sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Nós Vimos - Nickelodeon: Avatar

Acho que esse é um bom momento para eu continuar falando em magia. Mas não do conceito ocidental como nós conhecemos, e sim algo mais oriental. Aquele que nunca sequer ouviu  falar de Avatar está há muito tempo longe da televisão, dos cinemas ou da magia. Eu poderia falar das duas séries animadas (The Last Airbender e The Legend of Korra) em separado, mas preferi fazer um post diferente. Menos focado em pontos específicos, mais abrangente. 

Numa era perdida, a humanidade dividiu-se em quatro nações: os Nômades do Ar, as Tribos da Água, a Nação do Fogo e o Reino da Terra. Dentro de cada nação, há uma ordem de homens e mulheres notáveis, chamados de “Dominadores”, que são capazes de manipular um dos quatro elementos nativos, fazendo uma “dobra”, que combina artes marciais variadas. Para manter o equilíbrio entre estas nações, existe um único dobrador que é capaz de controlar os quatro elementos. Esse dobrador é o “Avatar”, um escolhido que manifesta o espírito do mundo em uma forma humana. Quando o Avatar morre, o seu espírito reencarna noutra nação seguindo um ciclo milenar. Começando com o domínio de seu elemento nativo, o Avatar vai aprender como comandar todos os quatro elementos. Ao longo das eras, as incontáveis encarnações do Avatar serviram para manter as quatro nações em harmonia.

Há tanto a se falar sobre a série, o sucesso que rendeu um filme live-action (horroroso), expansão na TV e quadrinhos, mas esse não será o foco da postagem. Tudo isso pode ser encontrado em vários lugares, inclusive totalmente destrinchado, com atualizações regulares, extras e fórum de discussão em um fã-site nacional chamado Mundo Avatar. O que realmente gostaria de destacar é a grande semelhança com o mundo literário. Tanto em termos de narrativa, construção de personagens (protagonistas e vilões), quanto sua organização e estrutura.
As temporadas são divididas em "livros" como se a narrativa fosse feita através da leitura de um deles. É exatamente como acompanhar uma série/saga literária, onde um ciclo se fecha para outro se abrir. The Last Airbender tem seus livros nomeados a partir dos três elementos que faltam ao jovem Avatar Aang dominar: Água, Terra e Fogo. The Legend of Korra, série ainda em andamento, está indo para o seu quarto livro - que deve se chamar Equilíbrio - e já passou pelos livros: Ar, Espíritos e Mudanças. Como se trata de uma história contínua, personagens da primeira saga fazem aparições na segunda ou são mencionados a partir de acontecimentos e laços de sangue. 

Assim como em sagas e séries, acompanhamos nossos heróis em uma jornada ligada a um trama maior. Porém, cada livro trata de um arco fechado de histórias, bem ao estilo Harry Potter. Os personagens estão em constante evolução e aprendizado, e isso influi diretamente na história, diferente de animações não sequenciais com seus episódios fechados onde no próximo episódio tudo voltava ao normal. Essa continuidade ajuda na construção da identificação com os personagens, seus dramas e históricos.
E falando nisso, a construção de personagem é feita de forma que valoriza cada um deles. Personalidades diferentes, características físicas e psicológicas variadas. Elementos reforçam o carisma dos personagens ajudando a criar simpatia ou antipatia por eles. Mesmo os animais são dotados dessas particularidades, incluindo tendo destaque e mini-episódios.
O mundo particular é baseado nas nações do oriente, inclusive é possível notar pelas vestes e variações físicas de cada povo. A fauna e a flora bem peculiar, e a presença dos espíritos  ajudam a tornar ainda mais única ambientação da série. Isso sem falar no desenvolvimento cultural que cada um dos povos tem e os papeis dos dobradores nas sociedades.

Tecnicamente Avatar carrega em seus arcos narrativos elementos contrastantes, mas que utilizados da maneira correta são capazes de agradar a gregos e troianos (ou às  quatro nações). Tem humor, romance, drama, ação, sequências de luta espetaculares, traições, desavenças, redenções, tudo muito bem amarrado e apresentado de forma que o resultado final não seja infantil e nem mesmo totalmente adulto. O fato de ter a dosagem correta é essencial para conseguir prender um público extremamente variado em frente a tela (ou não estaria a quase DEZ ANOS no ar).
A série desde o início tem um visual que mistura as animações ocidentais com orientais, inclusive no padrão utilizado na narrativa com efeitos de expressão próximos do anime. Esse padrão estético só melhora com o avançar da história. E um elemento o torna ainda mais belo: o primor com as coreografias. Mesmo se tratando de uma animação os movimentos das lutas e execução de dobra/dominação são detalhados a ponto de parecerem quase uma dança. Os movimentos e técnicas de combate de cada nação e cada dobra são intimamente ligados aos elementos: dobradores/dominadores de água tem uma movimentação mais fluida enquanto dobradores/dominadores de terra executam movimentos firmes.
Avatar é uma série para toda a família assistir, de preferência unida. Antes de qualquer preconceito, vale o desafio de assistir dois ou três episódios para perceber tudo que falei. Só não posso garantir que a contagem irá parar por aí.

                                                                  TRAILER                                                                    


4 comentários:

  1. Eu assisti o filme e gostei hehehe. Tenho interesse em assistir a serie, vou procurar e já sei que vou viciar.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  2. Hei, Ace! Você sempre indo por esse mundo que jamais pensei em entrar, não é?! Fico curiosa toda vez que venho aqui e leio algo assim.
    Enfim, meu irmão é doido por Avatar! Tipo, maluco mesmo. E ainda tá levando meu filho para o mesmo barco. ahauhaua.
    Eu gosto da ideia, mas possivelmente o filme me deixou meio traumatizada, mesmo sendo de um diretor que sou completamente apaixonada. Sou difícil de acompanhar séries de animação, mesmo que as vezes consiga ver Death Note com meu irmão e goste bastante. Mas é uma boa indicação sua, então vai entrar na lista. Quem sabe não perco esse meu preconceito?!

    bjus
    terradecarol.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Por coincidência deu o filme hoje na TV e vi, gosto bastante da historia mas nunca me aprofundei, seu post me deixou ainda mais curiosa!

    Beijos Joi Cardoso
    Estante Diagonal

    ResponderExcluir
  4. Olá Ace,

    Como sempre ótima dicas aqui, não conhecia essa série e fiquei bem empolgado com a sua resenha, quero conferir com certeza, gosto muito do estilo... ótima dica....abraço.

    devoradordeletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir