quarta-feira, 27 de julho de 2016

Sedução da Seda



Talentosa e ambiciosa, a modista Marcelline Noirot é a mais velha das três irmãs proprietárias de um refinado ateliê londrino. E só mesmo seu requinte impecável pode salvar a dama mais malvestida da cidade: lady Clara Fairfax, futura noiva do duque de Clevedon.
Tornar-se a modista de lady Clara significa prestígio instantâneo. Mas, para alcançar esse objetivo, Marcelline primeiro deve convencer o próprio Clevedon, um homem cuja fama de imoralidade é quase tão grande quanto sua fortuna.
O duque se considera um especialista na arte da sedução, mas madame Noirot também tem suas cartas na manga e não hesitará em usá-las. Contudo, o que se inicia como um flerte por interesse pode se tornar uma paixão ardente. E Londres talvez seja pequena demais para conter essas chamas.
Primeiro livro da série As Modistas, Sedução da seda é como um vestido minuciosamente desenhado por Loretta Chase: de cores suaves e românticas em alguns trechos, mas adornado com os detalhes perfeitos para seduzir.
Título: Sedução da Seda
Série: As Modistas - Vol. 1
Autor: Loretta Chase
Editora: Arqueiro
Número de Páginas: 304


Pode falar a verdade: tava demorando pra aparecer resenha de romance histórico de novo, não? Resolvi dar uma variada nas minhas leituras ao constatar que estava lendo muito livros de um gênero só e não dando atenção a outros. Mas quem disse que consegui ficar muito tempo longe dos meus amados romances? Quando esse livro da Loretta chegou fiquei doida pra ler, afinal minha experiência com seus livros foram muito boas e esse trazia uma mocinha diferente das dos demais livros. Me joguei na leitura sem medo de ser feliz e gostei do que encontrei.
Em Sedução da Seda vamos conhecer a história das três modistas da família Noirot: Marcelline, Sophia e Leonie. Vindas de uma família desestruturada, as três possuem personalidades distintas e uma grande paixão em comum: a costura. Juntas elas comandam a Mason Noirot e têm como ambição serem a maior referência de moda em Londres. A responsável pelos desenhos dos vestidos é Marcelline, a irmã mais velha, uma mulher forte e decidida que não mede esforços para conseguir o que deseja. E um dos maiores desejos das irmãs é conseguir que Lady Clara, a futura duquesa de Clevedon, em sua cliente em potencial, o que as tornaria conhecidas na alta sociedade londrina.
E é pensando nisso que Marcelline decide convencer o duque de Clevedon de que ela é a melhor modista do mundo. E como ela vai fazer isso? Indo a Paris e fazendo o duque notá-la, graças a um de seus modelitos exclusivos e lindos, e com isso mostrar a ele que sua futura duquesa precisa vestir-se a altura já que ocupará um lugar de tão grande destaque na sociedade. Parece meio louco? Pois é, também achei, mas não é que deu certo? O que ela não esperava era se sentir tão atraída por ele.
Clevedon é um homem bonito, sedutor e com aquela tão conhecida fama de libertino. Ele, que está prestes a voltar a Londres para firmar compromisso com a doce Clara, fica louco por aquela dama misteriosa. Ele sempre fugiu de suas responsabilidades, talvez por ter herdado o título muito cedo, e agora sente-se, enfim, pronto para casar e formar uma família ao lado daquela que tem sido seu porto seguro há muitos anos. Contudo, ele ainda pretende aproveitar seus dias de solteiro em Paris ao lado da bela dama que conheceu. E mesmo quando descobre a verdadeira intenção dela ao se aproximar dele, não tem mais como fugir: já está totalmente envolvido na teia que ela, tão sabiamente, teceu.
Comecei a ler o livro com expectativas altas e, de imediato, achei que ele não fosse conseguir me agradar. Achei o início um pouco lento e a história demorou a engatar. Mas quando ganhou força, me vi totalmente contagiada pela simpatia e vivacidade de Marcelline. O romance entre os personagens acontece de forma gradativa. Há uma forte atração inicial e logo de cara o leitor percebe que a química entre eles é forte. Cada toque, mesmo que não intencional, desperta fagulhas de desejos em ambos. E, o fato dela ser uma mocinha mais experiente que as que estamos acostumadas a ver, permitiu que a autora trilhasse um caminho diferente, ousando nas cenas mais picantes e criando uma atmosfera mais hot que eu curti bastante. Não ficou vulgar e foi muito bem inserida no contexto da trama.
Marcelline foi minha personagem preferida. Ela roubou a cena e deu todo o brilho ao livro com suas sacadas incríveis e todo aquele jeito durão de ser. Gosto quando a mocinha é dona do próprio nariz e não tem papas na língua. Clevedon, apesar de ser um homem interessante, não teve o mesmo brilho que ela. Tiveram cenas muito boas, onde ele mostrou toda sua gentileza e bom caráter. Contudo, esperava mais dele. E, fazendo um parâmetro entre os mocinhos dos livros que li até hoje, ele é o mais apático de todos. É um bom personagem, mas ainda precisa comer muito arroz com feijão pra chegar em um patamar que me agrade.
A história é muito boa, prende o leitor e tem personagens secundários que são ótimos! Contudo, achei que a autora poderia ter explorado mais a rivalidade entre as modistas da Mason Noirot e sua arqui-inimiga da "Trapos". Existe um foco muito grande no romance, tanto que essa subtrama foi pouco aproveitada e somente lá pelo final as coisas começaram a ficar realmente boas. Senti falta de acompanhar as possíveis tramoias da Srta. Oakes para conseguir desbancas as irmãs, acho que daria um tom misterioso e talvez, por que não, mais divertido. Como ainda temos mais três livros, deposito neles minhas esperanças de que a autora consiga ir além.
Em suma, Sedução da Seda é um livro muito gostoso de ler. Gostei demais do que encontrei e estou ansiosa para ler os próximos livros. Inclusive, enquanto lia já tive pequenos vislumbres do que irei encontrar no segundo. Já sinto que irei amar!
Pra quem gosta de romances de época, eis aí uma história que você não pode deixar de ler.


