quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

Resenha: Horizonte Vermelho
















Informações Técnicas

Título: Horizonte Vermelho
Editora: Vivaluz Editora
Autor (a): Elizabeth Pereira
Número de páginas: 637 páginas





Sinopse: Na fascinante Irlanda do século 12, Patrick Castle retorna da primeira grande batalha travada pelas cruzadas, a dramática tomada de Jerusalém das mãos dos muçulmanos. Ao avistar pela primeira vez a linda Eugene, com seus cabelos ruivos ao vento, cavalgando por entre a verde e exuberante paisagem da Ilha Esmeralda, o cavaleiro cruzado não teve dúvida: reencontrara o amor de sua vida - amor que atravessara os séculos. Horizonte Vermelho é um daqueles livros marcantes, que permanecem por muito tempo em nossa lembrança. Nele os temas essenciais da literatura espírita e da vida tecem a trama. Em meio ao fogo purificador de duras provações, a oportunidade de ascensão espiritual. A luta não termina sem vitória.

Tenho verdadeira paixão por romances históricos. Minha mente flutua enquanto vou lendo e quando percebo já estou totalmente imersa nos fatos. E com esse Horizonte Vermelho não foi diferente. O livro me ganhou logo nas primeiras páginas e, apesar da leitura ter sido longa, não foi em nenhum ponto cansativa.
A pequena Sophie, desde muito novinha, sempre teve verdadeira fascinação pelas ruínas que ficavam no alto da colina. Há muito tempo, desse local, era possível ouvir os gritos de Eugene, a Bela Louca, espírito que vivia a assombrar o antigo castelo em que vivia. De tanto insistir, sua vozinha um dia resolve levá-las às ruínas e lá começa a narrar-lhe a história da Bela Louca.
Eugene vivia em uma propriedade rural com seus pais. O ano é 1095 e as guerras religiosas estão cada vez maiores. Seu pai, empolgado pelas palavras de Pedro, o Eremita, decide deixar a família e ir de encontro ao mesmo em Jerusalém. Como não pretende levar a mulher e a filha, decide deixá-las com a irmã de sua esposa e seu marido, Jacob.
Jacob não é conhecido por ser uma pessoa amigável,mas mesmo assim decide aceitá-las em sua casa. A vida de Eugene não é fácil. O tio é um homem extremamente desagradável e que demonstra um interesse por ela que vai muito além da relação tio e sobrinha. Apesar do medo, ela possui a mãe e a tia ao seu lado e isso lhe dá forças. Porém, quando num suposto assalto sua tia desaparece e sua mãe fica inválida, Eugene vê sua vida virar de ponta cabeça, já que agora seu tio decide que ela será sua nova esposa.
Em paralelo, conhecemos o cavaleiro Sir Patrick Castle que está no Oriente lutando em meios a cristãos, judeus e muçulmanos. Honrado e de bom coração, é ferido durante um ataque e é socorrido por Khaldun, um muçulmano que torna-se uma espécie de pai para ele. E é quando ele está no Oriente que tem a primeira visão de Eugene, a bela dama dos cabelos de fogo. Ele não sabe quem é ela, mas sente em seu coração que ela é a mulher de sua vida. O destino, sempre um grande amigo, fará com que os dois se encontrem, mas não será fácil viver essa história de amor. 
Horizonte Vermelho é uma história densa e emocionante. Com uma história cheia de reviravoltas, está longe de ser mais um daqueles romances clichês. A trama é daquelas que instiga o leitor a se aprofundar cada vez mais, envolve, emociona e faz sofrer. Durante os dias em que me vi acompanhada por Patrick e Eugene, vivi em uma turbulência emocional já que a história mexeu demais comigo.
A leitura, embora extremamente prazerosa, foi também demorada. Não pela narrativa (que é perfeita) e sim pela grande quantidade de informações históricas que me fez parar diversas vezes para fazer anotações. Fiquei fascinada por tudo que li e pretendo reler algumas partes em breve, só para matar um pouco da saudade que ainda sinto de Patrick e Eugene.
E já que estou falando deles, não posso deixar de dizer o quanto o amor deles é forte e no quanto se completam. Ele é sereno, ama sua Bela Louca de todo o coração e a aceita do jeito que é. Ela é explosiva, ciumenta (o apelido bela Louca não poderia ter sido melhor escolhido), mas tem por seu cavaleiro o amor mais puro. Apesar de muitas atitudes impensadas, é uma personagem que me cativou e conquistou no decorrer da leitura. E, assim como ela, muitos outros personagens conquistaram meu carinho e admiração por conta de suas atitudes benevolentes.
Horizonte Vermelho é um romance espírita diferente de todos aqueles que já li. Foi mais do que uma história de amor. Foi uma história mágica, onde a maior lição de todas é a que devemos amar e respeitar as pessoas, independente das diferenças. Sem dúvidas, um livro que merece ser lido e relido.




6 comentários:

  1. Oi Neyla,
    fiquei na dúvida quanto a este livro. Acho que vou esperar um pouco para lê-lo.
    Enorme hein??

    bjos

    http://blog.vanessausueroz.com.br

    ResponderExcluir
  2. O Livro é maravilhosos! Essas 637 páginas passam tão rápidas, que quando nos damos conta queremos mais...E aí temos a sequencia no Livro Sob a Égide da Cruz, e devoramos mais uma vez...

    ResponderExcluir
  3. Eu já comecei gostando da capa. Ainda não conhecia o livro, as me encantei com suas palavras na resenha e quero muito ler. E gostei bastante do tamanho também, sinal que tem bastante história para contar.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  4. Oiee ua linda =)
    depois dessa resenha irei ler o livro, eu o tenho, mas separei para dar de presente, pois espírito não é o gênero que gosto, mas bem fiquei curiosa agora.
    Beliscões da Máh

    ResponderExcluir
  5. Olá Neyla,

    Gostei demais da sua resenha e gosto bastante de romances históricos, mas confesso que não gosto de livros espíritas....parabéns pela sua resenha....abraços.

    devoradordeletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. tem no centro espírita da minha cidade... U.U

    ResponderExcluir