quinta-feira, 23 de março de 2017

Os Filhos de Anasi


Charlie Nancy tem uma vida pacata e um emprego entediante em Londres. A pedido da noiva, ele concorda em convidar o pai para seu casamento e fazer disso uma tentativa de reaproximação, já que há vinte anos os dois não se falam. Enquanto isso, no palco de um karaokê na Flórida, o pai de Charlie tem um ataque cardíaco fulminante. A viagem de Charlie até os Estados Unidos para o funeral acaba se tornando a jornada de uma nova vida. Charlie não tinha ideia de que o pai era um deus. Menos ainda de que ele próprio tinha um irmão. Agora sua vida vai ficar mais interessante... e bem mais perigosa. Embrenhando-se no território de lendas e deuses pagãos, a poderosa narrativa de Neil Gaiman leva o leitor a mergulhar nessa história fantástica e bem-humorada sobre relações familiares, profecias terríveis, divindades vingativas e aves muito malignas.

Título: Os Filhos da Anansi
Autor: Neil Gaiman 
Editora: Intrínseca
Número de Páginas: 238


O que você faria se descobrisse que após anos sem se falar descobrisse que seu pai morreu? E se ao viajar para o sepultamento dele descobrisse que ele na verdade era um deus? Tá pouco? Que tal descobrir que após tanto tempo sendo filho único na verdade você tem um irmão? É, as coisas pra Charlie Nancy não são muito simples, não é verdade?
Em Londres desde a separação de seus pais, Charlie Nancy leva uma vida tranquila. Tem um emprego entediante, mas tido como seguro, e está prestes a se casar. Por insistência de sua noiva, Rosie, Charlie tenta contato com seu pai para convidá-lo para o casamento e descobre que o velho Sr. Nancy está morto. A relação entre os dois nunca foi das melhores. Charlie nunca se sentira à vontade na presença do pai, sentia-se constrangido o tempo todo com o comportamento do velho bonachão e as brincadeiras de mal gosto. Até a forma como era mais conhecido devia ao pai: Fat Charlie Nancy. Durante um encontro com um grupo de senhoras amigas da família, Fat Charlie descobre que seu pai era Anansi, um deus de origem africana, e que tem um irmão que nem ao menos lembrava de existir. Desorientado, ainda um tanto abalado e ainda sem acreditar muito na conversa, Charlie faz o que foi orientado a fazer caso quisesse falar com seu irmão: falar com uma aranha - sim, uma aranha - que precisava vê-lo. Porém, quando Spider atende ao chamado sua vida se transforma totalmente.
Como bem meu nobre colega o Airechu destacou em sua resenha, a jornada do homem comum ao sobrenatural é um tema recorrente nas obras de Neil Gaiman. Por vezes de forma direta e em outras de forma sutil, a jornada por uma nova realidade serve para muito mais do que conduzir o personagem principal em uma trama de descoberta do mundo a seu redor: é uma jornada de descoberta do mundo interno. Fat Charlie, que sempre viveu uma vida pacata, constrangido pelo comportamento do pai, acaba descobrindo muito mais sobre si do que sobre seu pai e seu irmão ao fim da jornada.
