quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Moana - Um Mar de Aventuras





Moana, a filha querida do chefe de uma tribo polinésia,  é escolhida pelo próprio oceano para reunir uma relíquia mística a uma deusa. Para isso ela precisará zarpar em busca de Maui, um semideus lendário, único capaz de ajudar a salvar seu povo.




Título: Moana - Um Mar de Aventuras
Título Original: Moana
Lançamento/Duração: 2016 - 1h 47 min
Gênero: Aventura/Animação/Comédia
Direção: Ron Clements, Don Hall

Elenco: Auli'i Cravalho, Dwayne Johnson, Rachel House, Temuera Morrison, Nicole Scherzinger, Jemaine Clement, Troy Polamalu


"Mais uma excelente animação da Disney" - eu poderia dizer. "Um filme cativante e encantador" eu poderia acrescentar. Contudo eu estaria sendo simplório ao afirmar tais coisas, pois Moana é isso e um pouco mais. Poxa, o filme me fez passar o dia ouvindo as canções em looping e me deu a minha protagonista Disney favorita, acho talvez qualquer coisa que diga seja pouco! Assim sendo, vamos falar um pouco mais sobre ele.

A nova animação da Disney conta a história de Moana, a adorável protagonista que desde cedo conhece bem os costumes de seu povo e o destino que a aguarda. Como filha do Chefe Tui, Moana sabe que um dia será ela a liderar e cuidar do bem dos habitantes da ilha como a nova chefe, bem como manda a tradição. Desde criança uma forte ligação com o oceano a leva pensar no que há além dos recifes, porém o seu pai é contra qualquer aventura, e tem motivos para isso.
Contudo, quando um mal assola a ilha e os alimentos se tornam parcos, a jovem obstinada - com o apoio de sua avó - parte da ilha atrás de uma lenda: Moana precisa fazer o Semi-Deus Maui devolver o Coração da Deus Te Fiti e para por fim a sombra que assola as ilhas. Juntos vão enfrentar criaturas marinhas, imprevistos, desafios quase impossíveis e o submundo. Terão que aprender a confiar mais um no outro, para enfim salvar a todos.
Esse resumo nem de longe faz jús a trama do filme, mas é quase impossível deixar tudo claro sem entregar spoilers. Moana é uma aventura, uma jornada sobre coragem, auto-descoberta e superação, mas recheada de ação, musicais e momentos cômicos.
Os personagens da animação são fantásticos e carismáticos com destaque, é claro, para a forte e determinada Moana. Como a própria faz questão de destacar, não é uma princesa, mas a filha do chefe de sua tribo e futura líder de seu povo. A jovem, por mais que tenha seus deveres e entenda a importância disso não espera que a solução venha até ela, e também não coloca seus desejos acima dos daqueles a seu redor. Moana é independente, corajosa e decidida, um protagonista totalmente Girl Power e toma a frente de tudo, mesmo sendo seu companheiro de aventuras um semi-deus.
Mas os outros personagens não ficam muito atrás no quesito carisma. Maui, a avó Tala, o porquinho Pua, e até o galo louco Hei Hei, ganham facilmente um lugar de destaque na trama.
Nos quesitos técnicos de animação Moana mantém o fator Disney elevado como deve ser. Desde o visual particular de cada personagem, passando pelas referências visuais advindas dos povos polinésios e o trabalho gráfico, o filme traz um deleite visual para o expectador, além de trazer lembranças de outras obras dirigidas pela dupla a frente do projeto como Hércules e A Pequena Sereia. Mesmo sem dar um ponto sobre qual povo, de qual ilha advêm a inspiração, podemos ver o respeito às culturas polinésias, como os ritos e tatuagens comuns aos Samoanos e os Maori.
E não dá pra falar de animações da Disney e não falar das canções. Nossa, que musicais cativantes! As canções de Moana são musicas muito bem trabalhadas e estão longe de serem infantis, repetitivas, e enfadonhas. O trabalho de composição e arranjos que receberam são notáveis. Aqui abro parenteses para incluir elogios para a versão nacional: tanto execução quanto a localização, que estão em equivalência a versão original no quesito qualidade. Os dubladores Any Gabrielly e Saulo Vasconcelos estão de parabéns, bem como o Fernando Mendonça que interpreta a canção Para Ir Além. E o mesmo pode ser dito das vozes originais de Dwayne "The Rock" Johnson e Auli'i Cravalho. (Dá para conferir ambas as versões das canções no youtube).
E por falar nisso não importa se você gosta mais de dublado ou legendado, se puder assista ambas as versões (duvido que queira ver o filme apenas uma vez, confie em mim). 
Por fim, digo com certeza absoluta é um filme cativante e divertido, que consegue dosar perfeitamente ação, dramas, comédia e aventura sem quebrar ritmo, cada qual seu devido momento. Moana entrega para o espectador uma experiência extremamente positiva de entretenimento, capaz de agradar pessoas dos mais variados gostos e colocar um novo personagem Disney entre seus favoritos. É diversão descompromissada e garantida, vale a pena conferir.



quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

E Viveram Felizes Para Sempre

Alguns finais são apenas o começo...
Era uma vez uma família criada por uma autora de romances históricos...
Mas não era uma família comum. Oito irmãos e irmãs, seus maridos e esposas, filhos e filhas, sobrinhas e sobrinhos, além de uma irresistível matriarca. Esses são os Bridgertons: mais que uma família, uma força da natureza.
Ao longo de oito romances que foram sucesso de vendas, os leitores riram, choraram e se apaixonaram. Só que eles queriam mais. Então começaram a questionar a autora: O que aconteceu depois? Simon leu as cartas deixadas pelo pai? Francesca e Michael tiveram filhos? O que foi feito dos terríveis enteados de Eloise? Hyacinth finalmente encontrou os diamantes?
A última página de um livro realmente tem que ser o fim da história? Julia Quinn acha que não e, em E viveram felizes para sempre, oferece oito epílogos extras, todos sensuais, engraçados e reconfortantes, e responde aos anseios dos leitores trazendo, ainda, um drama inesperado, um final feliz para um personagem muito merecedor e um delicioso conto no qual ficamos conhecendo melhor ninguém menos que a sábia e espirituosa matriarca Violet Bridgerton.
Veja como tudo começou e descubra o que veio depois do fim desta série que encantou leitores no mundo inteiro.
Título: E Viveram Felizes Para Sempre
Série: Os Bridgertons
Autor (a): Julia Quinn
Editora: Arqueiro
Número de Páginas: 256


