terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Elementar, meu caro Watson! Sherlock em diversas mídias!



Quem é a pessoa que nunca ouviu sequer o nome Sherlock Holmes? Quem não conhece o mais famoso ícone dos romances policiais? Se você é essa pessoa, tenha certeza de uma coisa: A este mundo você não pertence. Mas não se desespere, continue a ler esse post, clique em mais informações, e siga as pistas de sua propia investigação e acabará descobrindo um pouco mais sobre esse exótico e fantástico personagem e seu autor, Sir. Arthur Conan Doyle.

Há tempo atrás me dei conta de que nunca havia lido nada de Sherlock Holmes. Claro que conhecia o personagem por meio de diversos filmes e referências da cultura popular, mas não conhecia o original. Só vim a conhecer por intermédio da minha adorável noiva, que me emprestou por coincidência livro que mostra a primeira estória do detetive e seu companheiro Watson. O livro em questão se chama Um estudo em vermelho, já resenhado aqui no blog, por sinal é só clicar no nome e ler, e que acabou servindo de base para a primeira temporada da serie da BBC, mas falaremos dela depois.
Sir Arthur Ignatius Conan Doyle, “pai” de Sherlock e Watson, foi um escritor e médico britânico. Nascido na Escócia, ficou mundialmente famoso por suas 60 histórias sobre o detetive, 4 romances e 56 contos, consideradas uma grande inovação no campo da literatura criminal. Foi um escritor multifacetado cujos trabalhos incluem histórias de ficção científica, novelas históricas, peças e romances, poesias e obras de não ficção. Acontece que ainda no início da carreira, com poucos pacientes o visitando em seu consultório, Doyle tinha tempo suficiente para praticar o hobby da escrita e foi assim que surgiu Holmes. Este foi inspirado, em parte, em um professor de faculdade, Dr. Joseph Bell, um dos pioneiros da ciência forense, que pregava acima de tudo a observação. Ele esteve inclusive envolvido em alguns casos policiais utilizando a medicina na solução de crimes, o que hoje é muito comum. Outra inspiração foi Auguste Dupin, personagem do conto Assassinatos da Rua Morgue de Edgar Allan Poe. Sherlock Holmes virou figura típica da Inglaterra e garantia de entretenimento para a população, que chegou a acreditar que ele existia, até porque suas histórias eram escritas por um homem que sempre o acompanhava, o Dr. John Watson, militar reformado que lutara no Afeganistão.
Conan Doyle também tinha outros projetos, que incluíam as aventuras do Professor Chalenger no Mundo Perdido, que muitos devem conhecer através daquela série exibida na Record. Assim, em 1894 decidiu matar Holmes numa luta mortal contra o Professor Moriarty. Chegou a dizer: “ele me impede de fazer coisas melhores”. Nos 8 anos seguintes foi bombardeado por cartas de fãs e pedidos frequentes, inclusive ameaças, Sherlock não podia ter morrido. Resignado, teve que ressuscitar o personagem e retomar a produção. TENSO!
Sherlock Holmes ficou famoso por solucionar seus mistérios usando o método científico e a lógica dedutiva, muitas vezes sem ao menos levantar a bunda de sua poltrona em casa. Holmes apresenta alguns hábitos peculiares como a prática de artes marciais como boxe, esgrima de armas brancas e de bengala. Por essas e outras coisas, costuma ser arrogante por estar correto sobre inúmeros assuntos e com palpites certeiros. E julgava correto que as pessoas só conhecessem aquilo que lhes fosse necessário, guardar coisas como saber que a terra girava em torno sol era desnecessário.
Mas se devemos agradecer a alguém por toda diversão é a outro personagem, o companheiro e biografo Dr. John Hamish Watson. Ele descreve Holmes e seus métodos com detalhes, mas Holmes o considera romântico e sentimental demais para a análise lógica dos fatos.Watson é um médico com certa experiência, tendo servido no exército no Afeganistão antes de ter sido dispensado por ferimento.
Sherlock tem vida própria
Não é surpresa alguma que Sherlock Holmes seja um dos mais conhecidos personagens do mundo inteiro. O detetive conseguiu a proeza de ultrapassar os limites das paginas escritas por seu próprio autor e alcançar as mãos de outros autores de diferentes mídias. O detetive está no Guiness book por ser o personagem mais representado em TODA a história do cinema. Pasmem! 75 atores já representaram, isso só no cinema. O mais recente foi Robert Downey jr, nos filmes dirigidos por Guy Ritchie. Que por sinal, uma adaptação mais levada para ação e comédia do que os próprios livros, mas ainda sim excelente e explicitamente recomendado.
Por falar em recomendações e atualidade, volto agora para falar um pouco da série Sherlock da BBC, ainda não exibida no Brasil e sem previsões disso acontecer, mas o Box está disponível para compra. Essa nova versão é uma adaptação de Steven Moffat e Mark Gatiss, da obra de Arthur Conan Doyle. Estrelada por Benedict Cumberbatch, como Sherlock, e Martin Freeman, como Dr. Watson, a série traz uma visão moderna e muito bem adaptada para os personagens da literatura. De forma que seus episódios são realmente baseados nos livros e contos e não apenas pegam carona na fama da dupla de consultores mais procurada da Inglaterra. A série é muito bem comentada e recomendada em diversos blogs e sites por aí, basta procurar. As temporadas são curtas, cada uma com três episódios de 1h30min de duração, mas foi tão bem recebida que já está encaminhada a sua terceira temporada.
Sherlock caiu tanto nas graças do público que foi utilizado por diversos autores e roteiristas. Como o aclamado Neil Gaiman, que recebeu a proposta de compor um conto unindo os universos de Sherlock Holmes e o terror de H.P. Lovecraft, o resultado é Um Estudo em Esmeralda. Há também um livro escrito pelo gordo mais famoso do Brasil, Jô Soares, o bem-humorado O Xangô de Baker Street, de Jô Soares, colocando o investigador em terras tupiniquins e situações inusitadas. Se você acha que isso seria um absurdo, é por que talvez não conheça Victorian Undead. Essa graphic novel em seis edições, traz a ideia de colocar Sherlock Holmes e Watson para descobrir o motivo de uma legião zumbi estar se levantando na Inglaterra, no ano de 1854. Isso é por que ainda não falei do encontro entre os maiores detetives do mundo na serie animada, Batman: Brave and Bold, onde o homem-morcego volta no tempo atrás de um inimigo seu e tem que contar com a ajuda de Holmes.
Se você acha que acabou, então se engana. Sherlock e Watson não foi apenas usado por outros desde sua criação, como serviu de inspiração para a criação de vários personagens que talvez conheça. Como a famosa dupla criada por Agatha Cristhie, fã declarada de Sir Arthur Conan Doyle, Hercule Poirot e Capitão Arthur Hastings. Existem também os casos de homenagens mais sutis. Na série de TV House, os personagens principais são uma recriação da famosa dupla, identificável pelos iniciais, House = Holmes e Wilson = Watson, seu melhor e pacato amigo. Além disso o número do apartamento do médico é 221B e foi baleado em um episódio por um homem chamado Moriarty. Agora, ao invés de investigar crimes, investiga doenças. O livro O Nome da Rosa, de Umberto Eco, um de meus favoritos, que se passa em um mosteiro beneditino no século XIV, também faz uma homenagem. O narrador, Adson de Melk, é o aprendiz do personagem principal, William de Baskerville. Adson = Watson ; Baskerville = Sherlock, pois um de seus romances é O Cão dos Baskervilles.
Não vou me prolongar mais no tema, porque afinal, se depois de ler isso tudo não ficou com vontade de conhecer um pouco mais sobre a obra de Conan Doyle, não sei o que mais fará. Aquele que ficou curioso e motivado pode procurar um pouco mais na internet e fazer uma pesquisa mais profunda sobre o assunto, existem curiosidades e fatos que ficaram de fora desse texto intencionalmente ou ficaria ainda maior. Aquele que detiver além de curiosidade, dinheiro e espírito aventureiro, pode visitar em Londres o endereço do famoso detetive, 221B em Baker Street, que não existia na época, e hoje é o Museu Sherlock Holmes. Então é isso pessoal, observem tudo muito bem pois cada detalhe é importante para se encontrar resposta, e até a próxima pista.
Ace Barros