Através de uma narrativa fluida, Neil Gailman constrói trama divertida e envolvente, carregada de humor e sem pretensões de ser denso. Mesmo sendo considerado por alguns com uma sequência de Deuses Americanos, Os Filhos de Anansi conta uma história própria e desvinculada de qualquer obra. Não existe a obrigação de ler um para conhecer o outro, suas histórias seguem linhas bem diferentes de abordagem e profundidade. Talvez isso torne a leitura de Os Filhos de Anansi mais fácil, apesar de algumas poucas confusões ocasionadas pelo distanciamento - e desconhecimento - do mito africano de Anansi, mais popular na América Central e Sul dos EUA (além óbvio de países na África). Digo isso porque em meio aos capítulos, pequenas pausas na narrativa são usadas para contar algumas destas histórias do Deus-Aranha e ajudam a construir indiretamente alguns outros personagens da trama (obrigado pelo apontamento, Airechu). Contudo, os 14 capítulos da história passam rapidamente.
Com todo seus problemas e descobertas acompanhar Fat Charlie se torna algo bastante prazeroso. E não só isso: os personagens que o cercam também! Enquanto o irmão é meio "quadradão", Spider é um fanfarrão de primeira, sempre para cima e desapegado de tudo e todos, mas a convivência com Charlie - e principalmente com Rosie - o fazem rever certas convicções. Rosie, sempre dotada de boas intenções e da vontade de ajudar, acaba por ser a responsável pelo ponta-pé inicial da trama, mas também por mexer com o filho divino. A sua mãe - a Sra. Noah - por outro lado não simpatiza com seu futuro genro e nem mesmo seu irmão, sendo capaz de resistir até mesmo a seus poderes mágicos. A Detetive-Assistente Dayse, que acaba por acaso na vida dos irmãos e acaba se ligando a eles e a louca trama que envolve Fat Charlie, seu ambicioso e desonesto patrão, Grahame Coats, e a viúva de um famoso comediante inglês que busca seu dinheiro devido. O Sr. Nancy, que mesmo na morte dá as caras e mostra porque era querido por uns e irritou tantos outros. São diversos os personagens, e mesmo os que pouco aparecem acabam por cativar o leitor em algum ponto.
O cenário que ambienta a trama não se distingue tanto da nossa realidade, mas os elementos que o complementam é que o tornam fantástico. O mundano e o mágico se cruzam, mas se mantém em paralelo em outros momentos, dando vez a brincadeira que algumas realidades são mais reais que outras. É engraçado notar a naturalidade como mágico é encarado em alguns momentos e por alguns personagens, e como ele é ignorado por outros.
A edição da editora Intrínseca possui um bom trabalho gráfico e trás extras bem interessantes e exclusivos sobre sua experiência de escrever sobre os EUA sendo um autor britânico e outro onde ele revela de onde tira as suas ideias.
Os Filhos de Anansi é recomendado para os amantes de fantasia urbana, fãs de Neil Gaiman, e para todos sobretudo que buscam uma leitura leve, despretensiosa e divertida. 




terça-feira, 21 de março de 2017

Grupo Editorial Pensamento - Fevereiro

Hoje venho trazer para vocês os lançamentos do Grupo Editorial Pensamento para o mês de Março. Vamos conferir?
O que você faria se descobrisse que seu futuro já aconteceu? O mundo parece estar enlouquecendo! Em toda parte, as pessoas começam a ter visões. Um adolescente francês assiste Joana D’Arc ser queimada na fogueira, e até tenta tirar uma foto com o celular, e a presidente dos Estados Unidos tem visões de seus antecessores dentro da Casa Branca. Ninguém sabe se essas misteriosas aparições são uma espécie de alucinação coletiva, uma doença virótica causada por bioterrorismo ou se são sinais do Apocalipse. Ocorrem suicídios em massa em várias partes do mundo, e o psiquiatra e neurocientista John Macbeth, à frente de um projeto para criar uma inteligência artificial autônoma, busca freneticamente uma resposta antes que seja tarde demais. Ele descobre que a verdade por trás de tudo pode mudar os rumos da humanidade para sempre. E até custar a sua vida. Uma história eletrizante que o fará questionar sua perspectiva da realidade. E até mesmo a sua sanidade.
Um romance poderoso sobre um amor oculto nas brumas do passado
A medicação para a epilepsia mantém Maggie num estado permanente de torpor, mas não consegue aliviar sua dor por ter perdido a filha em decorrência da mesma doença. Com o fim do seu casamento e o filho mais velho num colégio interno, Maggie se muda para uma casa de campo nas ruínas de Dunadd, o local histórico que um dia foi a sede da realeza da Escócia. Tudo muda em sua vida após uma convulsão, e Maggie desperta num vilarejo dentro dos muros da Dunadd do século VIII. Mesmo sem saber se isso é realidade ou apenas uma alucinação causada pela doença, ela é atraída pela presença de Fergus, irmão do rei e pai de Illa, uma menina que tem uma semelhança impressionante com a sua falecida filha. Mas, com as demandas do presente chamando-a de volta, conseguirá Maggie deixar para trás o príncipe escocês que já a chama de meu amor? 
A conclusão fantástica da série Ecos do Espaço! Os rebeldes foram dispersados e seus planos, arruinados. Traída por aqueles em quem mais confiava, Skylar se vê aprisionada, junto com um pequeno grupo de terráqueos, na estação espacial dos alienígenas. Qualquer movimento em falso e Skylar pode causar a extinção do seu povo. Mas desistir significa perder qualquer resquício de liberdade. Enquanto isso, Win volta para casa e se livra de ser punido pelo governo fingindo ser leal a Kemya. Mas ele não suporta ver Skylar aprisionada ou assistir seus companheiros kemyanos engolirem as mentiras do Conselho sobre a Terra. Neste livro repleto de ação que encerra a trilogia Ecos do Espaço, nem Skylar nem Win sabem que estão prestes a descobrir uma conspiração ainda mais chocante, que pode lhes roubar definitivamente a esperança de um futuro melhor.
O testemunho que estremeceu a Igreja Católica
O padre polonês Krzysztof Charamsa, 44 anos, atualmente ativista dos direitos LGBT em Barcelona, ocupou os níveis mais altos da Igreja Católica. Revelar sua homossexualidade em outubro de 2015 foi apenas uma nova e difícil etapa em sua vida. A partir daí, Charamsa passou por muitas provações por assumir-se gay no seio de uma das instituições mais conservadoras do mundo. Neste livro, ele revela como os homossexuais são discriminados, reduzidos à condição de pervertidos, enquanto o clero católico, fortemente homofóbico, é ele próprio composto em grande parte por homossexuais. Esses homens acabam arando um terreno fértil onde germina a erva daninha vergonhosa da pedofilia e outros tipos de abusos. Escrita de forma clara, direta e emocionada, a obra promete estremecer os alicerces éticos de uma das instituições mais poderosas do mundo.
O guia completo para o mundo espiritual
Além de ser uma obra de referência sobre as crenças, a história, a mitologia e a ciência da vida após a morte, é também um manual prático para você entrar em contato com o plano espiritual e obter conforto e paz nesta vida. Aprenda como fazer contato com seres interdimensionais, desde guias espirituais até anjos guardiões, e conhecer técnicas de regressão a vidas passadas, aprender a praticar exercícios de meditação, canalização, trabalho com sonhos, viagens astrais, mediunidade e escrita automática.
Novo volume da Coleção Bíblias, com mais de 3 milhões de exemplares vendidos no mundo e 200 mil exemplares vendidos no Brasil. A Bíblia da Vida Após a Morte Sarah Bartlett Coleção: Bíblias 
Uma nova interpretação dos doze signos do zodíaco
Um livro cheio de informações práticas e curiosas sobre os traços positivos e negativos dos signos, seu par ideal no amor, seu comportamento em casa e no trabalho, suas atitudes em relação ao dinheiro, suas tendências secretas, seu jeito de criar os filhos e muito mais. Use este livro para se conhecer melhor, encontrar soluções para os seus problemas, progredir na carreira e turbinar a sua vida amorosa! Um belíssimo manual ilustrado que oferece uma nova maneira de interpretar os dozes signos do zodíaco, com descrições de fácil compreensão que ajudarão você a entender, com total clareza, sua personalidade e a das pessoas à sua volta.
A astrologia está em alta, principalmente entre os jovens. Canais em redes sociais chegam a ter quase um milhão de seguidores. Os autores já criaram juntos dezenas de livros e oráculos, com uma tiragem total de mais de dois milhões de exemplares em todo o mundo.  
Edição revista do texto integral dos dois volumes originais e suas 24 figuras
Este é o primeiro tratado sobre magia ritual publicado pelo ocultista e mago Éliphas Lévi, a mais importante figura no moderno ressurgimento da magia cerimonial. Com base em fontes herméticas e cabalísticas, ele propõe, nesta obra clássica e magistral, uma dimensão superior, espiritual, para a prática da magia, tendo como meta a transformação espiritual do mago. Dividida em duas partes – a primeira sobre o dogma cabalístico e mágico, e a segunda consagrada à magia cerimonial –, esta obra demonstra seus profundos conhecimentos dos segredos e mistérios mágicos.
Edição histórica dos 103 anos da primeira edição brasileira de 1914, em tradução totalmente revista a partir da primeira edição francesa. Uma das obras fundadoras do renascimento do esoterismo ocidental moderno, influenciando autores importantes como Jorge Adoum, Helena Blavatsky, Aleister Crowley e Papus, entre outros.
Uma nova e revolucionária abordagem sobre a cura e as doenças A naturopata Marion Kohn, com base nas descobertas revolucionárias do renomado médico alemão doutor Ryke Geerd Hamer, oferece uma compreensão inteiramente nova da causa, do desenvolvimento e do processo natural de cura das doenças. A autora esclarece que, além de um sentido biológico, as doenças têm um sentido espiritual e podem ser curadas se compreendermos o que ela chama de “as cinco leis espirituais da cura”. Pautada nessas leis, ela propõe uma cura por meio do perdão e oferece vários exemplos tirados da vida real. Uma obra que levará você a reconhecer a cura como algo muito maior que a simples remissão das doenças, pois, segundo Marion, o ato da cura é uma das etapas mais sublimes do nosso desenvolvimento espiritual. 

