quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

Resenha: Horizonte Vermelho
















Informações Técnicas

Título: Horizonte Vermelho
Editora: Vivaluz Editora
Autor (a): Elizabeth Pereira
Número de páginas: 637 páginas





Sinopse: Na fascinante Irlanda do século 12, Patrick Castle retorna da primeira grande batalha travada pelas cruzadas, a dramática tomada de Jerusalém das mãos dos muçulmanos. Ao avistar pela primeira vez a linda Eugene, com seus cabelos ruivos ao vento, cavalgando por entre a verde e exuberante paisagem da Ilha Esmeralda, o cavaleiro cruzado não teve dúvida: reencontrara o amor de sua vida - amor que atravessara os séculos. Horizonte Vermelho é um daqueles livros marcantes, que permanecem por muito tempo em nossa lembrança. Nele os temas essenciais da literatura espírita e da vida tecem a trama. Em meio ao fogo purificador de duras provações, a oportunidade de ascensão espiritual. A luta não termina sem vitória.

Tenho verdadeira paixão por romances históricos. Minha mente flutua enquanto vou lendo e quando percebo já estou totalmente imersa nos fatos. E com esse Horizonte Vermelho não foi diferente. O livro me ganhou logo nas primeiras páginas e, apesar da leitura ter sido longa, não foi em nenhum ponto cansativa.
A pequena Sophie, desde muito novinha, sempre teve verdadeira fascinação pelas ruínas que ficavam no alto da colina. Há muito tempo, desse local, era possível ouvir os gritos de Eugene, a Bela Louca, espírito que vivia a assombrar o antigo castelo em que vivia. De tanto insistir, sua vozinha um dia resolve levá-las às ruínas e lá começa a narrar-lhe a história da Bela Louca.
Eugene vivia em uma propriedade rural com seus pais. O ano é 1095 e as guerras religiosas estão cada vez maiores. Seu pai, empolgado pelas palavras de Pedro, o Eremita, decide deixar a família e ir de encontro ao mesmo em Jerusalém. Como não pretende levar a mulher e a filha, decide deixá-las com a irmã de sua esposa e seu marido, Jacob.
Jacob não é conhecido por ser uma pessoa amigável,mas mesmo assim decide aceitá-las em sua casa. A vida de Eugene não é fácil. O tio é um homem extremamente desagradável e que demonstra um interesse por ela que vai muito além da relação tio e sobrinha. Apesar do medo, ela possui a mãe e a tia ao seu lado e isso lhe dá forças. Porém, quando num suposto assalto sua tia desaparece e sua mãe fica inválida, Eugene vê sua vida virar de ponta cabeça, já que agora seu tio decide que ela será sua nova esposa.
Em paralelo, conhecemos o cavaleiro Sir Patrick Castle que está no Oriente lutando em meios a cristãos, judeus e muçulmanos. Honrado e de bom coração, é ferido durante um ataque e é socorrido por Khaldun, um muçulmano que torna-se uma espécie de pai para ele. E é quando ele está no Oriente que tem a primeira visão de Eugene, a bela dama dos cabelos de fogo. Ele não sabe quem é ela, mas sente em seu coração que ela é a mulher de sua vida. O destino, sempre um grande amigo, fará com que os dois se encontrem, mas não será fácil viver essa história de amor. 
Horizonte Vermelho é uma história densa e emocionante. Com uma história cheia de reviravoltas, está longe de ser mais um daqueles romances clichês. A trama é daquelas que instiga o leitor a se aprofundar cada vez mais, envolve, emociona e faz sofrer. Durante os dias em que me vi acompanhada por Patrick e Eugene, vivi em uma turbulência emocional já que a história mexeu demais comigo.
A leitura, embora extremamente prazerosa, foi também demorada. Não pela narrativa (que é perfeita) e sim pela grande quantidade de informações históricas que me fez parar diversas vezes para fazer anotações. Fiquei fascinada por tudo que li e pretendo reler algumas partes em breve, só para matar um pouco da saudade que ainda sinto de Patrick e Eugene.
E já que estou falando deles, não posso deixar de dizer o quanto o amor deles é forte e no quanto se completam. Ele é sereno, ama sua Bela Louca de todo o coração e a aceita do jeito que é. Ela é explosiva, ciumenta (o apelido bela Louca não poderia ter sido melhor escolhido), mas tem por seu cavaleiro o amor mais puro. Apesar de muitas atitudes impensadas, é uma personagem que me cativou e conquistou no decorrer da leitura. E, assim como ela, muitos outros personagens conquistaram meu carinho e admiração por conta de suas atitudes benevolentes.
Horizonte Vermelho é um romance espírita diferente de todos aqueles que já li. Foi mais do que uma história de amor. Foi uma história mágica, onde a maior lição de todas é a que devemos amar e respeitar as pessoas, independente das diferenças. Sem dúvidas, um livro que merece ser lido e relido.




7 comentários:

  1. Oi Neyla,
    fiquei na dúvida quanto a este livro. Acho que vou esperar um pouco para lê-lo.
    Enorme hein??

    bjos

    http://blog.vanessausueroz.com.br

    ResponderExcluir
  2. O Livro é maravilhosos! Essas 637 páginas passam tão rápidas, que quando nos damos conta queremos mais...E aí temos a sequencia no Livro Sob a Égide da Cruz, e devoramos mais uma vez...

    ResponderExcluir
  3. Eu já comecei gostando da capa. Ainda não conhecia o livro, as me encantei com suas palavras na resenha e quero muito ler. E gostei bastante do tamanho também, sinal que tem bastante história para contar.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  4. Oiee ua linda =)
    depois dessa resenha irei ler o livro, eu o tenho, mas separei para dar de presente, pois espírito não é o gênero que gosto, mas bem fiquei curiosa agora.
    Beliscões da Máh

    ResponderExcluir
  5. Olá Neyla,

    Gostei demais da sua resenha e gosto bastante de romances históricos, mas confesso que não gosto de livros espíritas....parabéns pela sua resenha....abraços.

    devoradordeletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. tem no centro espírita da minha cidade... U.U

    ResponderExcluir
  7. Este livro é maravilhoso ! Estará por muito tempo na minha lista dos que mais gosto.

    ResponderExcluir