E a série Os Bridgertons chegou ao fim. Ai gente, que dor no coração! Fiquei bem dividida, confesso a vocês, afinal queria muito ler esse livro para reencontrar meus personagens tão amados, mas ao mesmo tempo não queria me despedir deles. No final, minha curiosidade venceu e me rendi a essa leitura que foi simplesmente maravilhosa!
Em E Viveram Felizes Para Sempre vamos encontrar os segundos epílogos de cada um dos livros que acompanhamos de forma ávida. Quem nunca se perguntou o que aconteceu após o fechamento de cada um dos livros? Eu sim e posso dizer a vocês que muitas das coisas que me perguntei após a leitura dos livros anteriores, coisas que ficaram "sem resposta" foram trazidas nesse livro, o que me deixou extremamente feliz. E antes que você comece a reclamar do tamanho dessa resenha, eu já vou logo avisando que ela ficou grande sim, mas é porque eu precisava falar um pouquinho sobre cada um dos contos e atiçar um pouco a curiosidade de vocês.
Em O Duque e Eu, temos o resgate das cartas que o pai de Simon deixou para ele e que, no livro do casal, nunca foram lidas. Você lembrava disso? Eu lembrava e essa sempre tinha sido uma das minhas curiosidades, afinal eu queria saber o que tinha escrito ali. Além disso, vamos acompanhar uma adorável surpresa na vida desse casal que já tem, pasmem, 20 anos de casados! Foi muito bom rever Dafne e Simon, apesar de ter achado a história bem fraquinha (foi um dos que menos me empolgou) achei que foi um ótimo fechamento para a história dos dois.
Depois dele temos Kate e Anthony, meu casal preferido. E eles não me decepcionaram nem um pouquinho. Esse foi, de longe, o mais divertido de todos, com uma disputadíssima partida de Pall Mall. Confesso que estava esperando algo diferente da história deles, uma história mais dramática ou algo do tipo. Mas quando comecei a ler vi que essa escolha da Julia tinha tudo a ver com o casal. Quem não se lembra da famigerada disputa entre eles em O Visconde que me Amava, que foi responsável por algumas das cenas mais hilárias do livro? Foi muito bom vê-los novamente disputando entre si e me rendeu muitas risadas. Não foi o meu conto preferido, mas foi um dos mais divertidos.
O terceiro é o mais fofo e não poderia ser diferente, afinal estamos falando de Sophie e Benedict, donos do livro mais romântico da série. Aqui vamos acompanhar a trajetória de Posy, irmã de Sophie, que está praticamente beirando a solteirice. Preocupada e munida de suas melhores intenções, ela fará de tudo para conseguir um marido para Posy. Se ela será conseguirá bancar o cupido, aí só lendo pra descobrir? Esse foi um dos meus preferidos e adorei o foco não ter sido na Sophie e sim na sua irmã, que sempre foi um amorzinho e merecia um final feliz (e com isso eu já vou entregando que tem casamento sim). <3
O conto de Colin e Penélope é uma cena que sempre imaginei e que fiquei muito feliz quando percebi que finalmente saberia como aconteceu. Quem nunca se perguntou como foi quando a Penélope contou seu segredo para sua melhor amiga Eloise? Foi bem divertido e, como não poderia deixar de ser, mostrou a força da amizade das duas. De bônus, temos Hyacinth mostrando que quando o assunto é ser esperta, nenhum Bridgerton a supera.
No conto de Eloise e Phillip, vamos reencontrar Amanda, lembram dela? A filha de Phillip, que junto com seu irmão gêmeo, fazia de tudo para chamar atenção do pai ausente. Aqui ela já é uma moça, já na idade de casar, dona de uma personalidade muito parecida com a de Eloise e que nos narra, com uma simplicidade incrível, sua vida após o casamento do pai. Através de seu ponto de vista, vamos conhecendo mais sobre seu relacionamento com Eloise, a quem ela considera uma mãe, a relação com o pai e, claro, a descoberta do amor. Não estava esperando nada dessa história e me vi fisgada do início ao fim, tanto pela narrativa instigante, como pelo carisma da personagem que roubou a cena e me deixou encantada!
Francesca e Michael protagonizam o próximo epílogo e nele vamos conhecer uma faceta diferente da nossa protagonista. Ela, que sempre foi a Bridgerton que menos tive ligação, foi a que mais me emocionou diante da exposição do seu maior sonho que, infelizmente, parecia impossível de acontecer. Me desmanchei em lágrimas algumas vezes enquanto lia e tudo que posso dizer é que Julia acertou muito no tom da personagem, que está muito mais madura, e na história, que foi uma das mais bonitas (perde apenas para a de Violet).
Em seguida, vamos para o que eu mais esperava: Hyancinth e a sua incansável caça às jóias perdidas, os tão famosos diamantes. Neste conto, também conhecemos Isabella, sua filha, dona do mesmo temperamento da mãe (e só por isso vocês já podem imaginar como ela deve ser) e tão carismática quanto. Essa foi uma das histórias que mais gostei e sempre quis saber se ela havia ou não encontrado essas jóias, ainda mais após aquele final (quem leu Um Beijo Inesquecível sabe do que estou falando). Adorei demais!
Uma das histórias que mais me surpreendeu foi a de Gregory e Lucy. Estava esperando uma história leve, sem nada dramático e com aquele ar de "nada de mais". Contudo, fui surpreendida pela forma que Julia conduziu a trama e com toda delicadeza ao narrar o nascimento do último bebê deles. Foi emocionante, sofrível, afinal o momento foi um dos mais delicados, e lindo! Me deixou em êxtase e acabou se tornando um dos queridinhos.
E por último, mas não menos importante (essa é a hora em que você suspira de felicidade porque esse resenhão tá chegando ao fim), temos a história de Violet e Edmund. Ai gente, meu coração não aguentou aquilo tudo! Já comecei a ler chorando, na metade já estava com os olhos embaçados e no final meu nariz estava um farolzinho, mostrando aos quatro cantos o quanto me emocionei. Foi lindo e merecia sim ter seu próprio livro, já que queria saber mais, queria ter os dois mais perto. Sem dúvidas, esse foi o preferido entre todas as histórias.
Esse livro fecha com louvor uma série que é maravilhosa e que ficará gravada para sempre em meu coração. Terminei a leitura feliz de ter reencontrado todos os personagens que tanto amo e, ao mesmo tempo, com aquela pontada de saudade no peito. Se você, assim como eu, é fã dessa série, não pode deixar de ler esse livro.