E aí, qual desses despertou seu interesse? Conta pra gente!


segunda-feira, 20 de março de 2017

Top 5: Filmes de Suspense











Se tem uma coisa que eu gosto de fazer, além de ler, é assistir filmes. Sou daquelas que vê todos os gêneros, mas tenho uma quedinha por filmes de suspense, sejam eles policiais ou sobrenaturais. Contanto que tenha um enredo bom, que me prenda e consiga me surpreender, tá valendo. Você também gosta? Então vem conferir meus 5 filmes de suspense preferidos. 
1- Os Outros
Eu me lembro o alvoroço que foi em cima desse filme quando ele foi lançado. Opiniões divididas, muita gente berrando que o filme era maravilhoso e outras tatas dizendo que era bem ruim. Que foi que eu fiz? Fui assistir, é claro! E adorei!
Não fazia ideia do que estava por trás daqueles fenômenos um tanto quanto paranormais e o suspense reinou até o último minuto. Tomei susto, gritei e fui surpreendida com o final. Sério, me deixou de queixo caído!
Pode não ter sido o melhor para muita gente, mas para mim ele superou todas as expectativas e me deixou sem palavras. E olha que eu não sou de me surpreender com tanta facilidade porque geralmente "mato" as histórias muito rápido. Mas esse foi sutil do início ao fim, manteve o clima de mistério e me prendeu. 
2- O Amigo Oculto
Embora esse seja um filme relativamente antigo (a Dakota Fanning ainda é uma criança) eu nunca havia assistido por conta de um spoiller. Eu não sei o que acontece comigo que sempre tem um abençoado que vem contar o que acontece num filme ou livro pra mim. Deve ser carma, aposto!
Pois bem, quando ele foi lançado eu achei a chamada MUITO BOA! Queria ver no cinema, mas não achei um filho de Deus que quisesse ir comigo por conta do gênero do filme. E como eu nunca gostei de ir no cinema sozinha, decidi esperar o bonitão sair em DVD. E foi aí que aconteceu o spoiller.
Aí ontem me bateu a vontade de ver um suspense maroto e olha quem eu encontrei no catálogo da Netflix? Já sabia o que acontecia, mas foi tão, tão, tão bom! Poderia ter aproveitado melhor se estivesse "no escuro", mas mesmo assim adorei! O que é a Dakota com aquele ar de psicopata? Chega a dar uns arrepios. Hahahaha. Gostei demais da história!
3- O Mistério das Duas Irmãs
Esse aí eu só não matei a charada porque não quis já que ele estava estampado bem debaixo do meu nariz. Sério, fiquei bem decepcionada comigo mesma.
Esse foi um daqueles filmes escolhidos aleatoriamente, sem saber muita coisa a respeito, só porque eu queria assistir algo diferente das comédias românticas que estou habituada.
O que encontrei foi uma trama bem mais ou menos, com elementos super clichês, mas que prende pelo mistério que ronda os personagens. A personagem principal é do tipo que não sei definir. Em alguns momentos sentia dó e ficava ansiosa para saber o que aconteceria com ela. Em outros só queria dar umas porradas. No fim das contas, não consegui formar uma opinião sobre ela e isso não é um ponto lá muito positivo não. Apesar desse meu "problema" com ela, achei o filme bem legal porque tem todos aqueles elementos que gosto em filmes desse tipo. Foi uma escolha aleatória que, realmente, valeu a pena assistir!
4- A Ilha do Medo
Veeeeeelho, assisti esse filme no cinema e ele foi escolhido, adivinhem só, de forma aleatória. Hahahaha. E eu juro que não tem nada a ver com o fato do Di Caprio, que foi meu crush por muitos anos, ser o personagem principal da história.
Comecei achando a história um tanto confusa, mas mesmo assim interessante. Fui acompanhando as aventuras e investigações dos personagens, tecendo as minhas próprias teorias e quando chegou o final... dei com a cara no chão! Eu não estava preparada para aquilo! Foi surpreendente demais, o tipo de história que, quando você repassa ela mentalmente, faz todo sentido. E ainda te deixa aquela famosa pergunta no ar: por que eu não pensei nisso?
Dessa vez não achei o enredo clichê e ele foi bem além das minhas expectativas que, confesso, eram mínimas. Apesar de ter assistido somente uma vez, lembro bem dos detalhes e um dia desses, espero rever.
5- Seven - Os sete crimes capitais
Que filme! Assisti na adolescência e foi por causa do Brad Pitt sim, vou logo ser franca. Junto com o Di Caprio, ele era meu crush, e fui ver o filme apenas porque ele estava lá. Pra minha sorte o filme era um suspense de tirar o fôlego, cheio de reviravoltas e com uma trama incrível!
Sempre gostei de suspense investigativo, o que não mudou muito com o passar dos anos, essa é a verdade. E esse tem todos os elementos que me prendem a um filme do gênero, principalmente por que coloca o telespectador para pensar. Me senti no meio das investigações, juntando pistas e tentando descobrir quem estava por trás de cada um daqueles crimes enigmáticos. Nem preciso dizer que no final descobri que sou uma péssima detetive, não é mesmo? Hahahaha. Mas valeu a pena toda empreitada, filme bom demais!
Agora conta aí pra gente:quais seus filmes de suspense preferidos?
Um beijo