7 comentários:

  1. Achei bem interessante o post, apesar de não gostar muito de Sherlock Holmes, prefiro Professor Chalenger da série Mundo Perdido.
    *Bye*

    loucaporromances.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Eu tipo adoro o Sherlock Holmes, tenho um livro muito boom... que fala de um violino roubado e do Jack Estripador, muito massa. Além de adorar os filmes e o Watson aaaaaaaaaaaaaahh amei o post.

    Retornei a visitaa !!aeeeeeee

    Beijinhooos

    http://jennywestwick.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Seguindo de volta, obg por seguir meu blog flor!

    Adorei o post, nem conhecia o Sherlock Holmes.
    Bjs


    http://blogdemeninasparameninasoficial.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Apesar de não gostar nada do Sherlock nem de outros romances policiais, curti o post'. :)

    ResponderExcluir
  5. SHERLOCK *O* Ele é a minha paixao, livros séries, eu o amo. Só o Filme que eu não gosto muito

    www.pausaparaumcafe.com.br

    ResponderExcluir
  6. ooi linda, adorei o blog. estou seguindo aqui. Segue o meu?
    http://katrinemakeup.blogspot.com
    Se inscreve no meu canal tambem *-*
    http://www.youtube.com/user/KatrineBernardo
    Muito obrigada (:

    ResponderExcluir
  7. Oi minha linda! Que legal aqui, curti muito seu blog. Adoro essas coisinhas que posso deixar nos meus favoritos, pra quando tiver tempo pra ler e posso ler tudo e comentar tudo que leio. rs amei aqui, te vi em um blog e aqui tenho a certeza que você sempre arrasa!
    Esses são os dois post de hoje! Muito legais de duas florezinhas lindas:
    - http://flashesd.blogspot.com/2012/02/nail-art-usando-jornal.html

    - http://flashesd.blogspot.com/2012/02/verde-e-preto-esfumacado.html

    Se você for militante da beleza feminina curta minha fã página no Facebook:
    - http://www.facebook.com/pages/Hora-do-Blush/168051379962843

    Gostaria de uma visitinha sua. E parabéns pelo o blog viu? É muito bom a gente escrever o que gosta! Beijos, da Lari. ♥

    ResponderExcluir