segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Resenha - O começo do adeus



Título: O começo do adeus
Editora: Novo Conceito
Autor (a): Anne Tyler
Número de páginas: 206 páginas


Sinopse: Anne Tyler nos leva a um romance sábio, assustador e profundamente tocante em que descreve um homem de meia-idade, desolado pela morte de sua esposa, que tem melhorado gradualmente pelas aparições frequentes da mulher — na casa deles, na estrada, no mercado. Com deficiência no braço e na perna direita, Aaron passou sua infância tentando se livrar de sua irmã, que queria mandar nele. Então, quando conhece Dorothy, uma jovem tímida e recatada, ele vê uma luz no fim do túnel. Eles se casam e têm uma vida relativamente modesta e feliz. Mas quando uma árvore cai em sua casa, Dorothy morre e Aaron começa a se sentir vazio. Apenas as aparições inesperadas de Dorothy o ajudam a sobreviver e encontrar certa paz. Aos poucos, durante seu trabalho na editora da família, ele descobre obras que presumem ser guias para iniciantes durante os caminhos da vida e que, talvez para esses iniciantes, há uma maneira de dizer adeus.

O que você faria se perdesse para sempre a pessoa que mais ama? Como conviver com essa perda e com a ausência da pessoa amada? Esse é o drama de Aaron, personagem principal do livro O começo do adeus, da Anne Tyler.
Aaron e Dorothy eram casados e, a sua maneira, viviam uma vida relativamente feliz. Ele trabalhava na editora da família, juntamente com sua irmã Nandina. Ela era uma médica extremamente dedicada, que muitas vezes cuidava mais de seus pacientes do que de si mesma. 
Após um acidente, Aaron perde sua esposa e passa a viver imerso em melancolia e lembranças. Até que um dia ele a vê. Dorothy estava ali, próximo a ele, o observando, sempre sem dizer nada e desaparecendo antes que ele consiga lhe falar. Essas aparições são como um acalanto à dor de Aaron que não consegue tirar a esposa dos pensamentos.
Envolvidos por suas recordações, vamos conhecendo um pouco mais dele e de Dorothy, como se conheceram e tudo que precisaram superar para ficar juntos. Eu, que no inicio achava Dorothy fria e egoísta, fui percebendo que ela não era tudo isso que eu julgava. Apesar de parecerem tão diferentes, eles completavam um ao outro e foi isso que tornou, para mim, a história ainda mais bonita.
O livro, narrado por Aaron, é leve e, ao mesmo tempo, intenso. As emoções ali presentes tornam o livro ainda mais gostoso de ler e a forma como ele vai narrando os fatos faz com que o leitor tenha uma visão mais ampla do que se passa ao seu redor. Gostei da simplicidade do texto, da delicadeza nas descrições, e dos personagens bem estruturados. 
Me envolvi tanto com a história que li o livro em uma tarde. Fiquei me imaginando no lugar de Aaron, como agiria se perdesse o amor da minha vida. E, percebi, que as atitudes que eu tanto reprovava nele (como cultivar a culpa de não ter tomado determinada atitude ou de não ter falado tudo aquilo que realmente queria) são justamente aquelas que eu também teria. Eu chorei por ele e com ele. E o fato de, na minha avaliação final, ter dado 3 estrelas foi por achar que em alguns trechos eu achei repetitiva e, por consequência, cansativa a narrativa de Aaron.
Esse foi o primeiro livro que li da Anne Tyler e pretendo conhecer um pouco mais sobre ela e suas obras, já que essa me agradou. Não é um livro excepcional, com uma grande história. Mas é uma leitura prazerosa e tranquila, para quem está procurando uma história leve e sensível. Recomendo!

10 comentários:

  1. Ótima resenha! Aliás, essa é uma análise dessa obra diferente de outras que já li; você explica a história sem soltar spoiler, e isso é ótimo. Talvez essa seja uma das minhas futuras leituras.
    Beijo!
    docesabordoslivros.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Oi Neyla! Que livro triste! Eu não sabia que tinha aparições de pessoas mortas, nas outras resenhas que li nenhuma citou esta detalhe, como gosto desta premissa em livros, fiquei com muita vontade de ler.


    Bjos!!
    Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
  3. Eu gostei bastante deste livro. E gostei muito da sua resenha!! Show!!

    Comprei um livro desta autora na Bienal, mas ainda não consegui ler. Enfim, quando isso acontecer eu te conto, rs

    Bjkasssssss

    ResponderExcluir
  4. Olá Neyla, ótima resenha, mas eu sempre fico um pé atras com esse tipo de romance, acho tudo sempre tão triste, ainda hoje comentei com um amigo meu que me ofereceu "PS eu te amo" que eu não queria ler aquele livro porque acho a história muito pesada, cheia de emoções... ou seja uma série de coisas que acabam aflorando em quem lê.
    Sou uma manteiga derretida, acho que não vou conseguir ler esse livro ainda, mas estou sempre aqui seguindo e cada vez mais adorando o blog.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Aninha! Que bom que gostou da resenha!
      Eu ainda não li Ps. Eu te amo pq, assim como vc, sou uma manteiga derretida e sei que se lê agora (que estou super sensível)vou chorar horrores! rs
      Beijos e obrigada por gostar tanto do blog :) Fico MUITO feliz!!!

      Excluir
  5. Oie,
    eu não conhecia o livro e confesso que a capa não me agradou, mas fiquei na dúvida se iria gostar do livro.

    bjos

    ResponderExcluir
  6. o livro pode até ser bom, mas essa capa nao é legal sabe.

    ResponderExcluir
  7. Emoções se aproximando..............! Lágrimas, sonhos, viagens.........ai, ai

    ResponderExcluir
  8. Parece ser lindo!! Vou me preparar para chorar!!

    ResponderExcluir
  9. parece ser otimo, uma historia reflexiva gostei

    ResponderExcluir