quinta-feira, 11 de junho de 2015

A Filha do Império

Mara, a filha mais nova da poderosa Casa dos Acoma, estava destinada a uma vida de contemplação e paz. Mas quando seu pai e seu irmão são mortos, sua vida muda de um dia para outro. Apesar do sofrimento, cabe a ela a tarefa de vestir o manto da liderança e enfrentar as dificuldades e os inimigos implacáveis.
Inexperiente na arte de governar, Mara terá de recorrer a toda a sua força e astúcia para sobreviver no Jogo do Conselho, recuperar a honra da Casa dos Acoma e assegurar o futuro de sua família. Mas quando percebe que os inimigos que quase aniquilaram a sua casa vão voltar a atacar com fúria renovada, Mara só tem uma dúvida: será que ela, apenas uma mulher, ainda quase menina, poderá vencer em um jogo perigoso no qual seu pai e seu irmão falharam?
Título: A Filha do Império
Série: A Saga do Império
Autora: Raymond E. Feist & Janny Wurts
Editora: Saída de Emergência
Número de Páginas: 464


Depois de ter nos agraciado com a Saga do Mago (Aprendiz, Mestre, Espinho de Prata e As Trevas de Sethanon) a Saída de Emergência traz para o Brasil a primeira das outras obras que integram o universo criado Raymond E. Feist, porém diferente da outra saga somos inseridos dentro da cultura Tsurani e de Kelewan. 
Às vésperas de entregar-se a vida religiosa e se consagrar serva da deusa Lashiva, a jovem Mara tem sua cerimônia interrompida por notícias terríveis: seu pai Sezu e Lanokota estão mortos e seus exércitos sofreram grandes baixas. Para piorar, agora ela deve assumir seu lugar como Senhora dos Acoma, uma das mais tradicionais famílias de todo o Império Tsurani, no mundo de Kelewan. Apesar de sofrer a dor da perda e com o choque da responsabilidade que lhe é entregue, Mara sabe que deve honrar seus ancestrais mesmo não tendo sido educada para governar e sendo uma mulher em meio a uma sociedade patriarcal. Ela precisa aprender tudo o que puder e contar com sua astúcia e os conselhos de Papewaio, Nacoya, Keyoke e Arakasi, para continuar viva e fora do alcance dos Anasati e Minwanabi, impedir que o nome dos Acoma caia em desgraça e fazer aqueles culpados pela morte de seus entes queridos pagarem.
De uma jovem ingenua à uma governante forte e que impõe respeito. Em A Filha do Império acompanhamos a evolução de uma mulher determinada cercada de responsabilidades, ameaças e preconceitos, mas que não se deixa abater. Envolta em traições, tentativas de assassinatos, disputas por importância dentro do Império e ascensão, Mara terá que formar parceiras e fazer jogadas arriscadas, e lidar com as consequências de suas escolhas, pois no no Jogo do Conselho é vencer e prosperar ou morrer sem honra.
Apesar de se passar no mesmo universo de histórias da Saga do Mago e acontecer durante a guerra narrada no primeiro e segundo livro, A Filha do Império¹ é uma leitura totalmente independente podendo ser lido antes, depois, ou até em conjunto, quem sabe. Quem já leu os volumes da série anterior certamente se sentirá mais familiaridade com o cenário de Kelewan, mas o leitor de primeira viagem será apresentado a um cenário rico e repleto de similaridade com as culturas orientais do nosso mundo. No forte senso de honra, tradições e família, no patriarcado rigoroso, na organização política do império, nas construções e cultura, a cada momento isso fica mais evidente e próximo, apesar de ao mesmo tempo passar uma impressão de estranheza com a presença do fantástico e do original.
A dupla de autores consegue construir uma narrativa rápida, segura e agradável, mesmo quando detalhamento é requerido. Feist e Wurts trabalham muito bem o enredo de intrigas políticas e estratégias, sem esquecer de dar enfase aos personagens e sem perder o ritmo, seduzindo e cativando o leitor. Os personagens são bem trabalhados, e mostram personalidade e riqueza mesmo quando sua aparição é rápida. Mas claro, o destaque é Mara, uma protagonista realmente forte, que apesar de ser menosprezada por ser mulher, e ainda  jovem, não se deixar abalar. Que tem defeitos, fraquezas, mas não abaixa a cabeça, que usa sua inteligência e sagacidade a seu favor, que não depende de um homem pa]ra ser forte. Mesmo quando está com medo, ela não abaixa a cabeça para ninguém. Um daqueles personagens que se tornam difíceis de não se apegar e admirar.
E para aqueles que possam falar sobre as semelhanças entre o Jogo do Conselho e A Guerra dos Tronos², é preciso lembrar que apesar da publicação recente em território nacional o livro é anterior ao lançamento do primeiro livro das Crônicas de Fogo e Gelo (¹1987 - ²1996), além de possuírem focos totalmente diferentes.
Raymond E. Feist  e Janny Wurts nos entregam uma trama inteligente, fascinante e com classe. Os amantes da boa literatura, e principalmente os de fantasia de qualidade, precisam incluir o livro em suas listas de leitura. E, caso esteja dentro do seu alcance, aproveitaria a presença do autor na Bienal do Rio de Janeiro para pegar um autógrafo e agradecer por essa bela obra.

15 comentários:

  1. Oi Ace!
    Ainda não li nada desses autores, mas com certeza A Filha do Império entrou para a minha lista, pois gosto muito do gênero.

    Beijos,
    Epílogos e Finais

    ResponderExcluir
  2. Gosto muito do gênero mas ainda não li nada do autor e nem da autora. Vou ficar de olho pra ver se leu algum de seus títulos.

    ResponderExcluir
  3. nao conhecia os autores e fiquei bastante curiosa ´pra ler, ador ler livros de autores desconhecidos por mim e me surpreender.

    ResponderExcluir
  4. Olaaaa,
    Tá todo mundo falando em desse livro, e não imaginava que você fosse falar algo muito diferente depois de tudo o que li. Mas, bem, tu falou.
    Gostei da tua resenha e achei ótimo tu ressaltar que ele, apesar de ter semelhanças, não é como se fosse um plágio (até pela data de lançamento mesmo, como tu citou).
    Enfim... gostei e lerei!
    Beijos,
    http://www.entreleitores.com/

    ResponderExcluir
  5. Olá Ace,
    Eu sou completamente apaixonada por fantasia - muito mesmo -, e esses livros, da Saga do Mago e agora A Filha do Império, já estão na minha wishlist e ganhando um espaço mais forte graças a sua resenha,parabéns.

    Beijos,
    Miss Sorrisos Blog
    Twitter|Wattpad|Instagram


    ResponderExcluir
  6. Opa, opa. Fiquei curiosa.
    Protagonista forte, aventura épica... Já chamou minha atenção. Ainda mais por saber que faz parte da Saga do Mago, que venho querendo ler há algum tempo.
    Oh well, mais um para minha lista de leitura hahaha

    www.apenasumahistoria.com

    ResponderExcluir
  7. Ace!
    A cultura oriental é atrativa, gosto de tudo que se se relaciona a ela.
    Poder ver a descrição do povo, cultura e tudo que acontece em um reino fictício nesse cenário é interessante.
    Poder acompanhar a superação e amadurecimento da personagem principal, dá ainda mais estímulo a leitura. Mesmo sendo série.
    “A sabedoria começa na reflexão.”(Sócrates)
    Cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    Participe no nosso Top Comentarista!

    ResponderExcluir
  8. Ai adorei a sinopse e o enredo da história. Estou lendo a Saga Mago e estou adorando. A premissa desse livro é muito legal e me deixou bem curiosa. Já coloquei na lista!

    Beijos, Gabi
    Reino da Loucura

    ResponderExcluir
  9. Olá Ace!

    Eu não li esse livro ainda, mas é que não faz muito meu estilo de livro favorito sabe?
    Lembro quando a editora sugeriu para solicitar, acho a premissa bem interessante, e gostei do que foi relatado aqui na sua resenha.
    Acho que vou parar de bobeira e vou anotar para deixar na listinha :)


    Beijinhos,
    www.entrechocolatesemusicas.com

    ResponderExcluir
  10. Oiiii. Tudo bem?
    Eu não sou muito de ler livros desse gênero.
    O que me chamou atenção foi o livro ser escrito por duas pessoas, nunca li livros assim.
    É bom saber que a leitura é rápida. E personagens bem trabalhados são essenciais né?
    Enfim, eu adorei a resenha, muito bem escrita,
    Parabéns,
    bjs

    http://colecoes-literarias.blogspot.com.br/2015/06/baixe-gratis-lancamento-o-que-voce.html

    ResponderExcluir
  11. Oie Ace! ^^
    Esse não é o tipo de livro que costumo ter interesse em ler, adoro livros de época mas por algum motivo e acredito que seja por não ter tido a oportunidade ainda de conferir a narração que eu ainda não tive meu amor por esse gênero despertado.
    Quem sabe um dia né?

    Abraço e até logo!
    https://worldofmakebelieveblog.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  12. Bem, confesso que fiquei um pouco perdido no início da resenha, devido ao monte de personagens e nomes de lugares estranhos. Mas, certeza que lendo o livro, a estranheza passa, pois estaria no universo criado pelo autor. Ainda não li a série anterior, mas como gosto de fantasia, ela já está na minha listinha. Mas se tem uma coisa que me agrada, é quando os autores finalizam uma série, mas depois voltam com outras personagens e histórias para o mesmo universo. Bem melhor do que tentar esticar séries, e acabar estragando tudo.

    @_Dom_Dom

    ResponderExcluir
  13. Não conhecia a série, mas confesso que não gostei muito do enredo desse livro, não gosto de livros de fantasia, por isso ele não me despertou o interesse pela leitura.

    ResponderExcluir
  14. Oi Ace, eu não conhecia o livro ainda, mas confesso que ele não é o tipo de leitura que eu goste, mas quem sabe um dia eu dou uma chance e vejo se mudo de ideia :D

    Beijos

    http://www.oteoremadaleitura.com/

    ResponderExcluir