terça-feira, 26 de julho de 2016

República de Ladrões

Envenenado e à beira da morte, Locke Lamora segue para o norte com seu parceiro, Jean Tannen, em busca de refúgio e de um alquimista para curá-lo. Porém, a verdade é que ninguém pode salvá-lo. Com a sorte, o dinheiro e a esperança esgotados, os Nobres Vigaristas recebem uma oferta de seus arquirrivais, os Magos-Servidores.
As eleições do conselho dos magos se aproximam e as facções precisam de alguém para fazer o trabalho sujo, manipulando votos. Se Locke aceitar, o veneno será purgado de seu corpo com o uso de magia – mas o processo será tão excruciante que ele vai desejar morrer.
Locke acaba cedendo ao saber que o partido da oposição contará com uma mulher do seu passado: Sabeta Belacoros, a única pessoa capaz de se igualar a ele nas habilidades criminosas e mandar em seu coração. Novamente em uma disputa para ver quem é o mais inteligente, Locke precisa se decidir entre enfrentar Sabeta ou cortejá-la, e a vida dos dois pode depender dessa decisão.
República de ladrões leva o leitor ao início da vida de Locke enquanto flerta com o seu fim, revelando todos os matizes de Sabeta e de seu relacionamento com o líder dos Nobres Vigaristas. Misturando momentos tensos e cômicos do passado e do presente, esta obra é, até agora, a melhor de Scott Lynch.
Título: República de Ladrões
Série: Nobres Vigaristas - Vol. 3
Autor: Scott Lynch
Editora: Arqueiro
Número de Páginas: 544


