quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Resenha: A casa das Orquídeas




Título: A casa das orquídeas
Editora: Novo Conceito
Autor (a): Lucinda Riley
Número de páginas: 560 páginas

Sinopse: Quando criança, a pianista Júlia Forrester passava seu tempo na estufa da propriedade de Wharton Park, onde flores exóticas cultivadas pelo seu avô nasciam e morriam com as estações. Agora, recuperando-se de uma tragédia na família, ela busca mais uma vez o conforto de Wharton Park, recém-herdada por Kit Crawford, um homem carismático que também tem uma história triste. No entanto, quando um antigo diário é encontrado durante uma reforma, os dois procuram a avó de Júlia para descobrirem a verdade sobre o romance que destruiu o futuro de Wharton Park... E, assim, Júlia é levada de volta no tempo, para o mundo de Olívia e Harry Crawford, um jovem casal separado cruelmente pela Segunda Guerra Mundial, cujo frágil casamento estava destinado a afetar a felicidade de muitas gerações, inclusive da de Júlia.


Nunca fui de me intimidar pelo tamanho de um livro, mas confesso que quando recebi A casa das orquídeas e vi o tamanho da fonte e a quantidade de páginas fiquei com medo. Não sei se vou conseguir explicar, mas o meu medo se deu pelo fato de de achar que a autora não fosse conseguir me prender e que a história iria acabar se perdendo no meio de tantas páginas. Que bom que estava errada!
Em A casa das orquídeas conhecemos Júlia, uma jovem pianista devastada pela tragédia que sua vida se tornou após a morte do marido e do filho num acidente de carro. Totalmente abalada pelo fato ocorrido, Júlia isola-se em um chalé, onde recebe algumas visitas esporádicas da irmã. E é em uma dessas visitas que ela decide ir junto com Alicia a Wharton Park, local onde ela guarda as melhores lembranças de sua infância. 
Wharton Park está cheia de dívidas e, seu novo herdeiro, Kit Crawford, decide colocar à venda alguns dos pertences da mansão, antes de realizar a venda da propriedade. Kit é sobrinho de lady Olivia Crawford, antiga proprietária da casa, e conviveu algum tempo com Júlia, quando esta ia passar as férias ali. Quando encontra um antigo diário, que julga ser de Bill, o avô de Júlia, Kit prontamente o entrega, para que ela possa fazer aquilo que achar melhor. É a partir desse acontecimento que começamos a conhecer uma parte diferente da história.
O diário em questão relata a vida do jovem Harry Crawford e sua esposa Olívia. Os dois se conheceram em Wharton Park e para Olivia foi amor a primeira vista. Quando Harry decide casar-se com ela, a felicidade toma conta de seu ser, já que era tudo que ela mais desejava. Olivia é uma jovem decidida, batalhadora e muito diferente das garotas da sua idade. No decorrer das páginas, vamos conhecendo um pouco mais sobre ela, seus anseios, medos e sobre sua relação com Harry. Essas partes que nos remetem ao passado foram o que mais gostei no livro, já que pude saber um pouco mais sobre os personagens envolvidos na trama e seus dramas.
Em paralelo, vamos dando continuidade a história de vida de Júlia, percebendo sua mudança de comportamento  em relação a morte de seus entes queridos e o desabrochar de um novo amor. 
Com uma narrativa que mescla passado e presente, Lucinda Riley vai tecendo uma história recheada de romance e segredos, que prende o leitor até a última página. Em determinado ponto as histórias se cruzam e vamos descobrindo coisas que nem imaginávamos que fossem acontecer.
Uma história sensível e delicada, com um toque de mistério que me encantou. Apesar de ser um livro denso, a leitura é extremamente prazerosa, com detalhes ricos, mas que não são maçantes. 
Recomendado a todos que gostam de um bom romance.

10 comentários:

  1. Own, eu queria muito ler esse livro, pena que não possuo ele :(
    Um beijo.
    http://livrodagarota.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Ótima resenha!
    também me sinto um pouco intimidada quando vou até a livraria e vejo esse livro, mas isso não muda a minha enorme curiosidade em lê-lo *u*

    Beeeeijinhos e uma ótima semana! :*
    www.inconstantecontroversia.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Eu amei este livro; Já li os dois livros dela lançados aqui e estou ansiosa com a chegada do terceiro.

    Gostei muito da resenha!!
    Vc é muito linda!!

    Bjkas

    ResponderExcluir
  4. Esse foi um livro que eu comecei a ler em hora errada. Não estava conseguindo ler, a leitura não fluía. Mas parei e peguei para ler um tempo depois e não conseguia largar. O livro é lindo, a história é maravilhosa e chorei quando acabou.

    http://blogprefacio.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Oi Neyla, estou super afim de ler este livro e A luz através da janela da autora, todos falam tão bem de ambos, parece que Lucinda consegue criar um cenário único em suas obras. O toque de mistério me deixou mais ansiosa ainda. Parabéns pela resenha.

    Bjos!!
    Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
  6. Boa tarde Neyla,


    Li e resenhei esse livro no blog e gostei demais, esta netre os meus favoritos...parabéns pela resenha...abçs.


    http://devoradordeletras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Oi Neyla!
    Que bom que você venceu a "intimidação do tijolinho", e que a leitura se demostrou prazerosa e surpreendente. Beijos linda!!!
    Elis Culceag * Arquivo Passional *

    ResponderExcluir
  8. Oi, li este livro em pdf e ele é realmente extenso haahaah mas como vc disse a autora soube prender o leitor pagina a pagina, confesso q teve horas q fiquei perdida com a relação entre passado e presente. A principio eu imaginava uma historia totalmente diferente mas enfim ... é um livro realmente bom. Fui cativada por alguns personagens, outros eu odiei mas faz parte como dizem. Gostei da sua resenha e do blog quando puder da uma passada la no meu
    bjs
    http://mensagensreflexoesemais.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. A casa das Orquídeas é um livro incrível, envolvente e emocionante.... Depois de ler essa história, compro qualquer livro de Lucinda Riley de olhos fechados, sem precisar ao menos ler a sinopse.....Adorei seu modo de contar histórias, principalmente nessa mistura de passado e presente, que acaba sendo irresistivelmente inquietante......

    ResponderExcluir