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Top 5: Romances Doces


Quem aqui gosta de um romance doce, daqueles que deixam o coração da gente enternecido? Eu amo! Não precisa ser daqueles cheios de mel, afinal tudo em excesso enjoa. Mas tem que ter doçura e me deixar com carinha de boba. E foi pensando nisso que reuni aqui 5 livros doces que eu amei e que quero muito que vocês conheçam. 
1- Volta Para Mim
Decidi ler esse livro por  conta do tom dramático que a trama parecia ter (e realmente tem), mas não esperava que o romance fosse ser tão doce. Fiquei apaixonada, logo nos primeiros capítulos, pela história de amor de Kit e Jessa. Ainda mais porque é um amor proibido e eu acho super gostoso acompanhar a luta do casal pra ficar junto. <3
A história é linda, os personagens são incríveis, cheios de determinação e coragem, e a trama é de uma doçura enorme. Gostei demais da leitura, ainda mais porque estava carente de uma história de amor que me enternecesse o coração. Valeu a pena demais me jogar de cabeça na história!
2- Mar de Rosas
Quarteto de Noivas é muito amor! As histórias são doces, divertidas e cativantes. Eu poderia escolher qualquer um dos livros dessa série para compôr esse post, mas escolhi esse porque, em minha opinião, é onde encontramos a personagem mais doce de todos os tempos: a Emma.
Ela é romântica, sonhadora e, como já falei aqui em cima, dona de uma doçura enorme. Junto com Jack, eles protagonizam uma história muito bonita e sem qualquer tipo de drama. Ambos são diferentes, mas sabe aquela velha história do encaixe perfeito? Pois bem, o que falta em um, tem no outro em excesso e é por isso que eles se completam tão perfeitamente.
3- Belleville
Esse livro já apareceu aqui antes e já declarei todo meu amor por ele, que é um dos meus nacionais preferidos. A história é forte e bem intensa, mas apesar de todo drama ele tem um dos romances mais doces que já li.
Lucius e Anabelle vivem em épocas diferentes (ela em 1964 e ele nos dias atuais), com problemas diferentes (a vida dela é difícil demais, gente) e os dois se comunicam através de cartas que são colocadas dentro de uma caixinha e enterradas em um determinado ponto no quintal da casa onde vivem.
São muitos os percalços na vida desse jovem casal, mas a ternura que eles emanam é bem forte e cativa o leitor. Uma doçura sem tamanho que me encantou demais e que só de pensar já me bate aquela sensação boa aqui no peito. <3
4- Querida Sue
Esse livro me chamou logo atenção por ser todo escrito em forma de cartas. A protagonista, uma jovem escritora, recebe uma carta de um fã e os dois começam a se comunicar desde então. A jovem Elspeth mora na ilha de Skye e David na America, locais bem distantes um do outro. E é através dessa intensa troca de cartas que eles acabam se apaixonando. Pronto, só isso já me deixou com o coração em polvorosa, afinal quer coisa mais linda que duas pessoas descobrindo o amor de forma tão inusitada?
Pra completar, a história tem a Primeira Guerra Mundial como plano de fundo em determinadas partes e eu sou uma apreciadora desse tema. Estava esperando um romance bem intenso, sofrido... mas encontrei algo tão doce que não tive como não derreter. Apaixonei e recomendo sempre! <3
5- Um Herói Para Ela
Esse é um daqueles livro que divide opiniões. Na época do lançamento vi muita gente criticando pesado a história, o clichê e a falta de química entre os personagens. Mas também vi pessoas elogiando como se não houvesse amanhã. Normalmente fico receosa com esse tipo de reação, mas decidi que daria minha cara a tapa. E gente, por mais clichê que a trama tenha sido, ela foi doce e romântica como eu havia imaginado.
Pode não ser a melhor história que você já leu, mas é aquele tipo que te faz suspirar e sonhar em viver um romance tão bonito quanto esse. Pra quem gosta de romance fofinho, docinho, esse livro é a pedida certa.
Já leram algum dos livros citados? E quais seus romances doces preferidos? Conta aí pra gente.
Beijos

