terça-feira, 19 de maio de 2015

Supernova: O Encantador de Flechas











Imersa em uma ditadura implacável, a isolada cidade de Acigam sofre com a ameaça da guerra civil. De um lado, a Guilda, um grupo que utiliza os ensinamentos da Ciência das Energias para exigir direitos para a população. Do outro, um governo tirano, resguardado por soldados especialistas em aniquilar magos nome vulgar dado aos praticantes da tal ciência. No meio desse conflito vive Leran, que, após ser tragado para a rebelião, tenta aprender mais sobre sua misteriosa habilidade de encantar objetos com a energia dos elementos.
Com uma narrativa envolvente e reviravoltas incríveis, Supernova: O Encantador de Flechas é um livro que vai arrebatar os fãs de fantasia.
Título: Supernova: O Encantador de Flechas
Série: Supernova - Livro I
Editora: Novo Conceito/Novas Páginas
Autor (a): Renan Carvalho
Número de Páginas: 440


Expectativa é a pior coisa que existe,  e eu - um capitão experiente - sou conhecido por não nutri-la naturalmente. Sou do tipo que não se importa muito com spoilers e outras informações por gostar de saber o que espera. Acontece que até mesmo alguém crítico como eu acaba por confiar nas opiniões e recomendações de um seleto grupo. Talvez, se não fosse por isso, poderia eu ter aproveitado melhor a leitura. Contudo não foi o que aconteceu, infelizmente. Mas assim como faço quando a leitura me deixa por demais empolgado, dei tempo após terminar a leitura para não interferir na resenha. Decepcionado? Talvez. Cego para qualidades de uma obra? Jamais.
Se me pedissem para definir Supernova: O Encantador de Flechas em uma única palavra prontamente eu responderia: adolescente. Em qual sentido da palavra? - você pode estar se perguntando agora. Bem, no sentido geral sobre o que é a adolescência. Todo mundo sabe que a empolgação e a diversão fazem parte dessa fase, isso é inegável. Por outro lado é de conhecimento geral que a imaturidade também. Calma, antes de tirar qualquer conclusão continua a leitura que vai entender.
Em uma cidade isolada do resto do mundo vive Leran Yandel, um jovem um tanto avoado, sem muitos interesses além do arco e flecha e das aulas secretas que recebe do avô. A magia e expansão cientifica são proibidas em Acigan, e leis rigorosas impostas por um governo tirano cuidam para que assim continuem. Leran sempre soube que havia algo errado com aquele lugar, só não espera que algo tão grande estivesse para acontecer. Muito menos fazia ideia que seu destino estaria intimamente ligado à uma revolução e a um sentimento tão forte quanto o amor. Uma trama com espaço para intrigas, mistérios, amores e conflitos (físicos, ideológicos e psicológicos) é o que te aguada e vários pontos de virada poderão de surpreender.
A narrativa do livro se dá toda em primeira pessoa, sempre através de um personagem, e no início pode incomodar um pouco, mas isso passa quando o conhecimento (ou a falta dele) passa a se tornar ideal para transmitir a história. O aprendizado de Leran foi uma forma eficiente que Renan encontrou para apresentar seu cenário e seus elementos ao leitor de forma gradual, assim como o conhecimento de Judra sobre a realidade ajudou a expandi-lo além da magia. Apesar de possuir bastante informação, o texto flui rápido e não se prolonga, acrescentando agilidade à leitura embora isso acarrete alguns atropelos na história.  Em contra partida, os diálogos simulando a linguagem jovial acabam tornando-se bobos em vários momentos e, na minha opinião, precisam ser amadurecidos na sequência.
Os personagens são um dos pontos que me deixaram dividido, e diversos fatores levaram a esse fato. Embora exista uma tentativa de aprofundar vários deles, a maioria é trabalhada de forma superficial quando poderiam ser melhor detalhados e aproveitados um pouco mais. Outro detalhe é a inconstância apresentada em alguns personagens tanto em relação a poderes apresentados, quanto a postura. Fica até difícil citar exemplos sem dar spoiler - para não dizer impossível - mas alguns acontecimentos e decisões parecem estar mal explicados, ou não fazem sentido dentro do que foi construído.
O cenário - que é e sempre será minha parte favorita - embora não apresentado em sua totalidade, nos guia por um mundo díspar onde magia e tecnologia caminham bem próximos, embora em ambos os casos não seja de acesso de todos, remetendo logo de cara a jogos de videogame como alguns da série Final Fantasy. Essa "referência" inclusive pode ser sentida pela forma a qual as cidades são citadas sempre independentes umas das outras, bem como nas telas de Mapa de um jogo. Acigam (mágica escrita ao contrário) é uma cidade-estado que guarda diversos segredos por baixo dos panos políticos e também sobre suas construções, e ambos os casos parecem estar longe do conhecimento popular. Mas o que mais me cativou de tudo foi a forma como soube trabalhar a magia e a ciência, principalmente no mito da criação.
De maneira curiosa a leitura de O Encantador de Flechas me fez lembrar muito a sensação que tive ao ler pela primeira vez o Raphael Draccon (foi lá em Dragões de Éter - Caçadores de Bruxas): todos conceitos e ideias criados foram capazes de me interessar muito mais do que a história, porém fica visível o talento e potencial do autor, assim garantindo meu respeito.
Supernova: O Encantador de Flechas é um livro empolgante e divertido que vai agradar com toda a certeza o público a se destina, apesar de ser diferente do que eu esperava. Com certeza não é uma excelente distopia como já ousaram apontar, mas está longe de ser um livro ruim. Bem longe. Fico no aguardo por Supernova: A Estrela dos Mortos, agora sabendo o que me espera, sem risco de decepções.





8 comentários:

  1. Oi Ace!

    Ao ler sua resenha, alguns pontos me fizeram recordar de alguns leituras que tive, pois penso parecido com você, muitos elementos me agradam, mas a história em si fica faltando algo, seja com o personagem, ou com a elaboração. Vi muitas críticas sobre SuperNova, até mesmo de pessoas que se me falarem que é bom vou ler, mas ai gera aquela expectativa e algumas vezes acaba deixando a desejar no final, compreendo muito o que é isso, rs.

    Enfim, gostei bastante da sua resenha! Será que o segundo sairá pela NC também?

    Abraços,

    daimaginacaoaescrita.com

    ResponderExcluir
  2. Oie,
    ohhh estou com este livro em casa, mas não li ainda.
    Acho que vou gostar bastante, parece ser muito boa.

    bjos
    http://blog.vanessasueroz.com.br

    ResponderExcluir
  3. Oi, bom irei começar dizendo que realmente é um erro que cometemos e que muitas vezes é até inevitável criar expectativas diante de opiniões de outras pessoas. Atualmente estou tentando me manter afastada dessas influências e me deixar ser surpreendida (bem ou mal) pelo livro. Acredito que a história realmente tem tudo para ser bem desenvolvida para ser uma ótima leitura, mas no momento pelo que foi apresentado não conseguiu me conquistar... Talvez por achar que poderia ser melhor ou um pouco imatura em certos aspectos não pode me fazer desejar urgentemente, mas também não direi que não gostei em nada porque me chamou a atenção sim a ideia! Irei esperar para saber as opiniões acerca dos próximos para tomar uma decisão quanto a ler ou não. Muito boa a resenha ;)
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Oi tudo bem?
    Também gosto de spoiler as vezes, pois assim consigo saber se me empolgo ou não com a história, eu acho a capa desse livro linda, e adoro arco e flecha, achei criativo o nome da cidade 'Acigam', bem diferente. No começo da resenha achei que não iria gostar do livro, parecia bem mais infantil, mas acho que pela questão que aborda eu vou gostar sim; beijos :}
    Lost Words / Facebook

    ResponderExcluir
  5. Oi Ace!!!
    Eu li o início de Supernova (no dia em que chegou da editora) e amei, agora ele está na minha fila de leitura, embora, pela sua resenha, talvez essa seja uma leitura mais indicada para a Samantha do que para mim, vamos ver o que resolvemos aqui em casa, quem sabe nós duas acabamos lendo-o!?!
    Beijos... Elis Culceag.
    * Arquivo Passional *

    ResponderExcluir
  6. Bem Ace!
    Acredito que cada livro atinge o leitor de forma diferente, porque para mim, esse livro foi uma das gratas surpresas nacionais desse ano e um dos melhores que li até agora.
    Achei criativo, inteligente, a trama toda intrincada, onde mocinhos podem ser confundidos com bandidos e visse versa, sem contar que fatos novos sempre surgem, mudando totalmente a noção da trama.
    Aguardando ansiosamente o próximo.
    Desejo um ótimo final de semana!!
    “Coloque a lealdade e a confiança acima de qualquer coisa; não te alies aos moralmente inferiores; não receies corrigir teus erros.” (Confúcio)
    Cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Tbm sou do tipo que não liga muito pra spoilers não vou mentir que às vezes sinto vontade de saber o que acontece no livro/filme/novela antes de ver/ler hehe. Já li muitos livros por indicações de pessoas, já deixei de ler muitos livros por opiniões de outras pessoas e eu percebi uma coisa que era óbvia demais, cada um tem seu gosto e cada um tem sua opinião nem sempre o que pode ser legal pra mim pode ser pra outra pessoa, estou tentando aos poucos n focar nisso e tirar minhas próprias conclusões (apesar de ser um pouco difícil kk). Apesar de historias que envolve magia me interessar bastante essa não conseguiu despertar em mim muito interesse, mas quem sabe algum dia? Nunca diga nunca. Haha

    ResponderExcluir
  8. Oi, adorei a resenha, desde o lançamento que eu estou querendo ler esse livro, mas até agora ainda não tive a oportunidade pois sempre estou passando outros livro na frente desse, mas sei que algum di irei conseguir le-lo, já esta na minha lista

    ResponderExcluir