segunda-feira, 11 de maio de 2015

Minta Que Me Ama

O inverno é a estação mais aconchegante do ano, mas Jenny Breslin não se sente nada confortável. Tudo na sua vida a total ausência de romance, o emprego chatíssimo no banco foi tocado pela mágica das festas de fim de ano. A simples ideia de passar por mais um Natal com a sua mãe extravagante e Harry, o novo namorado dela, a enche de pavor. Mas isso é na vida real...
No Twitter, as coisas não poderiam estar mais interessantes. Nele, Jenny tem uma carreira em ascensão, uma vida amorosa sensacional e uma agenda superconcorrida. Então, em uma noite de bebedeira, Jenny está tuitando com suas amigas Zahra, Fiona e Kerry. E de repente ela as convida para passar alguns dias em sua casa em Dublin. À medida que a sua vida virtual entra em rota de colisão com a sua verdadeira rotina, Jenny não sabe para onde correr. Tudo parece contribuir para mostrar que a existência das suas companheiras de Twitter é um milhão de vezes mais interessante do que a sua. O fim de semana chega, e segredos são compartilhados. Jenny começa a perceber que, enquanto ela sonhava, as coisas acontecem bem depressa.
Será que é muito tarde para que ela volte a assumir o controle da sua própria e verdadeira vida? 
Título: Minta Que Me Ama
Editora: Novo Conceito
Autor (a): 
Maria Duffy
Número de Páginas: 384



Li esse livro no início do ano e simplesmente esqueci de resenhá-lo. Somente hoje, quando folheei o caderno onde anoto minhas leituras e vi o nome dele constando na lista de lidos é que me toquei que não dividi com vocês a minha opinião sobre ele.
Jenny é uma dessas pessoas que anda descontente com a vida que leva. Ela trabalha num banco e tem a pior chefe do mundo, a senhorita "Cara de Tamanco", uma mulher mal humorada e que parece ter uma pedra de gelo no lugar do coração. Sua vida amorosa é um fiasco, o relacionamento com a mãe também e é uma pessoa um tanto solitária. Sua vida só bomba mesmo na internet, mas especificamente no twitter. Lá ela tem amigos e finge ter a vida que sempre sonhou. No twitter, Jenny é a descolada, que sempre está fazendo coisas legais, que tem uma vida perfeita e que está sempre se divertindo.
No twitter ela tem alguns amigos com quem fala constantemente: Kerry, Fiona e Zahra, todas com personalidades e estilos bem diferentes. Elas sempre conversam bastante, mas como moram em locais diferentes, nunca se viram. É só quando Jenny faz uma espécie de convite para que elas passem o Natal em sua casa que tudo começa a virar do avesso. Vejam bem: tudo que Jenny já contou até hoje para as amigas é uma grande mentira e, com essa visita, elas descobririam toda a verdade. Isso arruinaria toda sua reputação e ela se sentiria um lixo perto das amigas, que mesmo distantes são tão íntimas. Além do mais, tem a questão de que ela nunca as viu antes. E se alguma for uma assassina? O que Jenny não imagina é que essa visita reservará surpresas que ela jamais imaginaria que pudesse acontecer.
Minta Que Me Ama foi uma leitura conflituosa. Para início de conversa, quase o abandonei. A leitura inicial é arrastada, a protagonista tinha tudo para ser engraçada, mas estava se mostrando uma mulher chata e frustrada demais e o livro não mostrava a que veio. Sério, eu já estava em ponto de ebulição, com a cabeça fervendo e uma vontade imensa de tascar o livro na parede. Eu não tinha expectativas, mas poxa, é um chick-lit e eu esperava dar umas boas risadas.
Mas aí veio a segunda parte e eu simplesmente amei! Tudo que eu esperava da história só aconteceu na bendita segunda parte. Ele ficou mais dinâmico, a história engatou e a minha cara feia foi substituída por gargalhadas. Depois que a fase Jenny dramática-chata-solitária desaparece fica muito fácil gostar dela. Ela é desajeitada, atrapalhada, sonhadora e carente, o que me fez adorá-la! Não gosto das senhoritas perfeitinhas, principalmente porque não rola identificação. São sempre as personagens cheias de defeitos que acabam por me conquistar. Tá que Jenny não é bem o carisma em pessoa, mas ela tem lá sua cota de simpatia. Não entrou para a lista de personagens favoritas da vida, mas conseguiu me arrancar boas risadas.
A narrativa em primeira pessoa é leve e descontraída, o tipo de livro para se ler de forma despretensiosa, sem esperar muito dele. A história é bacana, tem uns conflitos bem legais e envolve o leitor a partir do momento que a trama deslancha. Muito embora tenha achado que ele demorou a engatar (esperar chegar quase a página 100 pra dizer a que veio foi meio difícil), achei que valeu a pena prosseguir na leitura. Passei momentos bem divertidos com ele e acredito que ele irá agradar em cheio aos fãs do chick-lits. Recomendo!

10 comentários:

  1. Oi Neyla,
    bom saber que o começo é ruim e depois melhora. Tem livros que realmente dá vontade de desistir.

    Bjos
    http://blog.vanessasueroz.com.br

    ResponderExcluir
  2. Oi, tudo joia?
    Eu confesso que nunca tinha lido nada sobre esse livro até agora, mas achei bem interessante, apesar do começo não ser muito motivador, eu acho que leria sem dúvidas, já que ele me chamou um pouco a atenção;

    Beijos
    intoxicadosporlivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Oi querida, tudo bem?
    Adorei sua resenha, bem sincera suiaus
    Não tenho muita intenção de ler esse livro agora, quem sabe mais para a frente né?
    Beijos.
    http://www.garotadolivro.com/

    ResponderExcluir
  4. Irei anotar na minha lista o recado dizendo para ler só a partir da segunda parte k Brincadeiras a parte, eu sempre vi esse livro, mas nunca parei para saber mais sobre ele e acho que se eu tivesse tentado ler antes de ler a resenha poderia muito bem ter abandonado! A história, como você disse, tem tudo para ser ótima então realmente seria uma pena se não melhorasse e mostrasse todo o seu potencial. Adoro livros que arrancam boas risadas e também me identifico muito mais com personagens que não são perfeitas, afinal eu sou completamente o oposto k Amei !
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Eu to com este livro aqui, ja tentei ler umas duas vezes e acabo parando, achei a protagonista muiiito chata, o uqe não condiz com o genero dele,
    mas é bom saber que depois ele melhora, quem sabe uma hora eu tento outra vez e acabo gostando, senti falta do romance..porque sempre tem nos chiklit, mas espero que apartir do meio ele seja bom e eu ache este par romantico,
    beijos.

    ResponderExcluir
  6. Olá!
    Gostei da empolgação e da sinceridade na resenha!
    Lembro que quis ler esse livro na época. bom saber que é legal e divertido.
    Dica anotada
    Beijinhos
    Rizia - Livroterapias

    ResponderExcluir
  7. Essa é a primeira vez que vejo sobre esse livro e infelizmente não me chamou a atenção, então não irei ler, mesmo assim obrigado pela dica, talvez algum dia eu o leia

    ResponderExcluir
  8. Ah! Neyla!
    Pois achei o livro maravilhoso desde o começo.
    Jenny é totalmente sem noção e isso por si só já me fez rir várias e várias vezes.
    Loucura convidar amigos que não conhece bem, apenas pela net, tanto que deu no que deu, mas achei que super vale a pena.
    “Tudo na vida acontece em função do melhor!Acredite, a sua amargura de hoje é, com certeza, a sementinha da sua alegria de amanhã!”(Mariluci Carvalho)
    Semaninha cheia de luz e paz!
    Cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Olá Neyla,

    Esse livro está na minha lista de espera de leituras e essa é a primeira resenha que leio dele, espero gostar também da história....abraço.

    http://devoradordeletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  10. Primeira vez que vejo esse livro e com certeza se eu lesse antes de ler sua resenha eu teria abandonado o livro nas quinze primeiras páginas rsrsrs. Quando você disse “... desajeitada, atrapalhada, sonhadora e carente...” me identifiquei e já gostei de cara da Jenny kk, livro+humor= combinação perfeita pra mim. ^^

    ResponderExcluir