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

O Livro de Memórias

Sammie sempre teve um plano: se formar no ensino médio como a melhor aluna da classe e sair da cidade pequena onde mora o mais rápido possível. E nada vai ficar em seu caminho — nem mesmo uma rara doença genética que aos poucos vai apagar sua memória e acabar com sua saúde física. Ela só precisa de um novo plano. É assim que Sammie começa a escrever o livro de memórias: anotações para ela mesma poder ler no futuro e jamais esquecer. Ali, a garota registra cada detalhe de seu primeiro encontro perfeito com Stuart, um jovem escritor por quem sempre foi apaixonada, e admite o quanto sente falta de Cooper, seu melhor amigo de infância de quem acabou se afastando. Porém, mesmo com esse registro diário, manter suas lembranças e conquistar seus sonhos pode ser mais difícil do que ela esperava.
Título: O Livro de Memórias
Autor (a): Lara Avery
Editora: Seguinte
Número de páginas: 392


Eu já sabia que essa não seria uma leitura fácil e que não encontraria aqui um final feliz. Não, isso não é um spoiller, afinal se você leu a sinopse já sabe o que vai encontrar aqui. Estava preparada pra sofrer, pra chorar, pra ficar deprê. Mas, acredite meu caro leitor, mesmo estando ciente de tudo que poderia acontecer, eu não esperava que essa história fosse tocar tão fundo minha alma.
Sammie é uma garota que tem todo o seu futuro já trilhado. Seu sonho é entrar para a NYU e, com as boas notas que possui, certamente essa conquista virá em breve. Além disso, ela irá para a competição de debates junto com sua amiga e ao final do ano letivo, será a oradora da turma. Ela teria um futuro brilhante, a não ser por uma doença rara e grave que faz parte de sua vida desde muito novinha. Sammie tem NP-C (Niemann-Pick), uma doença que afetará sua memória e, por consequência, todo o funcionamento de seu corpo. E isso não é algo que ela só sentirá após a idade adulta, pelo contrário. Pessoas com essa doença não possuem uma vida longa, portanto todos os planos que ela tem para seu futuro podem sim ser arruinados por conta disso.
Veja bem, nossa mocinha não é do tipo que se entrega. Ela tem planos, sabe o que quer e tem suas metas traçadas. E não vai ser doença nenhuma que a impedirá de concretizar tudo que deseja. Contudo, ela se vê perdida quando, em meio a algo tão importante, ela simplesmente tem "um branco" e não se lembra onde está e o que está fazendo. É o primeiro sintoma da doença mostrando que por mais força de vontade que ela tenha, tem coisas que são inevitáveis de acontecer.
Por conta da NP-C, ela decide começar a escrever um livro de lembranças, onde anota tudo aquilo que possa ser importante para a Sammie do futuro se lembrar. E é por meio de suas lembranças que vamos conhecendo sua história, seus anseios e medo, a perda e a descoberta de novas amizades. É através de seus escritos que vemos mais a fundo o que se passa com ela, conhecemos melhor Stuart, um jovem escritor que sempre foi sua grande paixão, e Coopper, vizinho e antigo amigo, que reaparece em sua vida e acaba se tornando alguém essencial em sua vida.
Acompanhar a história de Sammie foi algo que me marcou intensamente. Eu já sabia o que esperar, tinha em mente que a trama era emocionante e que as lágrimas rolariam. O que me surpreendeu foi a leveza do texto, a forma simples como todo o drama da protagonista é exposto e como a autora consegue nos levar para o dia-a-dia dela sem nenhum tipo de esforço. É muito fácil se transportar para a história, viver cada novo dia junto com Sammie, sorrir e chorar com (e por) ela. O fato dele ser narrado em primeira pessoa deixa a trama muito mais profunda e emoções realmente não faltam. Contudo, ele também mostra o cotidiano dela, seu relacionamento com Stuart e a família, as descobertas e fatos divertidos. Ela não é uma protagonista que fica se lamuriando e o leitor acaba se sentindo cativado pela forma de agir e pensar dessa garota de aparência frágil, mas que tem força de sobra pra enfrentar o que vier.
O Livro de Memórias me tocou de uma forma que é até difícil expressar em palavras. É uma história que nos faz refletir sobre diversas coisas principalmente sobre aquela velha frase que diz "aproveite o agora". São tantas coisas que deixamos de fazer ou valorizar, que deixamos para depois sem nem ao menos pensar se o depois realmente irá existir. Terminei a leitura com mil pensamentos fervilhando em minha mente e, para mim, quando um livro me leva a repensar tanto minha vida e a forma como encaro os fatos, é porque ele realmente valeu a pena e cumpriu lindamente o seu propósito. Ele fala sobre sonhos e de nunca desistir deles, mesmo que as vezes eles se mostrem ser impossíveis de realizar.
Não sei dizer de quais personagens mais gostei, afinal eles são tão diferentes entre si e tão encantadores. Sammie é um caso a parte, ela conseguiu mexer comigo por demais da conta e ganhou, com toda certeza, um lugarzinho naquela listinha marota de personagens preferidos. Ela exala força e determinação, foi maravilhoso conhecê-la e acompanhar sua jornada. Outro por quem caí de amores foi Cooper, que chegou de mansinho, mostrando ser só mais um garoto cheio de problemas e que nada acrescentaria à trama, mas se tornou parte essencial dela. A lealdade dele para com Sammie é algo inspirador, poucas são as pessoas que agiriam da forma como ele agiu.
Cada lição aprendida e toda a reflexão que ele me trouxe, irei levar para sempre em minha caminhada. O Livro de Memórias é uma daquelas histórias feitas sob medida para aquecer a alma e encantar os coração mais sensíveis. Sem sombra de dúvidas, um livro para ser guardado na memória. <3