Por mais que leitores vorazes e exploradores de universos possam dizer que é difícil determinar uma obra/universo favorito entre a infinidade que conhecemos e absorvemos diariamente, existem aqueles que são guardados com grande carinho em nossas memórias. Algumas dessas obras não chegam devagar ou pedindo licença, mas de forma potente como uma avassaladora paixão. Eu estaria mentindo se não desse a série Nobres Vigaristas o devido valor. A cada novo livro a vontade de acompanhar os personagens e suas desventuras apenas se amplifica, e claro que na primeira oportunidade você irá se debruçar sobre o volume posterior dessa jornada. A minha chance é claro veio agora e não foi desperdiçada...
Em três anos a vida dos Nobre Vigaristas se transformou totalmente. Para a azar de nossos heróis essa mudança não foi para melhor. A vida de uma Pessoa-Certa obviamente não é fácil, sempre se há risco em viver de furtos, golpes e outros crimes de diferentes escalas, mas a morte se tornou constante aos discípulos de Correntes.
Em As Mentiras de Locke Lamora os Nobres Vigaristas são colocados no meio de uma trama de vingança cruel e sanguinária que envolvia a alta cúpula do crime e a nobreza Camorri. Em Mares de Sangue, os sobreviventes do encantador grupo de vigaristas tentam se reerguer em um arriscado golpe contra o cassino Agulha do Pecado, mas antigos inimigos surgem irritados e amarram o destino dos heróis em mais uma trama sórdida, dessa vez de natureza política envolvendo o Arconte de Tal Verrar e os piratas das Ilhas dos Ventos Fantasmas. Nas duas ocasiões a morte acompanhou de perto nossos heróis e carregou consigo pessoas queridas, mas nunca desistiu de ter aqueles que sobraram para si...
Aqui começamos a trama na distante terra de Leshane com um Locke Lamora moribundo e um Jean Tannen em desespero atrás de uma cura para o mal que atinge seu melhor amigo. Cada Galeno (médico) consultado garante apenas uma coisa: a alquimia negra que adoeceu no Nobre Vigarista é desconhecida e um antídoto jamais será encontrado. Contudo é de onde menos se espera que a salvação surgem mas ela irá cobrar um preço: Locke e Jean terão que ir até Kertane trabalhar para os Magos-Servidores - definitivamente seus piores inimigos - durante o Jogo dos Cinco Anos. A disputa consiste em ajudar o partido em que seus contratantes apostaram a vencer uma eleição usando toda seu conhecimento em manipulação e golpes, mas sabendo o adversário também terá um "conselheiro" pronto para a tarefa. No entanto, como toda dificuldade é pouca, seus adversários contrataram ninguém menos que Sabeta, o misterioso grande amor de Lamora. Locke terá que jogar para vencer se quiser continuar vivo, mas será que o desejo de reconquistar a mulher dos seus sonhos permitirá que as coisas aconteçam de forma simples? Enquanto tudo acontece isso os Magos Servidores tem seus próprios planos para todos eles...
Em República de Ladrões, Scott Lynch nos carrega de volta para sua agradável e fluida narrativa em terceira pessoa. O ritmo da obra autor permanece ágil apesar da grande quantidade de informações apresentadas na histórias principal e em seus interlúdios, tornando a leitura agradável e veloz mesmo em pela expansão do cenário. A linguagem utilizada pelo Lynch permanece também simples e de fácil entendimento, ainda mais agora longe dos jargões navais que se tornaram necessários no volume anterior.
Se tanto elogiei anteriormente a construção do cenário, dessa vez não poderia ser diferente. Novamente somos levados a novas terras, novas culturas e mistérios, tanto no presente quanto nos interlúdios que exploram o passado. Deixamos Tal Verrar e conhecemos Leshane e Kertane no presente dos personagens, e também voltamos a Camorr e visitamos Espara nos interlúdios ambientados no passado. Com cada vez mais cor e graça, o cenário se mostra ainda mais rico e envolvente; não é só repleto de informação para dar grandeza, é repleto de informação para que os detalhes lhe convençam que por mais diferente que aquela realidade lhe pareça, ainda sim seja plenamente palpável. Das vestes a cultura popular com suas datas, festejos e cultos, das regras e leis aos tratados não escritos, cada elemento te encaminha para uma imersão profunda e encantadora.
Como é de costume, Lynch tenta sempre surpreender o leitor com seus plots, tramas e sub-tramas, e um elemento fundamental para tal nesse livro é Sabeta. Desde o primeiro volume somos tocados pela citação do seu nome e da importância que ela tem para Locke, mas tudo sobre sua figura sempre fora oculto. Todavia aqui já não espaço para esconder, mas sim revelar. A relação dos dois é explorada durante a narrativa principal e também nos interlúdios que nos levam ao passado dos Nobre Vigaristas. É possível dizer que essa relação é quem move a trama no presente, até mais que o mistério sobre a origem de Lamora e a presença aterradora dos Magos-Servidores. O que não significa que não irá refletir no futuro.
Bem como destacado na resenha do volume anterior, os personagens são o foco da história e o que nos faz ficar grudados nas páginas durante a leitura. Lamora e Tannen voltam a nos conquistar com sua lealdade, seus golpes bem arquitetados, e com uma inocência que os coloca várias vezes em risco. Conhecemos enfim Sabeta, capaz de rivalizar Locke em intelecto e desestruturá-lo apenas por existir. Voltamos a ver Correntes e os Gêmos Calo e Galdo - responsáveis pelas partes mais cômicas do livro - durante os interlúdios que nos fazem ter mais saudade da relação familiar que tinha toda aquela gangue. Inclusive ouso dizer que as partes do livro que mais me agradaram foram ambientadas nesse passado dos Nobre Vigaristas em Espara tentando ajudar a Compania Moncraine-Boulidazi a encenar a aclamada peça República de Ladrões. Contudo os personagens mais ocultos também tem seu papel como Paciência e os outros Magos-Servidores.
Como não poderia ser diferente a edição nacional recebeu todo o cuidado com a tradução e adaptação do texto, revisão, diagramação e outros detalhes gráficos, e acertaram em manter a capa original que tanto chama atenção dos leitores e desavisados. 
República de Ladrões é uma história inteligente e envolvente com doses de aventura, romance, drama e amizade, dotada de um ritmo e estilo leve mas também com aquela riqueza de detalhes que agrada aqueles como eu. A cada etapa ouso dizer que a série Nobres Vigaristas se torna mais instigante e apaixonantes, e se começada duvido muito que tenha vontade de parar. Concordo plenamente, dessa vez com as palavras da Publishers Weekly sobre o livro: "Frenético, divertido e impossível de parar de ler... Locke e companhia mantêm-se entre os protagonistas mais cativantes da fantasia e Lynch esgueira-se para uma paródia política incisiva sem nunca exagerar na comédia"


segunda-feira, 25 de julho de 2016

Top 5: Abandonei

Oi gente!
Todo mundo na vida já abandonou um livro que não estava fluindo de jeito nenhum, né verdade? E se você aí é uma exceção à regra, meus parabéns! Eu não sou e nesses meus muitos anos de leitora aconteceu de abandonar alguns livros que não fluíram de jeito nenhum. E são eles que vim mostrar pra vocês hoje. Simbora conhecer?

1- A Batalha do Apocalipse
Por favor, não me batam! Comecei a ler porque o Ace me disse que o livro era muito bom e estava esperando uma história de um jeito e... dei com a cara na água! Não é que o livro seja ruim, mas ele definitivamente não é um livro que me apeteça. Tentei, juto! Li até a página 200 e lá vai fumaça, curti super o Ablon, mas a história estava cansativa demais e abandonei.
Por muito tempo fiquei achando que eu tinha problemas, afinal eram tantos elogios à trama, tanta gente falando que leu e releu centenas de vezes e eu nem cheguei na metade, veja bem. Mas com o tempo passei a levar mais na esportiva. Nenhum livro é 100% legal pra todo mundo e, assim como eu, outras pessoas também não gostaram dele (é a vida).
Por enquanto, não está na minha meta tentar retomar a leitura, mas pretendo ler outro livro do autor futuramente.

