sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Um Toque Masculino: Dragões de Éter - Vol 1


Nova Ether é um mundo protegido por poderosos avatares em forma de fadas-amazonas. Um dia, porém, cansadas das falhas dos seres racionais, algumas delas se voltam contra as antigas raças. E assim nasce a Era Antiga. Essa influência e esse temor sobre a humanidade só têm fim quando Primo Branford, o filho de um moleiro, reúne o que são hoje os heróis mais conhecidos do mundo e lidera a histórica e violenta Caçada de Bruxas. Primo Branford é hoje o Rei de Arzallum, e por 20 anos saboreia, satisfeito, a Paz. Nos últimos anos, entretanto, coisas estranhas começam a acontecer...


Os leitores mais antigos do blog sabem o quanto sou defensor da literatura nacional, em especial a fantástica. Existia até então um autor muito falado na rede que eu particularmente não simpatizei, não sei qual a razão, chamado Raphael Draccon. Como sabem eu não sou de julgar as coisas sem conhecer, e quando uma promoção com o Box da Trilogia Dragões de Éter apareceu eu resolvi dar chance de conhecer o trabalho desse autor, mas hoje falarei apenas do primeiro livro. 
E a chance foi recompensada com uma boa história...
Diferente do que o título te faz esperar, esse não é um livro sobre dragões, mas sim sobre o Éter, o éterio, o intangível e imaginário. É isso cria o mundo, ou melhor, os mundos. O Éter é a essência dos criadores. Pode achar estranho o que falo agora, mas depois de ler, com certeza entenderá.
Dragões de Éter, é um livro fantástico para o público dos Jovens Adultos, repleto de referências á cultura pop, e a linguagem adolescente, sem deixar de usar recursos obscuros do mundo adulto. Tenho que confessar que ver a linguagem adolescente, com gírias e gritinhos das fãs do príncipe, me irritou. Talvez seja o costume de ver outros livros com uma linguagem mais formal, mas dou ponto ao autor pela ousadia de arriscar dessa forma. 
A história logo de cara nos surpreende ao mostrar que o mundo de Nova Ether não é tão desconhecido assim. Os contos de fadas são reutilizados e reformulados, tais como Chapeuzinho Vermelho, João e Maria e até o infame Capitão Gancho. Pode te parecer estranho logo no início, mas ao acompanhar o desenrolar da história enxergamos o sentido das coisas. Mas não pense que só de personagens conhecidos vive o livro, personagens novos são introduzidos e tornam tudo aquilo que conhecíamos antes algo novo, e é isso que todos querem. Novidade.
Mas não só de elogios vive o homem...
A história é contada por um narrador bem parcial e temperamental, que não pensa duas vezes antes de expor suas idéias sobre o que está acontecendo na trama. Às vezes, o  narrador exagera um pouco na dose e deixa o texto cansativo, e suas interrupções não acrescentam muito ao livro, mas logo entra de volta na trama e prende nossa atenção com afinco. Admito que há necessidade de avançar bastante na leitura para se empolgar. Mas julgo tal intervalo necessário, pois nestas páginas iniciais, o autor prepara as peças no tabuleiro, para só então mostrar a natureza de seu jogo. Os capítulos curtos devem ser medidos na balança, pois ora tonam o livro mais fácil de ler, ora quebram o clima de um outro capitulo nos ponde em algo chato.
Para terminar, vou dizer que o livro vale a pena ser lido por causa das lições filosóficas incrustadas. Pois esses detalhes são apresentados com delicadeza e sutileza, e nos remetem tanto a moral dos contos de fadas quanto a importância da leitura e da crença. Esse ponto foi o que me capturou.
Bem, espero que um dia possa retirar aquela coisa de "santo não bater" com a pessoa Raphael Draccon, pois como autor ele tem meu respeito. É isso pessoal, me despeço de vocês aqui e nos vemos na próxima semana ou em algum ponto do Éter. Quem sabe nossos sonhos não nos levam a uma mesma criação.

Ace Barros

8 comentários:

  1. Oi Ace!
    Eu jurava que esse livro era sobre dragões, comprei o box em promoção no Submarino (sem ler sinopse na empolgação), e quando vi que tinha me enganado redondamente meio que brochei e nem comecei a ler. Um dia terei que tomar coragem e começar, né? Acho que vou esperar você ler o segundo livro e me dizer o que acha rsrsrs...

    Comprei um livro que acho que você iria gostar, já leu Jogador nº 1 de Ernest Cline?

    Bjs... Elis Culceag.
    www.arquivopassional.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainda não li, mas ouvi falar muito bem de Jogador Nº1, meu problema é que meu vicio em Figuras de Ação é maior do que o de livros XD.

      Excluir
    2. Elis, dá uma chance para o livro.
      Falei dele pra você na Bienal, vale a pena.


      Bjos!!
      Cida
      Moonlight Books

      Excluir
    3. Olha a minha amiga Cida defendendo o Dracon, que bonitinho! Beijos!!!

      Excluir
  2. Oi Ace!
    Bom, esse livro não faz bem meu gênero por ser juvenil mas gostei bastante sobre o Éter.

    Adorei a resenha, muitas vezes a gente julga muito certo livro ou autor, o melhor é ler e tirar conclusões..rsrs
    Beijos
    Amanda
    leiturahot.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Oi!
    Eu também achei que fosse sobre dragões, mas confesso que quando li não senti nenhuma falta deles, eu adorei este livro, e dei muitas risadas com as caracterizações de personagens clássicos como Chapeuzinho Vermelho e João e Maria.
    Gostei muito dese livro e recomendo.

    Parabéns pela resenha.


    Bjos!!
    Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
  4. Oi,
    Eu não conhecia o livro, e para dizer a verdade eu não fiquei muito empolgada com o enredo. Mas por ter a menção de alguns personagens de contos de fadas, possa ser que eu leia um dia.
    *bye*

    Louca por Romances

    ResponderExcluir
  5. Eu a-m-e-i Drãgoes de éter, comprei esse box promocional também! mas até agora só li o primeiro livro. Caramba, relembrei minha infância lendo "O tesouro de contos de fadas" com uma reconstrução fantástica dos personagens. Espero que os próximos livros sejam ainda melhores!

    ResponderExcluir