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Bento Alves & O Ataque ao Templo Positivista



Em maio de 1896, o aventureiro profissional e caçador de recompensas Bento Alves é contatado pela sociedade secreta Parthenon Místico. Seus integrantes revelam a ele que a demoníaca Ordem Positivista gaúcha raptou a médium indígena Vitória Acauã para experimentos desumanos e odientos testes pseudo-científicos. Conseguirá o herói invadir o laboratório subterrâneo e resgatar a jovem vítima dos algozes da Ordem e do Progresso? Releitura dos heróis de Raul Pompeia e Inglês de Souza, este conto deu origem ao universo de Brasiliana Steampunk, série ganhadora do prêmio Fantasy! (Casa da Palavra/LeYa, 2014) com o livro A lição de anatomia do temível dr. Louison.
Brasiliana Steampunk Contos é uma coleção de seis contos interdependentes que trazem por protagonistas os heróis do universo criado por Enéias Tavares. Indicado para aventureiros do oculto e damas ousadas, este conto apresenta aventura, suspense & robóticos ameaçadores, entremeados à carta que Bento Alves escreve ao seu antigo amigo do colégio Ateneu, Sergio. Esta edição conta com apresentação do escritor Felipe Castilho - série Legado Folclórico -, posfácio do autor, edição de Fabio Brust e Inari Jardani Fraton, capa de Poliane Gicele e ilustrações exclusivas de Karl Felippe.
Título: Bento Alves & O Ataque ao Templo Positivista
Autor (a): Enéias Tavares
Editora: EPIC Group - Kindle Unlimited
Número de páginas: 48


