sexta-feira, 29 de maio de 2015

Ligeiramente Maliciosos



Após sofrer um acidente com a diligência em que viajava, Judith Law fica presa à beira da estrada no que parece ser o pior dia de sua vida. No entanto, sua sorte muda quando é resgatada por Ralf Bedard, um atraente cavaleiro de sorriso zombeteiro que se prontifica a levá-la até a estalagem mais próxima.
Filha de um rigoroso pastor, Judith vê no convite do Sr. Bedard a chance de experimentar uma aventura e se apresenta como Claire Campbell, uma atriz independente e confiante, a caminho de York para interpretar um novo papel. A atração entre o casal é instantânea e, num jogo de sedução e mentiras, a jovem dama se entrega a uma tórrida e inesquecível noite de amor.
Judith só não desconfia de que não é a única a usar uma identidade falsa. Ralf Bedard é ninguém menos do que lorde Rannulf Bedwyn, irmão do duque de Bewcastle, que partia para Grandmaison Park a fim de cortejar sua futura noiva: a Srta. Julianne Effingham, prima de Judith.
Quando os dois se reencontram e as máscaras caem, eles precisam tomar uma decisão: seguir com seus papéis de acordo com o que todos consideram socialmente aceitável ou se entregar a uma paixão avassaladora?
Neste segundo livro da série Os Bedwyns, Mary Balogh nos conquista com mais um capítulo dessa família que, em meio ao deslumbramento da alta sociedade, busca sempre o amor verdadeiro.
Título: Ligeiramente Maliciosos
Série: Os Bedwyns Livro 02
Editora: Arqueiro
Autor (a): Mary Balogh
Número de Páginas: 288


Judith Law cresceu ciente de que a beleza não era muito o seu forte. Muito alta, dona de cachos revoltos e ruivos, ela sempre ouvia de seu pai, um rígido reverendo, que ela não era atraente e que, por esse motivo, despertava os olhares curiosos das pessoas. Ciente que seu destino seria ser uma mulher solteira, ela decidiu se voluntariar para viver com a tia rica para poder ajudar a família, que estava com posses escassas devido os gastos enormes provocados pelo irmão mais velho, Bran. Ela sabe que a vida nova será dura, afinal ela é a prima pobre e será tratada como uma criada. Ela não imaginava era que, tudo aquilo que imaginava que aconteceria, não chegaria nem perto do que o destino lhe reservava.
No meio da viagem para a casa da tia, a diligência onde Judith viajava tombou e, no meio de todo caos, ela conhece o jovem Rannulf Bedwyn. A atração entre os dois é imediata e, disposta a viver uma única aventura, Judith se entrega ao momento e ao estranho sedutor que mexeu tanto com seus sentimentos. Claro que ela não revela a ele sua verdadeira identidade (assim como ele) e, chegada ao fim a aventura, ela parte e deixa-o sem dizer para onde foi.
Mas o destino vai tratar de colocá-los frente a frente novamente. É que Rannulf está indo para a mesma cidade que Judith para poder visitar sua avó e atender o pedido dela de conhecer uma candidata a futura noiva. E essa futura noiva é, justamente, a mimada prima de Judith, Julianne.
Gente, eu não sei se vou conseguir passar para vocês o quanto eu amei esse livro! Já havia gostado muito de Ligeiramente Casados (clica no link pra conferir a resenha), mas esse segundo livro me ganhou logo nas primeiras páginas. Judith é uma personagem muito fácil de se afeiçoar. Apesar de ser uma moça simples e que não nasceu em berço de ouro, é sagaz, inteligente e talentosa. Sem contar que seus atos sempre tão gentis e seu jeito gracioso são uma combinação que a torna um moça adorável. Fiquei com muita pena dela, principalmente pelo fato de estarem sempre a reduzindo, falando o quanto ela era feia e desengonçada. Ninguém nunca foi capaz de dizer o quanto ela era bonita e que era esse o motivo de chamar tanto a atenção das demais pessoas. Os olhares dos homens incomodavam a seu pai e também incomodaram a tia, que fazia o possível para que ela se vestisse de uma forma que não valorizasse seu corpo curvilíneo ou que mostrasse seus belos cabelos cacheados.
O envolvimento do casal é gradativo, nada acontece de uma hora para outra. Há a atração inicial (que é bem forte, por sinal), mas a paixão (e posteriormente o amor) só surge depois, com a convivência. É muito gostoso acompanhar o crescimento do sentimentos de ambos, em especial de Rannulf, que é um homem que sempre aproveitou a vida e as mulheres sem pensar em um relacionamento mais sério. A ideia de um casamento nunca lhe foi atrativa, até se ver pressionado pela avó que tanto ama. A química entre ele e Judith é forte e juntos eles protagonizam cenas onde soltei muitos: "Que fofo!".
A história é muito bem escrita, com toques de humor e muito romance. A trama mantém uma linearidade constante e Mary não deixa pontas soltas. Tudo é muito bem amarrado e explicado durante a leitura. Apesar de ser um romance, as cenas que encontramos não são embebidas no mel. Mary consegue mesclar cenas divertidas e de emoção, nos levando dos risos às lágrimas em instantes. Eu sei que choro com tudo, basta uma descrição mais delicada de um momento triste para me fazer ficar com olhos marejados. E foi justamente pela suavidade da narrativa em momentos mais fortes que as lágrimas rolaram.
Para minha felicidade, o Duque de Bewcastle (o mais velho dos irmãos Bedwyn) também aparece neste volume. Quem leu minha resenha de Ligeiramente Casados sabe que me apaixonei por ele e seu jeito duro, arrogante e frio. Apesar da curta participação, ele roubou a cena a cada olhar amedrontador e palavras geladas que dirigia àqueles que se colocavam em seu caminho. Esperar o sexto livro da série para poder, finalmente, ver alguém derreter esse bloco de gelo vai ser árduo!
Mary Balogh é diva demais e todas as apaixonadas por romances de época tem o dever de conhecer seus livros e se encantar com o talento dessa autora incrível. Ligeiramente Maliciosos entrou para o rol de livros preferidos do ano e já estou a espera ansiosa pelo próximo volume, que é o de Freyja, minha Bedwyn feminina preferida. Se você ainda não acompanha essa série, fica minha recomendação para que conheça e, assim como eu, se apaixone por essas história lindas!


9 comentários:

  1. Confesso que sempre tive um preconceito com romances de época, achava que não iria gostar e que seriam chatos, então imagine minha surpresa quando peguei esse livro para ler e me apaixonei! Não conseguia parar de ler, e é claro me apaixonar por cada um, menos a prima e a tia dela --' e realmente ela é tão inteligente e sofre tanto se achando feia quando na verdade ela é linda! Sua resenha disse tudo e ainda não li o primeiro livro, mas quero ler em breve e estou ansiosa para os próximos. Amei amei e amei <3
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Neylinha, também gostei mais desse livro do que do primeiro, e olha que eu gostei de Ligeiramente Casados, hein?! Mas é como você disse, esse me conquistou nas primeiras páginas e o outro levou pelo menos uns dois capítulos.
    Sem falar que Ralf me lembrou muito o Colin Bridgerton, ADORO!!!!!!

    Beijinhos
    De Tudo um Pouquinho

    ResponderExcluir
  3. pode surtar agora ou daqui a pouco?
    sou apaixonada por estes romances de época e ja faz um tempo que acompanho o trabalho da Mary no face, com as multiplas divulgações! Estou conhecendo uma nova forma de escrever romance de época que esta me encantando! Mary tem um jeito especial de escrever
    ja apaixonada
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Digamos que sou um pouco precipitada quando se fala em romances de época porque eu digo que não gosto mesmo sem nunca ter lido um kkk. Quando comecei a ler a sinopse e vi a capa eu achei um pouco chato não vou mentir, mas sua resenha (ótima por sinal haha) despertou meu interesse no livro e a partir de agora vou abrir mais a mente, me permitir conhecer outros estilos e vou começar com esse livro. Bjs

    ResponderExcluir
  5. Neyla!
    Como boa apaixonada pelos romances históricos a série já está entre as minhas favoritas.
    A casa nova resenha me apaixono mais pela história e quero pode acompanhá-la.
    “Os homens não desejam aquilo que fazem, mas os objetivos que os levam a fazer aquilo que fazem.”(Platão)
    Cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Eeii Neylaa...
    É muito bom podermos ler livros como esse...que vai do sofrimento à graça com uma leveza única!
    Tb amei o livro!
    Parabéns pela resenha.
    Beijoss

    Ilusoesnoturnas.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  7. Oi Neyla, eu adorei este livro, aliás estou adorando esta série e essa família, que parece ser muito unida disfarçados de "pessoas frias" Wulf cada dia me intriga mais.

    Beijos,
    Joi Cardoso
    Estante Diagonal

    ResponderExcluir
  8. Oi, ainda não li nenhum livro dessa autora, mas pretendo ler algum dia (só não sei quando). Adorei a resenha e eu amo essa capa, ficara linda na minha estante

    ResponderExcluir
  9. Oie Neyla,
    menina estou ouvindo muito falar deste livro e estou mega curiosa, mas não achei promoção dele :(

    bjos
    http://blog.vanessasueroz.com.br

    ResponderExcluir