quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Literaturando – Poderoso Diário – Olha a invasão alienígena aí gente!


Poderoso Diário – Dia 5 – Olha a invasão alienígena aí gente!

   Como vai diário? Eu estou ótima, depois de me divertir tanto na última missão melhor impossível. Foi a missão mais louca de todas, esqueça a bizarrice do circo de horrores, estávamos detendo uma invasão alienígena em pleno carnaval do Rio de Janeiro. O único lugar do mundo onde aliens são confundidos com fantasias e naves espaciais com carros alegóricos.
   Para começar a diversão não podíamos por em alerta uma reunião tão grande de pessoas, ou deixar que uma nação sem organização pra tal ocorrido espalhasse o caos pelo globo. Viajamos como turistas e nos hospedamos em um ótimo hotel próximo ao mar, meu quarto tinha uma vista linda, tanto para dentro quanto para fora. Bem, tínhamos que estar disfarçado então Stephan e eu dividiríamos o mesmo quarto, apesar de estarmos fingindo ser irmãos. Bertha e Freddie estavam dois andares acima aproveitando a melhor lua de mel que poderiam ter, enquanto Grande Urso, Trumman e Jansen dividiam um quarto ao lado do meu. Certo, não rolou nada entre nós, mas foram férias que pedi a Deus. Gente bonita, sol, samba, gente bonita, praia, folia, roupas leves. Já falei gente bonita? E aquela festa? Milhares de pessoas nas ruas fantasiadas, uma alegria enorme, onde idade não existe e a velhice é esquecida. Flerte e erotismo adoidado, única festa no mundo que você entra virgem e sai grávida.

   Então, voltando à missão. Estávamos investigando uma provável invasão planetária em pequena escala, estudo de espécies talvez. Três objetos foram registrados ao entrar na atmosfera terrestre em direção ao Brasil. Poucos satélites captaram a movimentação, e poucos curiosos conseguiram ver as naves no céu durante a queima de fogos do réveillon. Esperamos por uma movimentação até decidir agir, quando soubemos da greve da segurança publica soubemos que o caminho estaria livre. Viajamos e nos estabelecemos rapidamente, a greve não durou muito, mas ao entender mais do carnaval e ver o filme Rio, sabíamos que eles se esconderiam no morro e sairiam aproveitando o desfile. O problema era que não sabíamos que as fantasias eram tão exóticas, achávamos que eram simples. Iam de um simples bebê com mamadeira gigante, passando por caixa de sapato, tesoura, e pote de iogurte até chegar em gente com cabelos mais armados que juba de leão e mais guizos que o próprio arlequim.
   Seguíamos os blocos nas ruas, aquela correria, um agito frenético, não tínhamos sinais de forma de vida alienígena, tudo que conseguimos foram números de telefone e cantadas que mal compreendíamos, português não é igual ao espanhol como pensamos na América. Não conseguimos entender como não tinham rastros, nem pistas da movimentação deles até o problema acontecer com o caminhão de uma cantora gorda, o motor desapareceu no meio do circuito por fantasiados extremamente rápidos. Não conseguimos entender aquela situação nem mesmo achar figuras correndo com um pesado motor de caminhão nas mãos. Foi quando Bertha e Freddie entenderam que poderíamos estar olhando a cosia da maneira errada.
   Passamos a observar todos os crimes ocorridos até aquela data, e vários furtos a lojas de tecnologia, ferramentas e automóveis. Não tínhamos visto o obvio antes, não se tratava de uma invasão, era um acidente, a nave se partira ao entrar na atmosfera e precisavam consertar sem serem vistos e aproveitar o carnaval para sair sem serem notados. Então mudamos o foco da operação. Rastreamos todas as fábricas, galpões e tudo que estivesse disponível para que pudessem fazer reparos na nave. Nossa surpresa foi descobrir que a maior movimentação do tipo estava bem oculta no preparo das escolas de samba. Aquilo sim era um carnaval, luz e cor para todo canto, reparos uma caldeira improvisada, e vários alienígenas trabalhando ao som do samba. Foi difícil convencer eles a deixarem o barracão e virem conosco, por que no mundo não havia ninguém mais especializado para ajudar. Mas no fim deu tudo certo, após trazer Haru conseguimos nos comunicar com eles e chegar a um acordo registrando de seu povo e trocamos informações sobre espécies planetárias.
   Vou confessar, adorei o fato de a missão ter sido pacifica no fim, foram na verdade ótimas férias ao lado dos meus companheiros e amigos. Ficar aqueles dias perto do Stephan foi ótimo, ainda mais nas caminhadas no calçadão e idas à praia. Ficamos mais amigos, isso é muito bom, talvez assim eu me toque do meu lugar e ligue para algum gato latino daqueles quem sabe. Espero que a próxima missão seja tão tranquila quanto essa. Beijos.
Jacqueline Bourbon

4 comentários:

  1. Olá,
    Estar cada dia melhor !!!
    Palavras para o desafio : tequila e Mariachi
    *bye*

    loucaporromances.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Cada dia melhor mesmo.

    Palavras: cortina e adesivo.

    ResponderExcluir
  3. Adorei, como sempre ;)
    Palavras para o desafio: pomada e durex

    ResponderExcluir
  4. Que interessante! Gostei da proposta e vou ler os demais textos. As minhas palavras são: pintor e guarda-roupa.
    Um abraço!
    Luana

    ResponderExcluir