quinta-feira, 16 de março de 2017

Cilada Para Um Marquês


“De todas as bobagens incríveis que ele já tinha visto as mulheres fazendo ao longo de sua vida, aquela era, sem dúvida, a pior.”
Sophie Talbot é conhecida pela Sociedade como uma das Irmãs Perigosas – mulheres Talbot que fazem de tudo para se arranjar com algum aristocrata. O apelido chega a ser engraçado, pois se existe algo que Sophie abomina é a aristocracia. Mas parece que mesmo não sendo uma irmã tão perigosa assim, o perigo a persegue por todos os lugares.
Quando a mais “desinteressante” das irmãs Talbot se torna o centro de um escândalo, ela decide que chegou a hora de partir de Londres e voltar para o interior, onde vivia antes de seu pai conquistar um título. Em Mossband, ela pretende abrir sua própria livraria e encontrar Robbie, um jovem que não vê há mais de uma década, mas que jura estar esperando por ela.
No entanto, ao fugir de Londres, seu destino cruza com o de Rei, o Marquês de Eversley e futuro Duque de Lyne, um homem com a fama de dissolver noivados e arruinar as damas da Sociedade. Rei está a caminho de Cumbria para visitar o odioso pai à beira da morte e tomar posse de seu ducado. Tudo o que ele menos precisava era de uma Irmã Perigosa em seu encalço.
O Marquês de Eversley está convicto de que Lady Sophie Talbot invadiu sua carruagem para forçá-lo a se casar com ela e conquistar um título de futura duquesa. Já Sophie tenta provar que não se casaria com ele nem que fosse o último homem da cristandade. Mas e quando o perigo tem olhos verdes, cabelos claros e a língua afiada?
Essa viagem será mais longa do que eles imaginavam…
Título: Cilada Para Um Marquês
Série: Escândalos e Canalhas
Autor (a): Sarah MacLean
Editora: Gutenberg
Número de páginas: 320
Se tem uma autora que anda ganhando cada vez mais espaço na minha estante é a Sarah MacLean. Suas histórias sempre bem humoradas, os personagens cheios de carisma e o romance doce e sensual sempre me agradam em cheio. E com esse livro não foi diferente.
Sophie é conhecida por ser uma das irmãs perigosas, nome jocoso pelo qual são tratadas as irmãs Talbot. Por serem filhas de um homem que não nasceu aristocrata e teve o título comprado após ficar rico, elas não possuem nenhum tipo de prestígio da sociedade londrina. Qualquer situação que venham a se meter, sempre acaba sendo distorcida e transformada em escândalos. Muito embora isso não afete muito suas irmãs, que até mesmo gostam de ter seus nomes sempre "na boca do povo", isso incomoda bastante Sophie. Ela é diferente, evita ao máximo se expôr e nunca foi alvo de mexericos da alta sociedade. Até o dia em que flagrou o marido da irmã, em uma situação comprometedora, num dos bailes mais badalados da cidade. Visivelmente irritada pela forma grosseira como ele tratou sua irmã, que está grávida, ela simplesmente o joga em um tanque de peixes, não antes sem lhe dizer algumas verdades. O que ela não esperava é que a situação fosse vista por praticamente todos os convidados.
Sem saber como proceder, já que agora todos os holofotes estão sob ela, Sophie decide fugir e voltar à sua antiga cidade. Lá ela era mais feliz, principalmente por não ter todas as cobranças exigidas pela sociedade e por não ter que conviver com todos aqueles aristocratas esnobes que ela odiava. Disfarçada, ela se infiltra na carruagem do Marquês de Eversley, mais conhecido como Rei - o canalha real.
