Lola Salgado
Editora: Harlequin 
Número de páginas: 256
 

Apesar de todo o burburinho da blogosfera (e seus similares), não estava ansiosa para ler Sol em Júpiter. Não que eu estivesse esperando algo ruim, longe disso. Mas achei que a história seria muito mais do mesmo, sabem? Eu li resenhas maravilhosas a respeito dele e, mesmo assim, não consegui me animar. Acabei deixando-o de lado e focando em outros livros. Até que não deu mais para enrolar e comecei a ler, meio sem jeito, sem vontade...e acabei fisgada!
Sol tem a vida que a maioria das garotas gostaria de ter. É uma youtuber famosa, mora em um apartamento de frente para a praia, tem uma rotina saudável, é noiva de um cara super bacana e lindo de viver, e está sempre nos eventos mais badalados. Sol esbanja simpatia em seus vídeos, e seus cliques, sempre tão apreciados no instagram, sempre estão mostrando os momentos incríveis que vive. O que as pessoas não sabem é que a realidade dela é bem diferente da que mostra em suas redes: o relacionamento com o noivo não é tão perfeito quanto parece, ela raramente vai à praia, não segue uma dieta saudável e, muitas vezes, só queria mesmo poder ter uma vida mais tranquila sem a pressão de estar sempre perfeita.
Indo para um evento de moda, num dia onde absolutamente TUDO deu errado, ela acaba passando por alguns percalços. E é aí que vai conhecer Jupiter, um belo rapaz de olhos incrivelmente azuis e de sorriso manso, que vai fazer seu coração bater mais forte. O primeiro encontro dos dois é bem inusitado, afinal de contas ela invadiu o banheiro masculino e o encontrou...bem, vocês podem imaginar como, né? O segundo encontro acontece no mesmo dia e acaba com os dois presos em um elevador num shopping.
Os dois acabam se dando super bem e conversar com ele é algo muito fácil, diferente do que acontece com André. É mais fácil ser ela mesmo ali, sentada no chão daquele elevador, conversando com aquele cara lindo de morrer. Existe uma conexão forte entre os dois que não dá para explicar. E o destino vai fazer com que eles se encontrem mais uma vez, o que vai mexer ainda mais com o coração de Sol e com a forma como ela encara sua vida.
Que surpresa boa foi esse livro! Comecei a ler cheia de receio, mas com o desenrolar da história ela foi me fisgando e logo estava me divertindo e gargalhando com as loucuras de Sol. A trama é bem divertida, tem cenas que me fizeram gargalhar alto e tem um romance bem fofinho de plano de fundo. Além disso, traz muitas reflexões pertinentes a respeito de aceitação e dos traumas que o bullying pode trazer à vida de alguém.
Com uma narrativa leve e trazendo assuntos bem atuais, Sol em Júpiter é aquele livro feito sob medida para curtir uma tarde bem preguiçosa. De leitura rápida e com personagens muito carismáticos, ele é aquele tipo de leitura que pode ser feita, facilmente, em um dia. Não há nada de diferentão na trama e é justamente isso que cativa tanto, a simplicidade dela.
Os personagens são uns fofos. Tanto Sol, quanto Júpiter, são duas pessoas incríveis, com histórias de vida não muito fáceis, mas que decidiram dar o melhor de si para superar. Juntos eles formam um casal muito fofo, do tipo "feitos um para o outro". Sabe quando alguém fala que "fulano e fulana são muito diferentes mas sem completam"? É justamente essa frase que poderia ser usada para definir os dois. Existe uma afinidade grande, uma cumplicidade... é algo muito bacana de acompanhar e a gente torce pra que tudo se ajeite e os dois possam ter seu final feliz.
Eu gostei muito do rumo que a história tomou e ela foi bem além do romancinho, trazendo, como já falei antes, reflexões bem plausíveis de discussão. Sol teve um problema sério com bullying quando era mais nova e isso acarretou em sérios problemas com os quais ela ainda precisa lidar. Achei muito bacana a autora ter abordado isso, principalmente dentro de uma trama voltada para o público jovem.
Pra quem procura uma leitura rápida, divertida e com um romance muito gostosinho de acompanhar, esse livro é a pedida certa. Vale muito a pena se deliciar por essas páginas e acompanhar as desventuras de Sol e Júpiter. Leiam, tenho certeza de que não irão se arrepender.

