sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Destinos Marcados

Evan Somerset desperta as suspeitas de Brienne LeClerc a partir do momento em que entra em seu restaurante. E quando o charmoso colecionador de antiguidades oferece a Brienne uma pequena fortuna por um jarro de cristal de valor irrisório, decorada com a marca de um raio, ela fica convencida de que o homem é louco. Mas Evan não é o único que está à procura da marca do raio... Logo Brienne descobre que o jarro que pertenceu à sua avó e à sua mãe contém a chave vital para um perigoso embuste... e para verdades surpreendentes que ameaçam o frágil amor que ela e Evan estão apenas começando a vivenciar!

Título: Destinos Marcados
Editora: Nova Cultural
Autor (a)Jo Ann Ferguson
Número de Páginas: 157


Uma das coisas boas que essa coluna tem me permitido é fazer a leitura de romances que tenho há anos e, por falta de tempo, ficavam encostados na estante. Destinos Marcados é um desses livros que sempre tive uma imensa curiosidade em ler, afinal é um romance histórico, com uma capa que é uma graça e uma sinopse que é, no mínimo, interessante. E, apesar de um detalhe que explicarei mais adiante, a história me agradou.
Briene LeCrerc é a proprietária de um modesto restaurante conhecido por todos pelos pratos saborosos. Sua mãe sofre de uma grave doença que a faz ficar, boa parte do tempo, acamada. Sua avó é uma senhora ativa e de bom coração, que sempre está ao lado dela, ajudando-a como pode. Briene tem verdadeira paixão pelo seu restaurante e leva uma vida pacata junto da avó e da mão. Isso até ela conhecer Evan Somerset. 
Após as devidas apresentações, este misterioso homem lhe faz uma estranha proposta. Ele pagaria a ela duzentas libras por um pequeno vaso que se encontra no restaurante. Óbvio que Briene não aceita e, depois de uma acalorada discussão, ele se retira do restaurante possesso com a teimosia dela. Pouco tempo depois o restaurante é invadido por homens que, adivinhem só? Estão a procura do mesmo jarro. Após sofrer uma certa tortura, Briene é salva por Evan e, muito embora esteja aliviada por se ver livre de seus atacantes, ela fica desconfiada de que eles tenham sido enviados por ele para conseguir aquilo que deseja. 
Após mais um atentado e com a morte de sua mãe, ela decide aceitar a ajuda de Evan. Mas que fique claro que ela ainda não consegue confiar nele. Ela não sabe quem ele é, do que é capaz de fazer, e ainda tem o fato de que foi ele a primeira pessoa a ir atrás do jarro em seu local de trabalho. Briene só tem certeza de uma coisa: toda essa história tem a ver com algo do seu passado e esse jarro não pode cair em mãos erradas.
Destinos Marcados é um daqueles livros que tem tudo para agradar. A narrativa é ágil, tem um toque de mistério e as cenas são muito bem descritas. A forma como a trama vai se desenrolando foi bem natural e o rumo que a história tomou me agradou bastante. Se tem uma coisa que me desagrada é quando o autor deixa de dar atenção a história para focar no romance e isso, por sorte, não aconteceu aqui. O foco é o "mistério do jarro" e a autora se mantém fiel a isso até o final, o que foi muito bom.
O que me desagradou durante a leitura foi o romance entre Briene e Evan. Apesar de ambos serem personagens adoráveis, faltou química. Eles não são como aqueles casais de romances que você sente que têm tudo a ver um com o outro. Além do mais, o romance foi, de certa forma, jogado na história. Foi forçado, senti falta de uma maior interação do casal, de algo que me mostrasse que eles estavam se sentindo atraídos. Terminei o livro com a sensação de que havia sido enganada, que o romance ali foi só "picaretagem". Deixou a desejar nesse quesito.
Apesar disso, o livro é bom. A história é bem bolada, as descrições dos locais são belíssimas e o clima de suspense dura até os últimos capítulos. É uma leitura rápida, para se fazer em uma tarde preguiçosa. Leiam e depois me contem o que acharam.

4 comentários:

  1. Oi Neyla

    Tenho um certo carinho por romances de banca, eles foram minha primeira experiência com romances mais adultos.
    Mas as histórias quase nunca tem profundidade porque tudo acontece muito rápido. Talvez por isso você tenha sentido que o casal não funcionou. Eles criam a história e colocam tudo pra acontecer logo porque são poucas páginas.
    Ainda assim alguns conseguem são realmente ótimos, pena que não foi assim com esse.

    Beijos
    mundo-de-papel1.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Olá, Neyla.
    Apesar de ser um romance histórico, não leria. De verdade, não achei a premissa tão genial assim. Porém fiquei curioso para saber o porquê de quererem o vaso. rs
    Como o romance também não é tão verdadeiro, não faria esse leitura. Mas gostei bastante da sua resenha, pois está bem explicativa.

    M&N | Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso top comentarista de dezembro

    ResponderExcluir
  3. Oie Neyla,

    Não conhecia o livro, mas gostei bastante da sua resenha, mesmo detestando a capa rsrsrsrs

    bjos

    http://blog.vanessasueroz.com.br

    ResponderExcluir
  4. Olá Neyla,

    Não conhecia o livro e a capa não me agrada, mas sua resenha nos deixa bem curioso.....abraço.

    devoradordeletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir