segunda-feira, 25 de maio de 2015

Só o Amor Pode Curar

Bia é uma professora de literatura, que estende seu amor pelos livros ao trabalho voluntário que faz no hospital onde o irmão é médico, lendo trechos de obras literárias clássicas para os pacientes. Casada com Rodrigo, ela leva uma vida tranquila, ainda que afetivamente incompleta. Após um grave acidente na serra de Petrópolis, Bia adquire o dom de enxergar a aura das pessoas. De uma forma inesperada, ela conhece Léo, um jovem estudante com uma aura brilhante e o mesmo gosto por livros antigos, que faz seu coração bater mais forte e ambos sentem como se já se conhecessem há séculos. A relação de amizade entre eles acaba se tornando um amor arrebatador. Impedidos de viver esse amor, Bia e Léo vão ter que enfrentar muitos dilemas até que o destino lhes dá duas opções: cada um seguir o seu caminho ou atender ao apelo da alma e do desejo e viver plenamente esse grande amor.
Título: Só o Amor Pode Curar
Autor (a): Clara Benício
Editora: Jangada
Número de Páginas: 496


Sempre que vejo algum livro nacional sendo lançado, em especial os romances, fico com os olhos brilhando e a mão coçando (hahaha). Com Só o Amor Pode Curar não foi diferente. Essa capa linda me ganhou de imediato e a sinopse me deixou bem curiosa. Eu amo romances melosinhos e esse tinha uma proposta tão fofinha que não me contive e o solicitei.
Neste livro acompanhamos a história de Bia, uma garota de 19 anos que acabou de passar por momentos de enorme tristeza. Após sofrer um acidente de carro, que a deixou em coma com vários ferimentos graves e ainda ocasionou na perda de seu amado pai, ela ganhou um dom especial: pode ver a aura das pessoas. Apesar de estar debilitada fisicamente (ela ainda não consegue andar) e psicologicamente, Bia não é dessas pessoas que se entrega a tristeza. Ela sabe que precisa dar a volta por cima e seguir com sua vida.
Após a formatura do ensino médio, ela consegue entrar para a faculdade de Letras que ela tanto ama e lá conhece Rapha, um rapaz simpático e sociável que vem a se tornar seu melhor amigo! Com a vida encaminhada e longe da cadeira de rodas (ela passa a usar muletas), Bia decide que é a hora de começar a trabalhar e ter um pouco mais de independência. E é através de Rapha que ela consegue um emprego como sommelier em um restaurante italiano. E é justamente neste restaurante que ela conhece Rodrigo, um homem mais velho, bonito e fascinante. O envolvimento acontece e, anos mais tarde os dois vêm a se casar. Porém, o relacionamento que tinha tudo para ser incrível, se mostra ser uma dura provação, afinal apesar de ser um homem amoroso e atencioso, Rodrigo é extremamente ciumento e se sente incomodado com supostos olhares que sua esposa atrai e até mesmo com o trabalho que ela exerce, vendo em tudo e todos um inimigo em potencial.
Em uma viagem a Taubaté, Bia conhece um garoto de aproximadamente 16 anos em um antiquário. Ambos se interessam pelo mesmo livro que está a venda neste local e, por conta disso, engatam um papo bacana e que, mesmo após alguns anos, sempre será lembrado. Ela vê, ao redor desse garoto, uma luz forte e sente uma energia boa vindo dele. Anos mais tarde eles se reencontram de forma inusitada e dão início a uma amizade, que mais adiante vem a se tornar algo muito mais forte: um amor puro e verdadeiro, mas repleto de empecilhos que não os permite vivê-lo em sua plenitude. Um amor que nem mesmo o tempo ou as adversidades podem apagar.
A história é narrada em primeira pessoa por Bia e vamos acompanhando sua vida após o acidente, passando por várias fases da sua vida até chegarmos a atual, onde ela se encontra com 30 e poucos anos (durante a leitura acabei me perdendo na contagem). Eu gostei da personagem, achei que sua força de caráter, a gentileza em seus atos e a doçura com que trata as pessoas foram o principal motivo de me fazer nutrir uma certa simpatia por ela. Contudo, o excesso de maturidade demonstrado pela mesma no início do livro não me soou natural. Não conseguia enxergar aquelas palavras sendo pronunciadas por uma garota de 19 anos. Não que eu esperasse uma linguagem mais chula ou gírias. Mas achei que os diálogos da personagem não possuíam o tom jovial tão característico de sua faixa etária.
Achei a história bem construída, com um tema que me agradou, afinal nunca vemos livros que tratam de um casal onde a mulher é mais velha que o homem. A interação entre Bia e Léo é linda, a autora consegue passar para o leitor a profundidade do sentimento existente entre os dois, o quanto dói não poder ficarem juntos e o quanto esse tipo de situação causa desconforto em outras pessoa. Eu mesma já ouvi muito a seguinte frase: "Em um relacionamento a mulher nunca pode ser mais velha que o homem.". E aí me pergunto: Por que não pode? Eu sou um exemplo vivo de que pode sim senhora! Sou mais velha que o Ace, estamos juntos há 6 anos e nosso relacionamento vai muito bem, obrigada! Achei incrível a autora ter tocado nesse assunto e só esse detalhe me fez gostar demais da conta da história, apesar das ressalvas.
A narrativa é um pouco lenta e muitas vezes Bia se perde em devaneios, por conta disso demorei um pouco a concluir a leitura. Mas fora isso, a história é muito bonita e tem quotes lindíssimos, anotei vários durante a leitura. Para quem gosta de romances bem melosos, este é um prato cheio! Recomendo!