2- Eu Sou o Número Quatro
Comecei a ler mega empolgada porque tinha assistido o filme e adorado (me julguem). Começou super bem, estava achando o livro ótimo até que comecei a "empacar" em algumas partes. Sei que o primeiro livro de uma série é sempre bem explicativo, mas esse me deu nos nervos. Era tanta coisa que me cansou. Abandonei com quase 60% lido porque já estava no ápice da minha paciência.
Pretendo voltar a ler? Sim, principalmente porque tirando esses excessos de informações a trama é muito boa e super interessante. Mas não é algo que eu farei por enquanto.
3- Mar Morto
Sempre adorei os livros de Jorge Amado. Quando estava na faculdade e nem sonhava em ter blog, li vários livros dele. Adoro a escrita, os personagens, as histórias... Jorge era incrível! Nunca tinha lido um livro dele que não tivesse gostado, até que Mar Morto veio parar em minhas mãos.
Esse eu nem consegui chegar na metade. O livro não é muito grosso, mas eu passei mais de 15 dias com ele e simplesmente não conseguia levar a leitura pra frente. A leitura era arrastada, a história se passava de forma lenta e os personagens não me cativaram. Foi com uma enorme dor no coração que o abandonei. Fiquei arrasada, cogitei voltar a ler de qualquer forma porque para mim era uma afronta abandonar o livro de um autor que eu gosto tanto. Mas não deu e superei! Futuramente, quem sabe, faço mais uma tentativa.
4- Quando Tudo Volta
Peguei esse livro numa ansiedade que vocês nem imaginam. Comecei a ler imaginando que seria uma história rápida por ser um livro fino e dei com a cara na porta. A leitura não andava e a história não dizia a que veio. Larguei de mão e fui para outro livro. Mas daí, conversando com Tácio do De Tudo Um Pouquinho, que disse que o livro tinha um final bom, me vi convencida a tentar mais uma vez.
E lá fui eu me jogar de novo na leitura. E, como vocês podem imaginar, não rolou (de novo) e eu desisti de tentar. Ao menos fiquei sabendo do final já que Priscila leu e até resenhou ele aqui no blog. \o/
5- Minha Pequena, Grande Mulher
Esse foi o que abandonei mais rápido, nem sei se cheguei a ler 50 páginas. Comecei a ler sem nenhuma expectativa, mas quando comecei a sentir que não estava fluindo fui no Skoob procurar algumas resenhas. Todas eram bem positivas, as meninas elogiando demais a história e tecendo mil elogios a ele. Resolvi seguir em frente, achando mais uma vez que o problema era da minha falta de empolgação. Mas não foi!
O livro até mantém um ritmo mais ágil, mas a história não conseguiu me cativar. Achei a personagem principal irritante e por mais que tentasse enfiar aquele livro goela abaixo, não conseguia. Resolvi parar de tentar e passar outro na frente com a esperança de voltar depois e terminar. Nem preciso dizer que não deu muito certo essa tática, né? A história continuou sem fluir e desisti de vez de ler.
Agora é a sua vez de me contar quais foram os livros que você abandonou (ou não) nessa sua jornada de leituras.
Beijos enormes


sexta-feira, 22 de julho de 2016

Ônix


Estar conectada a ele é uma droga!
Graças ao seu abracadabra alienígena, Daemon está determinado a provar que o que sente por mim é mais do que um efeito colateral da nossa bizarra conexão. Em vista disso, fui obrigada a dar um “chega pra lá” nele, ainda que ultimamente nossa relação esteja... esquentando.
Algo pior do que os Arum ronda a cidade.
O Departamento de Defesa está aqui. Se eles descobrirem o que o Daemon pode fazer e que nós estamos conectados, vou me ferrar. Ele também. Além disso, tem um garoto novo na escola que, tal como a gente, guarda um segredo. Ele sabe o que aconteceu comigo e pode ajudar, mas, para fazer isso, preciso mentir para o Daemon e ficar longe dele. Como se isso fosse possível!
Até que, de repente, tudo muda.
Vi alguém que não deveria estar vivo. E tenho que contar ao Daemon, mesmo sabendo que ele não vai parar de investigar até descobrir toda a verdade.
Ninguém é o que parece ser. E nem todo mundo irá sobreviver às mentiras.
Título: Ônix
Autor (a): Jennifer L. Armentrout
Editora: Valentina
Número de páginas: 416