Antes de falar sobre o conto em si é preciso informar que apesar de funcionar como uma história independente que irá te proporcionar o entretenimento desejado de sua leitura, o conto aventuresco steampunk carrega em suas entrelinhas um pouco de um universo maior. Caso nunca tenha ouvido falar, ou não tenha lido a sinopse fugindo de algum possível spoiler não-intencional, permita-me apresentar Brasiliana Steampunk, um universo que reinterpreta grandes personagens da literatura brasileira do século dezenove, tal qual uma Liga Extraordinária, a partir de uma roupagem Steampunk. Nas palavras retiradas do site oficial: Nele, as criações fantásticas de Álvares de Azevedo, Inglês de Souza, Raul Pompéia, Aluízio de Azevedo, Machado de Assis e Lima Barreto, entre outros, são realocadas num universo onde a linha divisória entre o real e o ficcional é borrada pelo vapor futurista, Zeppelins cortam o céu esfumaçado de uma decadente Porto Alegre art nouveau.
Introduzo-te no texto dessa forma não para afastá-lo da leitura do conto, muito pelo contrário: quero que fique ciente que há mais para se ler do que apenas um conto caso esteja disposto a isso, mas também quero que fique ciente de que a obra NÃO te obriga a ler mais do que ela para compreender o conteúdo e aproveitá-la. Peço desculpas caso tenha dado a entender o contrário, não foi minha intenção.
Dito isso, podemos ir ao que interessa...
Um aventureiro é contatado por um grupo secreto para invadir um laboratório subterrâneo bem guardado por soldados mecânicos de uma ordem ocultista e resgatar uma jovem vitima de experimentos doentios. Uma trama de ação contada através de uma carta amorosa. Sim, a nossa trama nos é entregue em forma de correspondência, uma carta escrita pelo protagonista Bento Alves a seu amado Sergio e nela, ele nos detalha seu contato com a sociedade de pessoas peculiares do Pathernon Místico e uma de suas aventuras na cidade de Porto Alegre dos Amantes; Para ser mais especifico, a invasão da sede de uma sociedade secreta conhecida como O Templo Positivista e o resgate da jovem Vitória Acauã. 
A proposta de Enéias nos transporta para a linguagem dos tempos de outrora, mas sem grandes dificuldades para compreensão e/ou problemas com ritmo. A leitura é ágil e agradável, te mantem preso na leitura de início ao fim. O formato de carta e a informalidade entre os interlocutores permite que a narrativa mantenha a agilidade pedida para uma história de ação e aventura, mas mantenha o psicológico do personagem narrador sempre próximo e em destaque. 
No posfácio Enéias conta que o conto foi originalmente escrito durante o processo de desenvolvimento do romance A Lição de Anatomia do Temível Doutor Luison, numa estratagema que envolvia submetê-lo a publicação em antologias e revistas literárias como meio de apresentar ao leitor um pouco daquele material que estava por vir. Apesar disso não ter acontecido a priori a produção serviu para que o autor se atentasse para novos elementos e técnicas narrativas que facilitaram o processo de escrita e deixaram o primeiro volume da série de romances mais enxuto. Mais tarde Bento Alves & O Ataque ao Templo Positivista foi disponibilizado gratuitamente no site oficial da série e possuiu capas diferentes da disponível hoje na Amazon (a versão gratuita não se encontra mais disponível, mas seu custo atual é irrisório).  
Um ponto bacana a ser relembrado, é que - como destacado na sinopse da obra - o conto é apenas o primeiro da série de seis contos independentes que trazem como protagonistas os heróis de Brasiliana Steampunk e expandem o universo criado por Enéias Tavares além da série principal. O segundo conto já foi publicado, sobre ele falarei em uma próxima oportunidade, mas que conferir a obra e se interessar pelo universo pode ficar ciente que o universo de Brasiliana Steampunk não deve ficar restrito apenas as páginas dos livros.
A aventura de Bento Alves & O Ataque ao Templo Positivista faz mais do que nos apresentar a este novo universo - ou complementar para aqueles que tenham conhecido Brasiliana Steampunk através do livro A Lição de Anatomia do Temível Doutor Luison. O conto instiga àqueles como eu, traumatizados pelos mais variados motivos, a conhecer um pouco mais sobre a literatura brasileira do século 19; E também a acompanhar os trabalhos do autor para conferir até onde os elogios sobre a sua escrita e versatilidade são verdadeiros, e talvez, quem sabe um dia, unir-se a esse coro. O que é algo que não está muito longe de acontecer...