quarta-feira, 11 de julho de 2018

A Busca


ELA NÃO ESPERAVA ESSA MUDANÇA EM SUA VIDA. ELE NÃO ESPERAVA ESSA MULHER.
Após uma infância cheia de traumas, tudo o que Hannah Varner deseja é viver bem longe da mãe problemática e das complicações que a irmã, Tara, despeja em seu colo. Hannah quer algo que nunca teve: uma vida tranquila. Mas um telefonema muda todos os seus planos… Tara teve um filho e desapareceu, deixando o bebê aos cuidados de Hannah.
Desesperada, a jovem decide investigar tanto o paradeiro da irmã quanto a identidade do pai da criança. E descobre que um membro da família Travis pode ser o responsável por aquela confusão em sua vida. Jack Travis, um milionário de uma das mais importantes famílias do Texas, amante das mulheres e do prazer, nunca pensou que encontraria em seu escritório uma jovem irritada e extremamente sexy segurando um bebê que pode ser seu filho.
Nesta envolvente trama, com personagens densos e uma história familiar inesperada, Lisa Kleypas nos leva a conhecer mais um membro da família Travis e a descobrir o verdadeiro significado das palavras amor e entrega.
“Eu não deixaria que Tara fugisse disso. Eu iria encontrá-la e, pelo menos uma vez na vida, ela teria que lidar com as consequências de seus atos. Se isso não desse certo, eu iria encontrar o pai do bebê.”
Título: A Busca
Série: The Travis Family
Autor (a): Lisa Kleypas
Editora: Gutenberg
Número de páginas: 272



E o tão aguardado terceiro livro da série The Travis Family chegou! Eu sou completamente apaixonada por essa série e os dois livros anteriores (A Protegida e A Redenção) são queridíssimos da estante. Estava super ansiosa por A Busca, afinal de contas é o livro do Jack e ele sempre me chamou MUITA atenção. Tinha certeza que iria me apaixonar pela história... e não foi diferente!
Desde muito pequena Hannah Varner aprendeu o significado da palavra responsabilidade. Sua mãe nunca foi o tipo amorosa e cuidar das filhas não era bem o que queria pra sua vida, afinal de contas ela era jovem e precisava aproveitar. Portanto, cuidar de Tara, sua irmã mais nova, acabou virando uma tarefa exclusiva de Hannah, que não media esforços para mantê-la bem. A infância das duas meninas não foi nada fácil e isso acabou refletindo nas escolhas futuras de ambas.
O tempo passou, as meninas cresceram e cada uma seguiu seu caminho. Hannah escreve uma coluna numa revista onde dá conselhos para mulheres, tem um namorado há 4 anos e juntos eles construíram uma vida toda regrada. Porém, um telefonema de sua mãe acaba virando sua vida de cabeça pra baixo.
O caso, minha gente, é que Tara acabou de ter um filho e simplesmente o abandonou na casa de sua mãe, com um bilhete pedindo para que Hannah tomasse conta da criança até ela estar bem o suficiente para assumir suas responsabilidades de mãe. Cuidar de uma criança não está nos planos de Hannah, mas ela não pode abandonar o sobrinho com a mãe ou entregá-lo ao conselho tutelar. Como também não pode levá-lo para Austin, já que seu namorado não quer uma criança em sua vida, ela decide então ficar em Houston e tentar encontrar o pai da criança, já que ele também precisa arcar com as consequências de seus atos. E é aí que Jack Travis vai entrar na história já que ele saiu com Tara e pode ser o pai do pequeno Luke.