Ano passado li Obsidiana e ele foi uma verdadeira surpresa. A história me prendeu e foi muito além daquilo que eu estava esperando. Por conta disso, minhas expectativas a respeito de Ônix estavam super altas e, apesar de ter algumas ressalvas, o livro não me decepcionou. 
Neste segundo volume a história começa praticamente de onde Obsidiana parou. Após o confronto final com o Arun, muita coisa mudou na vida de Kat. E não falo isso só por que ela se deu conta do perigo que a cerca deixando-a com o psicológico abalado. Seu corpo também anda estranho e ela, de uma hora para outra, se vê acometida por uma febre intensa que a faz perder os sentidos e ir parar no hospital. E quem é que está lá para salvá-la? Daemon, é claro. 
Era de se esperar que, depois de tudo que os dois passaram no primeiro livro, que neste eles estivessem só vibrando amor e paz, certo? Infelizmente não! A guerrinha entre ambos continua intensa, ela sempre negando (para ele e para si mesma) seus sentimentos e ele, por sua vez, sendo a cada dia mais irritantemente sedutor e cheio de si. Contudo, também conhecemos uma nova faceta do nosso Luxen preferido (não sei se é o de vocês, mas é o meu): ele está a cada dia mais atencioso e romântico, um verdadeiro sonho! Mas nem isso torna a relação entre os dois menos confusa. 
E tudo piora ainda mais quando um novo aluno chega à escola. Blake é lindo, bem humorado e... normal. Perto dele Kat consegue esquecer os seus problemas e ser uma adolescente normal, sem se preocupar com alienígenas. Ele, que perdeu os pais e a irmã quando ainda era criança, é um garoto extremamente gentil e apaixonante, do tipo que qualquer garota se derreteria. Vocês acham que Kat ficaria imune a todo esse charme? O que ela não sabe é que ele guarda segredos, daqueles que nem mesmo nós, leitores ávidos, poderíamos imaginar.
Como já falei ali em cima, estava com expectativas muito altas a respeito desse livro. Vejam bem, eu adorei Obsidiana e estava esperando algo à altura dele. Mas bastou começar a ler para achar que a decepção estava batendo à minha porta. O que acontece é que o início de Ônix é muito arrastado, a leitura não fluiu e cheguei a cogitar a ideia de abandonar o livro. A história não mostrava a que veio, não conseguia enxergar uma trama bacana no meio de tantas embromações e até mesmo os personagens principais estavam se mostrando opacos e sem aquele brilho que tanto me cativou no primeiro volume. As coisas só melhoraram a partir da página 150 (não me recordo o número exato, mas foi mais ou menos esse), que foi quando a história ganhou ritmo e conseguiu me prender.
Katy, que desde o primeiro livro tinha virado minha personagem preferida, acabou me irritando diversas vezes por conta de suas atitudes impensadas. Ela, que sempre foi tão prudente em relação a algumas coisas, mostrou neste livro o quanto pode ser impulsiva, infantil e irritante. Sério, não esperava isso dela! E suas escolhas irão afetar a vida de várias pessoas. Daemon, por sua vez, está melhor que antes e a cada novo capítulo se torna visível o seu amadurecimento. Suas respostas afiadas, o jeito sarcástico de falar e aquela ironia que exala dos poros continua presente. Contudo, o leitor percebe que existe algo mais ali, uma mudança discreta e agradável, que contribuiu bastante para o bom desempenho da história.
Gostei da inserção dos novos personagens e do rumo que a Jennifer deu à história. Achei que teve boas cenas de ação e, mais uma vez, me agradou o fato do romance entre os personagens não ser o foco da trama. Fiquei de queixo caído com diversas descobertas e com tantas traições e segredos que ela nos revela. Sou do tipo que desconfia de TODO MUNDO, mas o desfecho foi algo que me deixou boquiaberta. Preciso dizer que preciso da continuação pra ontem?
Só não ganhou 5 estrelas por conta da falta de agilidade inicial (achei alguns pontos e descrições desnecessárias) e da chatice de Katy, que testou a minha paciência até o fim. No mais, a história surpreendeu e eu, que já tinha me apaixonado antes, virei fã dessa saga que promete melhorar a cada novo livro. Recomendo a leitura!


quarta-feira, 20 de julho de 2016

Grupo Editorial Pensamento - Julho

Oi pessoal!
Vamos conhecer os lançamentos do Grupo Editorial Pensamento para o mês de julho?

