quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Um Toque Masculino: O Último Patriota


O Último Patriota


De férias com a namorada Tracy em Paris, o ex-agente do serviço secreto americano, Scot Harvath, não podia imaginar que logo voltaria a se envolver em política e espionagem, e também enfrentar um dos seus piores inimigos: o Terrorismo. Por conta de seu treinamento, Harvath percebe uma movimentação estranha perto do café onde está e entende a situação. Harvath salva o professor Anthony Nichols de um atentado quando um carro-bomba explode na capital francesa.
As câmeras de segurança filmam toda a ação do ex-agente americano e o tornam o principal suspeito. E como se não bastasse a polícia atrás dele, um fanático religioso assassino está na sua cola para completar o serviço: matar o professor Nichols antes que ele revele o segredo que tanto busca desvendar. Começa aí então a uma aventura para se manter vivo e encontrar a última revelação de Maomé - um segredo que transformaria a religião Islâmica por completo.
Com uma premissa similar ao Código Da Vinci, onde um segredo pode abalar as estruturas de uma religião inteira para sempre, o romance se inicia com uma série de mistérios e assassinatos. A trama começa antes mesmo de chegar a Paris e começamos a ver o envolvimento do governo Americano na busca pela revelação perdida de Maomé. Ação é a marca registrada do livro e seu ponto mais forte. No entanto a pretensão o derruba.
A similaridade ao Código Da Vinci tira parte do brilho dos cativantes personagens que o livro tem. Se o autor tivesse mantido o clima de mistério e ação sem envolver enigmas com invenções, e usasse de mais pistas escondidas o livro seria melhor do que é. Porque ele é bom, isso não dá para negar. A trama te prende e tanto os pontos de ação quanto o resto é bem descrito e desenvolvido, fazendo com que o leitor enxergue as cenas com um filme passando em sua mente. Scot Harvath é um personagem cativante e convincente, é difícil duvidar de sua capacidade de sobrevivência a cada situação que ele supera.
Um ponto que gostei da abordagem foram os vilões e a cultura Muçulmana  pois estes são tratados como extremistas que sujam o verdadeiro sentido da religião. O assassino foi bastante genérico, apesar de suas motivações pessoais, e serviu apenas para propósitos de preencher a trama, mas tinha um potencial.  Os coadjuvantes fazem muito bem seu papel, mas por se tratar de um segundo livro com o personagem algumas interações escondem um passado de difícil compreensão, como o rancor que Scot sente pelo presidente americano.
O Último Patriota é um livro muto divertido e bom para se ler despretensiosamente durante as férias (como eu fiz). E deve haver uma continuação. O motivo não posso revelar ou estragaria a leitura de vocês, mas veremos Scot Harvath novamente com certeza.

Ace Barros

Iremos sortear, entre os comentaristas desse post um kit de marcadores da Editora Arqueiro. Para concorrer, é só comentar e deixar um contato (pode ser e-mail, facebook ou twitter). O resultado sairá no sábado. Participem!!!



13 comentários:

  1. Oie,
    eu não conhecia o livro, mas ele até que parece ser legal, apesar de não curtir muito esse tipo de leitura, mas ele deve ter continuação?? Já não gostei, estou evitando conitinuações recentemente rsrsrs

    bjos

    vanessa@vanessasueroz.com.br

    ResponderExcluir
  2. Gostei bastante da capa do livro, é simples mas bonita! Ainda não havia ouvido falar no livro, mas gostei bastante! Adorei a história, já adicionei na minha lista de desejados! kkk

    Beijos
    Bia - @escrevendomundo
    Blog Escrevendo Mundos

    ResponderExcluir
  3. Que interessante, eu pensei que esse livro tivesse um enredo mais pesado e gostei da saber que ele é de certa forma divertido.
    Vou calocá-lo na minhas lista de desejados ;)
    Parabéns pela resenha

    Beijinhos
    Renata
    Escuta Essa
    http://www.facebook.com/BlogEscutaEssa
    @blogescutaessa

    ResponderExcluir
  4. Adorei o estilo desse livro!
    Amo marcadores!
    Beijos
    Rizia - Livroterapias
    http://livroterapias.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Eu não gosto muito quando misturam fatos para "abalar" as religiões, mas nesse livro parece que não ficou tão agressivo né!

    Não conhecia esse livro.

    @Gladys_Freitas

    ResponderExcluir
  6. Não conhecia esse livro, adorei a dica!!
    Um beijo.
    http://livrodagarota.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Interessante, também ainda não conhecia o livro.
    Bjs
    http://eternamente-princesa.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. A capa é ótima, o conteúdo do livro não me chamou muita atenção, mas quem sabe se eu ler não mudo de ideia? Espero que sim.

    João Keunecke
    @Joao_Keunecke
    joaokoriginal@hotmail.com

    ResponderExcluir
  9. Olá Ace,Neyla

    Adorei ler o Código Da Vinci,mas pelo que li,concordaria contigo,acredito que apenas o clima de mistério e ação seria o suficiente,as vezes os autores colocam muito informação nas histórias e isso acaba atrapalhando.

    @stelafinger
    fabiane.finger@hotmail.com
    Bjos
    www.roubandolivros.com

    ResponderExcluir
  10. Ainda não li o livro , mas com certeza entrará na minha listinha ^^
    michelleladislau@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
  11. Oi!
    Entendi bem sua opinião. Sei como é essa questão de alguns autores meio que exageram demais nas informações, o que seria desnecessário.
    Acredito que seja um livro interessante.
    Parabéns pela resenha!
    Bom Carnaval e Boas Leituras!
    Abraço!

    "Palavras ao Vento..."
    www.leandro-de-lira.com

    ResponderExcluir
  12. Oi Ace,
    Eu não conhecia o livro, mas gosto do gênero e fiquei com vontade de lê-lo.

    *bye*

    lloucaporromances@gmail.com
    http://loucaporromances.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Opa...adorei a dica de livro. Não conhecia, mas parece ser bom!^^ Quero participar do sorteio.
    E-mail: palomaviricio@gmail.com
    Beijos!
    Paloma Viricio- Jornalismo na Alma

    ResponderExcluir