Rei é um notório libertino e responsável pelo fim de diversos casamentos. Ele e Sophie acabam se esbarrando enquanto ele fugia pela janela em mais um de suas aventuras amorosas em pleno baile (já perceberam que esse baile rendeu, não é?). Após negar uma carona a ela, afinal ele não deveria confiar em uma irmã perigosa, ele se surpreende ao encontrá-la, disfarçada, em sua carruagem. Decidido que ela quer apenas colocá-lo em uma situação constrangedora para forçar um casamento entre ambos, ele nega e toda e qualquer ajuda à moça. Se ela quisesse chegar a algum lugar que fizesse isso sozinha, sem ajuda dele. E ela realmente faz isso... mas de uma forma que o duque jamais imaginaria.
O que vemos a partir daí, minhas amigas, é o desenrolar de uma história que vai muito além das clássicas histórias de amor com as quais estamos habituadas. Não há um despertar de sentimentos instantâneo, uma atração incontrolável ou uma paixão avassaladora e à primeira vista. Também não encontramos o clássico clichê do casal que se odeia, mas no fundo se ama. Tanto Sophie quanto Rei estão mais preocupados com seus problemas do que com algum relacionamento que possa vir a surgir entre eles. Para ela é praticamente inconcebível sonhar em ter algo com um homem como ele, que não tem escrúpulos e seduz mulheres por hobby. Para ele, ela é apenas mais uma interesseira, que quer seduzi-lo para conseguir um título. Juntos, eles vão protagonizar cenas hilárias, com direito aos diálogos mais divertidos que já encontrei em livros de época.
Sophie se tornou uma das minhas protagonistas preferidas da vida! A autenticidade e a enorme presença de espírito foram o ponto chave para me conquistar. Ela não faz questão de ser outra pessoa para conquistar alguém. E nem sequer está interessada em conquistar o marquês. Tudo que deseja é ter sua paz de volta, longe dos olhares reprovadores da aristocracia, e ser feliz no único lugar onde se sentiu verdadeiramente em casa.
Rei também é um encanto, acreditem se quiser. De imediato não sabia bem o que pensar a seu respeito, afinal ele é um personagem bem misterioso e a única coisa que sabemos é que é um canalha e sente um grande rancor pelo pai. É evidente que existe algo que não é contado para o leitor e quando finalmente descobri, me apaixonei. Claro que também passei raiva com eles, principalmente porque temos aqui duas pessoas teimosas, impetuosas e que acabam tomando decisões precipitadas por se deixarem levar pelo momento.
Cilada para um Marquês se tornou o meu livro preferido da Sarah MacLean. A trama é bem escrita e ágil, com uma história que não se prende a apenas um romance. Não quero ser repetitiva, mas é sempre bom lembrar que pra me ganhar totalmente a trama precisa ir muito além do trivial e trazer uma subtrama que realmente me prenda. E ela conseguiu, já que cada um dos personagens tem um objetivo a cumprir e o romance é algo que vai acontecendo de forma gradativa, sem nenhum dos dois esperar.
Esse é um daqueles livros que agrada em cheio a todos os apaixonados por um bom romance de época. Uma história divertida, sensual e romântica que você precisa conhecer e se apaixonar!