Agora que Skylar decidiu ajudar Win a acabar com o controle secreto exercido pelo seu povo alienígena sobre a Terra, ela segue para a imensa estação espacial que Win e o restante dos kemyanos chamam de lar. Suas habilidades conquistam o respeito dos Rebeldes, porém eles percebem que alguém está vazando informações para o inimigo, quando os Executores intensi cam seus esforços para capturá-los. Skylar tem razões para descon ar de todos os kemyanos. A cada passo em direção à verdade, Skylar mergulha mais fundo nas vidas ao seu redor e no completo horror do aprisionamento de seu planeta. Para completar sua missão, ela precisa arriscar a própria vida, o seu coração e o futuro da Terra.

Durante um tratamento psiquiátrico após perder seu irmão e o rompimento de seu relacionamento, Greta Wells se vê transportada para vidas que poderia ter tido se tivesse nascido em épocas diferentes. Sua consciência se alterna entre seu próprio tempo e sua vida em 1918, em que trai o marido, e outra em 1941, em que é mãe e esposa devotada. As três vidas de Greta são repletas de tensões familiares e escolhas difíceis. Cada realidade tem suas perdas, recompensas e desafios. Será que são efeitos do tratamento ou ela realmente está vivendo essas vidas? E se Greta descobrir como permanecer em um dos outros mundos, em qual época ela vai querer ficar?

Derrubando mitos sexuais históricos, Karen Dolby conta num estilo leve, divertido e picante tudo o que aconteceu entre quatro paredes, ou mesmo diante dos olhos de todos, ao longo de mais de 2.500 anos de costumes sexuais. Você conhecerá as histórias desde a Grécia Clássica, passando pelos romanos e os escândalos envolvendo os Bórgias e as várias dinastias de reis e rainhas, papas e sacerdotes, presidentes e primeiros-ministros, escritores, artistas, santos e filósofos. Este livro vai virar do avesso tudo o que você pensou até hoje sobre os costumes sexuais da humanidade.
A dra. Elisa Medhus nunca acreditou na vida após a morte. Médica renomada, ela colocava toda a sua fé na ciência. Mas tudo isso mudou depois que seu filho Erik fez a passagem para o Outro Lado da Vida e passou a se comunicar com ela. Neste livro, Elisa transcreve as respostas de Erik para os mais universais questionamentos do ser humano: o sentido da vida e da experiência humana, a vida após a morte, e muitos outros assuntos relativos à espiritualidade. As mensagens profundas de Erik podem mudar sua vida para sempre.

Melhorar a gestão da riqueza pública é uma das questões econômicas mais importantes da nossa época. O setor público tem demonstrado ser um péssimo administrador da riqueza que possui em mãos. Com base em pesquisas e na experiência prática de muitos países, os autores mostram que governos do mundo inteiro, inclusive nações que hoje passam por crises financeiras, poderiam monetizar seus valiosos ativos de diversas formas. A principal sugestão para reverter o crescimento econômico enfraquecido é que os ativos públicos sejam entregues a uma gestão profissional de fundos, que lance mão do que há de melhor na administração corporativa.
James Allen, um dos maiores pensadores e divulgadores do mentalismo de todos os tempos, nos mostra neste clássico que os bons pensamentos, quando disciplinados e em estreito controle e observação, se transformam em realidade. Este livro nos ensina a adquirir força interior e a dominar nossos pensamentos, para termos uma vida mais saudável, feliz e abundante, que nos conduza à paz, à segurança e ao crescimento interior. A chave da felicidade está mais ao alcance de nossas mãos do que podemos imaginar!

A coleção "Seu Filho e a Astrologia", composta por 12 livros, é o guia perfeito para todas as mães que querem conhecer as características do signo do seu filho: o caráter, preferências, , personalidade, pratos prediletos, brincadeiras favoritas, talentos etc. Você irá encontrar uma série de dicas para descobrir a melhor maneira de se relacionar com ele, de acordo com o seu próprio signo do zodíaco. Saiba também como é o seu filho segundo o horóscopo chinês.