Jack é um cara incrível e não vai medir esforços para ajudar Hannah já que, para ele, o fato dela deixar tudo para trás e tomar conta do filho da irmã é uma atitude louvável. A química entre ambos é forte e, mesmo tendo um relacionamento estável de 4 anos, com alguém em quem confia, Hannah não consegue disfarçar a atração que sente por aquele homem tão diferente. O que começa com uma aproximação por conta do bebê, vai se transformando em amizade e, mais tarde, em algo muito maior. Mas será que ela vai conseguir jogar o antigo relacionamento pro ar e viver essa intensa paixão?
Os personagens são maravilhosos! Hannah tem uma história de vida forte e, quando algumas de suas lembranças de infância vieram à tona, eu fiquei tocada. Sua mãe é aquele tipo de pessoa que sabe bem como destruir a auto estima de alguém e fazer isso com uma criança é ainda mais cruel. Não foram poucas as vezes que ouviu coisas desagradáveis sobre si e eu entendo perfeitamente o fato dela querer distância da família. Eu não suportaria conviver com uma mãe como a dela, mesquinha e egoísta, e com uma irmã sem qualquer senso de responsabilidade. Isso não quer dizer que ela não ame Tara, longe disso. Tanto é que, se não amasse, não teria deixado a vida que tinha em outra cidade pra cuidar do sobrinho. Hannah tem um bom coração e, por tudo que passou, eu torci demais para que tivesse o seu final feliz. Ela, mais que qualquer outra pessoa, merecia isso!
Jack é um fofo! Gente do céu, meu coração chega palpita na hora de falar desse lindo, afinal de contas esse homem é extremamente encantador. Ele me cativou por conta de suas atitudes com Hannah e de seu enorme senso de justiça. É impossível não se apaixonar, ainda mais quando Jack mostra todo seu bom coração ao ajudar alguém que ele não conhece. Esses Travis...só tem homem perfeito, vou te contar!
A história é muito boa e me ganhou de imediato. Se tem uma coisa que eu não suporto é quando o livro começa cheio de rodeios, enrolando e enrolando até chegar no que realmente interessa. Com esse livro foi totalmente o oposto. Ele já começa indo direto ao ponto e a narrativa de Lisa, que é sempre ágil e sem floreios, fez com que eu não conseguisse parar de ler. O romance entre os personagens mescla o fofinho com cenas mais hots e bem ousadas, mas sem aquele excesso de descrições que as vezes acaba tornando maçante. Amei!
Na minha opinião, todo mundo deveria ler essa série! A autora sempre aborda alguns assuntos mais fortes e faz isso com uma delicadeza enorme. Gosto da forma como ela me transporta pra dentro da história e me prende nela até o final. Me emocionei, sorri, tive alguns acessos de raiva e terminei a leitura com um sorriso enorme de satisfação. Livro lindo que vale a pena ser lido!

segunda-feira, 9 de julho de 2018

O Livro do Bem - Gratidão

Este é um livro especial, porque é sobre uma prática que vai mudar sua vida: a gratidão. É oportunidade de aprender a se conectar melhor com o mundo exterior e desenvolver sua atenção e sua respiração para que sua vida se torne mais leve. É, também, a chance de olhar com mais carinho para os momentos da sua vida e perceber o quanto ela é incrível – ainda que você, muitas vezes, deixe isso passar batido.
Este é um livro sobre tudo o que você sente e como reage a cada acontecimento vivido. E ele só estará pronto quando você preenchê-lo com sua rotina e as suas verdades. Será que você tem vivenciado a gratidão – não a palavra bonita, conhecida e adorada por tantas pessoas –, o sentimento real? Venha descobrir com a gente!
E fica aqui um convite: fotografe e publique tudo o que você fizer neste livro nas redes sociais com a tag #LivroDoBem. Porque tudo o que é do bem merece ser compartilhado! 
Título: O Livro do Bem - Gratidão
Autor (a): Ariane Freitas e Jessica Grecco
Editora: Gutenberg
Número de páginas: 224


Vamos falar de um livro lindo? E quando eu digo lindo, não falo somente pela capa, mas sim pelo conteúdo. Sabe aquela velha história do "lindo por dentro e por fora"? Pois bem, essa deveria ser a frase principal desse livro, que me conquistou pela capa e me fez apaixonar pelo conteúdo. Hoje é dia de falar de Gratidão. E vamos começar com uma perguntinha, bem simples: pelo que você é grato?
Quando comecei a ler esse livro, não tinha a mínima ideia de que iria me encantar por ele. Esperava um livro bonito, com algumas mensagens bacanas e que fosse me inspirar em alguns momentos. E sim, encontrei tudo isso. Mas ele foi muito além das minhas expectativas e trouxe também muitos questionamentos que, de certa forma, me levaram a refletir a respeito de muitas atitudes do meu dia a dia.
Não foram poucas as vezes que cheguei em casa, após um dia cansativo e estressante, e fiquei remoendo aquelas coisas negativas que aconteceram. Não sei se isso acontece com vocês, mas comigo é assim: o dia tá lindo, maravilhoso, tudo correndo bem, sorrisos ao vento...e aí acontece uma coisinha pra me tirar do sério e pronto, tudo fica péssimo. E, mesmo depois de resolvido, dia findado, quando deito a cabeça no travesseiro pra pensar no dia, somente me vem o que aconteceu de ruim na mente. É como se tudo aquilo que foi bom não valesse a pena ser lembrado. Tantas vezes me peguei reclamando por algo que aconteceu e acabei esquecendo de focar nas coisas boas e agradecer por aquilo.
O livro, que é repleto não só de mensagens e frases inspiradoras, mas também de atividades muito bacanas para pôr em prática, me trouxe uma visão muito mais ampla do valor da gratidão, de cultivar bons pensamentos, de fazer aquilo que nos deixa feliz e não se abater ou ter medo de arriscar. Várias vezes trouxe aquelas frases motivacionais e situações para minha vida e me peguei pensando no quanto determinadas coisas poderiam ter sido diferentes se eu simplesmente tivesse focado minha energia no que realmente valia a pena. 
Uma das frases que mais me marcou dizia o seguinte: "Ser grato é uma escolha que vai estar presente inclusive em momentos de perda. Você pode escolher sorrir e seguir em frente ou chorar por algo que não vai mudar. O que vai ser?". E gente, eu sou o tipo que em uma situação como essa certamente choraria sem parar, mesmo sabendo que isso jamais mudaria a situação. 
Pra quem não sabe, O Livro do Bem - Gratidão, é um livro interativo e, além das frases e pequenos textos, você encontra também algumas dicas de como praticar a gratidão no dia a dia e atividades muito bacanas. Ainda não comecei a preenchê-lo, mas já li algumas páginas várias vezes e com toda certeza trarei muito do que tem ali para minha vida.
Esse é um daqueles livros que indico de olhos fechados, sorriso no rosto e coração em festa. Edição linda, repleta de frases feitas sob medida para tocar o coração de quem as lê. Um livro que vale a pena conhecer, ler e reler sempre! <3

sexta-feira, 6 de julho de 2018

Doce Lar

Primeiro livro da série de maior sucesso da autora de Mil Beijos de Garoto.
Aos vinte anos, Molly Shakespeare acha que já sabe de tudo.
Ela leu Descartes e Kant.
Ela estudou em Oxford.
Ela sabe que as pessoas que te amam também te deixam.
Mas quando Molly se muda da cinzenta Inglaterra para começar uma nova vida nos Estados Unidos, ela descobre que ainda tem muito a aprender. No Alabama os verões são mais quentes, as pessoas mais intimidantes e os alunos de sua nova escola muito mais viciados em futebol.
Após conhecer o famoso quarterback Romeu Prince, Molly só consegue pensar em seus olhos castanhos, cabelos loiros, físico perfeito... e em como sua vida tranquila e solitária parece estar a ponto de mudar drasticamente.
Título: Doce Lar
Série: Sweet #1
Autor (a): Tillie Cole
Editora: Essência
Número de páginas: 320



Esse foi, de longe, o livro mais esperado do ano. Em 2017 eu ouvi muitos comentários maravilhosos a respeito da Tillie Cole e seu livro Mil Beijos de Garoto. Quando soube do lançamento de Doce Lar, fiquei em cólicas de ansiedade  já que queria muito ler algo da autora. E quando ele chegou aqui em casa, devorei como se não houvesse amanhã.
Molly é aquela típica mocinha que já sofreu muito na vida. Sua mãe morreu no parto, perdeu o pais aos 6 anos e a avó, que a criou desde então, sucumbiu ao câncer quando ela estava com 14 anos. Ela viveu em um lar adotivo e, após terminar o ensino médio e entrar na faculdade, passou a viver sozinha. Por conta de todo seu sofrimento, Molly não permite que as pessoas se aproximem demais e o máximo que chegou de um relacionamento amoroso foi com um colega de faculdade e, quando as coisas ameaçavam ficar mais sérias, simplesmente fugiu e foi para o Alabama fazer seu mestrado. Aos 20 anos, Molly não viveu um terço do que as garotas de sua idade viveram, nem sequer viveu um grande amor. Mas isso tudo muda quando ela conhece Rome Prince.
Rome é o sonho de qualquer garota. Alto, forte, lindo, a sensação do colégio, quarterback do time e com uma carreira promissora, ele parece ser o cara perfeito. Porém, sua vida não é tão perfeitinha como muitos pensam. O relacionamento nada saudável com a família, as constantes brigas e a pressão psicológica acabaram tornando-o um cara explosivo, que não consegue controlar a raiva e acaba agindo, muitas vezes, como um grande babaca.
Ninguém jamais poderia imaginar que esse dois, aparentemente tão diferentes, pudessem se envolver. Mas é o que acontece e, a partir daí, vamos acompanhando a luta para ficarem juntos e os obstáculos que precisarão enfrentar para viverem esse amor.
Então, vamos conversar a respeito de Doce Lar. Antes de escrever essa resenha, dei uma lida em algumas resenhas e vi uma grande quantidade de pessoas dizendo que essa foi sua maior decepção do ano e que, depois de terem lido Mil Beijos de Garoto, esperavam muito mais da autora. Talvez por esse ter sido o meu primeiro contato com a escrita da autora, minha opinião vai ser diferente das demais. Eu gostei muito desse livro e, muito embora eu tenha alguns pontos a criticar, foi uma leitura que me prendeu demais.
A história é bem clichê e logo no início eu já fazia uma ideia do que aconteceria e como aquilo terminaria. Mas eu gosto de clichês bem escritos, portanto isso não foi algo que me incomodou, principalmente porque ele tem uma boa dose de drama e eu adoro! O romance entre os personagens é uma graça e nasce de uma forma tão bonitinha,  que me deixou encantada. Porém, existiram alguns pontos que me deixaram um pouco com o pé atrás nessa história e é isso que vou contar a vocês agora.
Pra início de conversa, vamos falar dos personagens. Molly e Rome possuem uma boa química e as cenas românticas dos dois são de fazer suspirar. Ela é uma garota mais independente, que sabe o que quer e que, mesmo com as adversidades que encontrou na vida, não desistiu de encontrar o seu lugar no mundo. Eu gostei dela de imediato e, muito embora algumas de suas atitudes tenham me incomodado, não deixei de admirar a mulher forte que ela é. 
Meu problema foi com ele. Não vou dizer a vocês que fiquei imune ao charme de Rome porque estaria mentindo descaradamente. Sim, eu fiquei bem caidinha pelo rapaz, confesso. Mas bastou ele tomar algumas atitudes para meu radar de "é cilada, Bino" começar a apitar. Rome é uma criatura cheia de problemas, que desde a infância precisou lidar com a agressão, tanto verbal quanto física, vinda daqueles que deveriam amá-lo e cuidar de seu bem estar e isso o afetou de diversas maneiras.
Eu entendo que todas aquelas palavras e atitudes tenham deixado marcas profundas e por isso ele age de forma tão explosiva com tudo e todos. Porém, me incomodou demais a possessividade e o jeito controlador do rapaz. O relacionamento, que começou todo fofo, começou a ir por um caminho que me assustou já que as atitudes de Rome chegaram a ser extremamente tóxicas para Molly. Suas reações extremas, o medo de perder, o "não saber como agir", me fizeram ficar muito dividida em relação a ele. Até hoje, mais de uma semana após terminar a leitura, ainda não sei dizer a vocês o que sinto em relação a ele. Existe sim uma espécie de "redenção" do personagem e isso foi algo bacana do livro. Mas as atitudes que ele teve antes disso contaram muito na minha avaliação do livro como um todo.
Apesar dos meus problemas com o protagonista, gostei da leitura e o classifiquei com 4 estrelas no Skoob. Eu devorei o livro de uma forma que nem sei explicar. Me emocionei em algumas passagens (eu sou chorona, vocês sabem) e fiquei bem curiosa pelos próximos livros da série. Se eu recomendo a leitura? Com toda certeza. É uma história bonita, bem escrita e com todos aqueles clichês gostosinhos de acompanhar. Espero que gostem tanto quanto eu. <3 

quinta-feira, 5 de julho de 2018

Volta Para Casa


Dez anos atrás, dois meninos de 6 anos foram sequestrados enquanto brincavam na casa de um deles, uma mansão em um bairro elegante de Nova Jersey. Mas, após o pedido de resgate, as famílias nunca mais tiveram notícias dos sequestradores nem de seus filhos.
Agora, Myron Bolitar e seu amigo Win acreditam ter localizado um deles, o adolescente Patrick, e farão de tudo para resgatá-lo e obter as respostas pelas quais todos anseiam:
O que aconteceu no dia em que foram raptados?
Onde ele esteve durante todo esse tempo?
E, o mais importante, onde está Rhys, seu amigo ainda desaparecido?
Após cinco anos sem escrever nenhum livro da série Myron Bolitar, Harlan Coben brinda os leitores com Volta Para Casa, um suspense explosivo, como só o seu talento pode criar. Um thriller profundamente comovente sobre amizade, família e o verdadeiro significado de lar.
Título: Volta Para Casa
Série: Myron Bolitar #11
Autor (a): Harlan Coben
Editora: Arqueiro