segunda-feira, 13 de março de 2017

Top 5: Detetives


Quem aqui gosta de um bom romance policial? Eu adoro, ainda mais quando a trama, além de ser empolgante, traz um detetive que acaba me conquistando. Não sei quanto a vocês, mas eu gosto de me sentir próxima do personagem (e nesse ponto falo de uma maneira geral), como se ele estivesse próximo a mim de alguma forma e eu fosse sua assistente na resolução daquele caso. Estranho? Talvez, mas funciona assim comigo. E pensando na minha experiência, resolvi trazer pra vocês meus 5 detetives preferidos da literatura. Vamos conferir?
1- Miss Marple
Certo, já vou começar me explicando porque na verdade essa senhorinha linda não é bem uma detetive com todas as letras e sim uma velhinha muito astuta e curiosa que sempre desvenda os casos mais curiosos e difíceis que aparecem em sua frente. Miss Marple é a minha personagem preferida dos livros da diva Agatha Christie e isso se dá por ter muito parecida com ela, principalmente no fator curiosidade. Gente, se tem algo estranho acontecendo eu já quero meter meu nariz gordo no meio, cês não tá entendendo? Fora que ela foge totalmente a regra da velhinha rabugenta, que fia em sua cadeira de balanço fazendo tricô e brigando com os gatos. Miss Marple é uma simpatia e dona de uma energia imensa, capaz de mover o mundo. Tiro meu chapéu para ela!
2- Hercule Poirot
E tem como não gostar do Poirot? O dono de uma das mais privilegiadas mentes da literatura está longe de ser uma pessoa modesta e, conheço umas pessoas que não gostam dele justamente por conta disso. Mas gente, vamos ser sinceros: ele é o cara! Se eu tivesse metade do raciocínio lógico e da inteligência dele estava feita nessa vida.
Gosto do Poirot porque ele vê além do óbvio. Sua massa cinzenta nunca para de trabalhar e não há um detalhe que ele deixe escapar em suas investigações. Gosto da forma mansa com que ele aborda as testemunhas, como demonstra interesse pelas minúcias dos casos, como mostra àqueles que está ao seu redor, que muitas vezes a solução está bem embaixo de seus narizes. Seu jeito peculiar, seu bigode "ostentação" e suas tiradas sempre muito perspicazes, o tornam um dos maiores detetives da história.
3- David Gurney
Esse é meu caso de amor da atualidade. A série escrita pelo John Verdon é uma das melhores que já li atualmente e sempre recomendo pra quem gosta do gênero. E é nela que conhecemos o David, ou Dave para os íntimos (como eu, claro - hahaha), um detetive aposentado que acaba voltando à ativa para solucionar um caso e acaba não parando mais.
Dave é um charme. Eu sempre digo que inteligência é algo muito sexy e esse homem é extremamente sexy por ser extremamente inteligente! E, ao contrário do nosso colega aqui em cima, a palavra modéstia existe sim em seu dicionário e é usada com uma frequência enorme. Ele é perspicaz, mas não é do tipo imbatível o que o torna ainda mais "gente como a gente" , algo que facilita bastante a aproximação entre personagem e leitor.
Quem ainda não conhece, por favor, não espere mais tempo e comece a ler. Não vai se arrepender. ;)
4- D.D. Warren
Tem que ter ela nesse post sim, afinal é uma das detetives mais tops que conheço. Fui apresentada à essa linda em Viva Para Contar, quarto livro da série (a Novo Conceito lançou fora de ordem, portanto li tudo de forma errada mesmo) e me apaixonei!
Ela é uma mulher de fibra! Forte, persistente, inteligente e sarcástica pra caramba. D.D. não se deixa intimidar por nada e nem ninguém e diversas vezes ela já se viu frente a frente com a morte. Seu jeito durão e por vezes grosseiro intimida, confesso. Mas quando começamos a conhecê-la melhor, a admiração fala mais alto e essa forma de agir acaba sendo deixada de lado para focar apenas naquilo que é importante. Ela é uma líder nata. tem olhos de águia e uma capacidade maravilhosa de encontrar pistas. Ainda sonho com o dia que a NC trará os outros livros dela, estou carente de suas aventuras.
5- Uni-Duni-Tê
Helen Grace é maravilhosa, apenas! Com uma história de vida marcante, dona de um jeito sisudo e as vezes meio durão, ela é uma daquelas personagens que, logo de cara, me deixou intimidada. Só conseguia imaginá-la como uma mulher de feições endurecidas e não muito amistosa. E isso foi algo que perdurou por quase toda a leitura desse livro e somente lá para o final da história é que pude compreendê-la melhor. Contudo, antes de entender o porquê do seu jeito, ela já havia ganhado meu respeito por mostrar um lado eu jamais imaginava existir nela.
Forte, decidida e independente, Helen é sinônimo de competência e seriedade. Ela faz seu trabalho com toda dedicação e isso é o que a torna uma detetive incrível. Fora que é notavelmente inteligente, qualidade essencial nos detetives. Espero MUITO que a Record traga os outros livros da série (Uni-Duni-Tê é o primeiro e foi lançado ano passado).
Agora é a sua vez. Quais são seus detetives preferidos da literatura?
Um grande beijo