8 comentários:

  1. Oi, Neyla!

    Menina, isso é muito novela da Globo! hahaha
    Geralmente não leio muitos livros nacionais, especialmente se forem melosos assim, mas alguém providencia a adaptação, porque eu quero ver essa história.

    Xx,
    www.apenasumahistoria.com

    ResponderExcluir
  2. Oi Neyla!!!
    Eu ganhei esse livro num evento da Pensamento e ainda não fiz a leitura, mas também gosto muito desse tema, raramente explorado. Você já leu o livro "Na Ilha" da Tracey Garvis Graves? Ele também explora o tema (dentre outras coisas), foi uma leitura que eu amei e sempre está em promoção no Sub rsrsrs...
    Beijos... Elis Culceag. * Arquivo Passional *

    ResponderExcluir
  3. Assim como você a primeira coisa a me conquistar foi a capa, achei linda e na hora sabia que precisava do livro. No entanto, ainda não tive a oportunidade de ter ele ou ler ): Amo romances melosos e a história é incrível, sério, bem diferente de tudo que já vi antes e concordo plenamente que a idade não importa e nem quem seja o mais velho desde que aja amor! Felicidades para vocês e que venham muito mais anos pela frente <3 Quanto a leitura um pouco mais lenta e as atitudes diferenciadas para uma pessoa de 19 anos nem sempre se pode ter uma obra perfeita, certo? Irei me arriscar mesmo assim! Amei a resenha, como sempre. Mais um para a minha lista k
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Infelizmente não gosto de romances meloso, então tenho certeza de que não irei gostar, adorei a resenha e a capa do livro é muito linda é só um pena que não é o meu gosto, mesmo assim obrigado pela dica, e adoro o seu blog.

    ResponderExcluir
  5. Neyla!
    Gosto também dos novos autores nacionais, tem muita coisa boa e esse livro é mais um exemplo.
    Um romance que aborda o preconceito onde a mulher é mais velha, bom tema a ser discutido.
    Um tremendo absurdo esse preconceito em pleno século XXI.
    E pensar que acompanhei seu romance com o Ace desde o início, nossa e já fazem tantos anos. Felicidade cada vez maior para vocÊs.
    E quanto ao livro, gostaria de lê-lo.
    “Os homens não desejam aquilo que fazem, mas os objetivos que os levam a fazer aquilo que fazem.”(Platão)
    Cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  6. Assim como vc a sinopse me deixou curiosa e sua resenha mais ainda rsrs Não vou negar que um tempo atrás eu sentia um desconforto com esse tipo de relação, onde a mulher é a mais velha, mas com o tempo eu amadureci e fui aprendendo que toda forma de amor é válida independente se um é mais velho que é outro ou se forem do mesmo sexo. Adorei a resenha e esse vai pra minha lista Haha Só li poucos livros nacionais, mas pretendo ler mais. Parabéns e muitas felicidades pra vc e o Ace, que o amor de vocês dure a eternidade.

    ResponderExcluir
  7. Oi Neyla!
    Que legal isso, de mudar o padrão de casal principal homem-mais-velho + mulher-mais-nova . Dá um toque menos cansativo aos romances essas pequenas mudanças - e não sou lá muito chegada nesse gênero, mas de vez em quando, só para variar, escolho um. Você fez uma ótima resenha!

    Beijos,
    Miss Sorrisos Blog
    Twitter|Wattpad|Instagram


    ResponderExcluir
  8. Oie Neyla! :D
    Ainda não li um livro que trate sobre um relacionamento entre uma mulher mais velho do que o homem, é estranho ver que em pleno o século em que vivemos ainda existe esse tipo de preconceito, na minha família isso é bem comum, até porquê nós amamos uma pessoa pelo o que ela é e não pela idade que tem!
    Anotei a dica de leitura, vou querer conferir.

    Beijos e até logo! ;)
    https://worldofmakebelieveblog.wordpress.com/

    ResponderExcluir