O mês de Junho foi, definitivamente, o mês dos thrillers. E digo mais: dos thrillers bons! Ano passado li meu primeiro livro do Harlan Coben. Pois é, quase vergonhoso que eu, uma amante do gênero, nunca tivesse lido nada dele que é super bem comentado. Li, gostei e cá estou pra falar de mais uma história dele, dessa vez com um personagem queridíssimo, que eu conhecia só de ouvir falar e que me conquistou.
Patrick e Rhys tinham apenas 6 anos quando foram sequestrados. Os dois brincavam na casa de um deles e desapareceram como fumaça e a babá que tomava conta deles foi encontrada amarrada no porão, muito abalada. Os sequestradores entraram em contato, pediram o resgate pelos garotos, mas desde então nada mais foi dito. Foram 10 anos sem nenhuma notícia, até que um deles é visto por Win, primo de um dos garotos sequestrados e amigo fiel de Myron Bolitar.
Após receber um e-mail informando a localização de Patrick, Win parte à sua procura, porém acaba se metendo em uma grande confusão. E é aí que Myron entra na história toda. Ele se desloca para o local em busca de pistas que possam levá-lo ao paradeiro dos dois rapazes. Não é uma tarefa simples e eles logo vão descobrir que terão que lidar com um pessoal bem barra pesada, envolvidos com prostituição. E mais: Patrick está ali, mas e Rhys, o que aconteceu com ele?
O resumo tá pequeno? Tá! Mas eu não vou falar mais que isso pra não correr riscos de falar demais e acabar estragando o prazer da descoberta. Porque thriller é assim, se você conta muito a respeito da história meio que perde aquele fator surpresa da descoberta. E esse é um dos maiores motivos de eu não ler sinopses de livros do gênero porque tem algumas que acabam entregando mais do que deveriam.
Esse foi o meu primeiro contato com o Myron Bolitar e, gente, eu sempre quis ler algo da série dele por conta dos inúmeros elogios. Já sabia que ele era um excelente personagem, muito sagaz e inteligente, do tipo que a gente se encanta por conta de toda essa perspicácia. Homem inteligente é muito sexy, né? Eu pelo menos acho muito! E foi justamente esse charme inteligente que me fez cair de amores pelo Myron.
A história é muito boa e, adivinhem só, me prendeu até o fim (a frase mais clichê das minhas resenhas, eu sei). O autor manteve o clima de mistério durante toda a trama e foi inserindo novos fatos de uma forma bem gradativa, fazendo com que o leitor vá assimilando tudo com calma e montando suas teorias. Com capítulos curtos e narrativa simples e direta, a leitura flui de uma maneira muito fácil e, sério, não tem como parar de ler. Fui devorando as páginas porque minha curiosidade estava à mil por hora, precisava descobrir o que aconteceu.
Os personagens são um show a parte. Myron e Win são os principais e os capítulos são intercalados entre eles, o que permitiu conhecê-los um pouco melhor. Mas há personagens secundários que roubam a cena, como é o caso de Esperanza e Big Cindy, que são incríveis! Não sei se elas já apareceram em livros anteriores, mas achei a inserção das duas uma grande sacada já que trouxe mais leveza à trama. Eu me diverti com ambas e ganharam minha admiração por ser quem são e terem orgulho disso. O tão famoso sobrinho, Mickey Bolitar, também teve seu espaço e fiquei bem curiosa para ler os livros de sua série já que o rapazinho e seus amigos mostraram que não estavam ali pra brincadeira.
Eu gostei demais da leitura, tanto que dei 5 estrelas e favoritei. Achei concisa, bem estruturada e que manteve o clima de mistério do início ao fim. Mesmo não tendo lido os livros anteriores da série, não senti dificuldade em me situar com a vida do personagem principal, já que o autor dá algumas pinceladas nos fatos mais marcantes justamente para inserir um possível novo leitor na trama. Quem ainda não leu nada do autor, tá na hora de mudar isso. Vale muito a pena conhecer os livros do Harlan Coben.