segunda-feira, 17 de agosto de 2015

O Que Eu Quero Pra Mim


Alice é independente, bem-sucedida profissionalmente e muito ambiciosa. Além do sucesso no trabalho, tem um namorado que é o sonho de qualquer mulher: lindo, apaixonado, louco para se casar e ter filhos. Mas ela não é qualquer mulher, e acha que a carreira vem antes de tudo. Então, quando Casseano a coloca contra a parede e exige mais espaço em sua vida, os dois entram em um impasse e acabam se separando. Em poucos dias, Alice sente que o fim do relacionamento está sendo mais duro do que esperava. Para piorar, o trabalho entra em crise e sua sócia, preocupada com a saúde da amiga, a obriga a se afastar por um tempo. As férias a ajudarão a arejar a cabeça e voltar mais produtiva.
Com tudo dando errado ao mesmo tempo, Alice aceita a sugestão e compra uma passagem para Londres. Chegando lá, mergulha numa profunda jornada de autodescobrimento e percebe o que realmente importa para ela.O que eu quero pra mim é um romance inspirador, que fala sobre a importância de conhecer a si mesmo e descobrir as próprias necessidades antes de trilhar de forma plena o caminho do amor.
Título: O Que Eu Quero Pra Mim
Autor (a): Lycia Barros
Editora: Arqueiro
Número de páginas: 208



Desde que li A Bandeja, da Lycia Barros, fiquei encantada com o trabalho da autora. Ela escreve de forma intensa e apaixonada, você sente as emoções fluindo de forma tão forte que por muitas vezes acaba por achar que elas são suas. Foi com uma expectativa altíssima que comecei a ler O Que Eu Quero Pra Mim e, apesar dele não ter sido tudo que eu esperava, me apaixonei pela história.
Alice é uma viciada em trabalho e o respira 24h por dia. Apesar de ser bem sucedida em sua carreira, ela está sempre em busca de algo maior. Linda, inteligente, bem sucedida, Alice é uma mulher que desperta a admiração das pessoas ao seu redor. Ela transpira segurança e competência, e tudo o que faz sempre é um verdadeiro sucesso. Porém, ela não é uma mulher feliz.
Apesar do jeito arrogante e, as vezes, um tanto petulante, Alice é uma mulher que guarda mágoas em seu coração. Abandonada pelo pai, ela teve que cuidar da mãe enquanto esta sofria com um câncer em fase terminal. Por ter presenciado todo sofrimento de sua mãe, ela não acredita em relacionamentos e nem deseja casar e ter filhos. Não é que ela seja uma pessoa fria. É que o medo de sofrer e a experiência de vida a transformaram em uma mulher relutante em relação ao amor.
Seu relacionamento com Casseano, um homem incrível, já dura um tempo considerável e ele sempre deixa claro suas intenções. Casseano é um homem íntegro e extremamente apaixonado, ele move céus e terra por Alice e deseja formar uma família com ela. Mas vocês acham que ela se sente encantada com isso? Na-na-ni-na-não! Para Alice as coisas estão bem do jeito que estão, cada um em sua casa, sem invadir o espaço do outro.
Contudo, um dia Casseano decide colocá-la contra a parede e, sendo rejeitado, decide que é a hora de darem um tempo. Arrasada, afinal ela o ama mesmo que seja do seu jeito meio estranho, ainda precisa lidar com as consequências de sua crise nervosa em seu trabalho e que pode gerar sérios problemas à sua carreira. Sem ter muita saída, decide aceitar a proposta de sua amiga e sócia e vai para Londres, tirar umas "férias forçadas". Aproveitaria esse tempo para rever Luana, sua grande amiga e pensar um pouco na vida.
Luana é uma das pessoas por quem Alice nutre um enorme amor. As duas moraram juntas por um tempo, mas quando Alice decidiu voltar ao Brasil as duas se separaram e cada uma seguiu seu rumo, indo atrás de seus sonhos. Luana casou, teve um filho, mas a vida de casada não a fazia feliz e ela deixou tudo para trás, inclusive o filho, para ir atrás do sonho de ser uma atriz de sucesso. 
Nas poucas semanas que Alice passa na casa da amiga, conhece seu ex-marido Eamon e seu filho, o pequeno Pietro. No início a relação entre ela e Eamon não é das melhores, mas com o tempo ambos vão descobrindo afinidades e tanto ele quanto Pietro serão de extrema importância na mudança que estará por vir na vida dela.
Acho incrível como Lycia consegue tocar corações com seus livros. A forma delicada e sensível que ela aborda temas tão comuns em nosso dia a dia é louvável. Lycia tem o dom da palavra, ela encanta e emociona a cada página. A linguagem simples e ágil faz com que nem percebamos as páginas virarem. E, apesar de O Que Eu Quero Pra Mim não ter alcançado o mesmo patamar de A Bandeja no meu coração, ele me fez refletir e me emocionou em algumas partes.
Alice tinha tudo para ser uma mulher detestável. Eu achei suas atitudes iniciais bem antipáticas e logo pensei: Essa eu tenho certeza que não vou conseguir "engolir". Mas me surpreendi. Quando começamos a conhecer a história de vida dela, o motivo de ter um coração duro e fechado, nos damos conta de que nem tudo é o que aparenta ser. Ela se protege com aquela armadura de durona, mas no fundo é uma mulher frágil que tem medo de amar e sofrer da mesma forma que a sua mãe sofreu. Não posso dizer que caí de amores por ela, mas consegui compreender suas atitudes e torci para que ela pudesse exorcizar seus fantasmas e ter o seu final feliz.
Dessa vez não tive um personagem preferido, alguém que me atraísse de forma quase que involuntária. Cada um me cativou por algum motivo, seja pela força de caráter, pela bondade, simplicidade ou honestidade. Lycia criou personagens fortes e decididos, o que não poderia ser diferente afinal a trama do livro exigia isso. 
A história é permeada por belas descrições de alguns locais de Londres e muitas vezes me senti ali, junto com o personagem, sentindo os raios de sol banhando meu rosto e o vento movimentando meus cabelos. Lycia é precisa em suas descrições, mas nada enfadonha. Ela não se perde em devaneios e mantém sempre o foco naquilo que é verdadeiramente necessário.
Se você não leu nada da autora, está aí a sua chance. Uma história emocionante, com lições que devemos levar para a vida toda. Recomendado!

8 comentários:

  1. Sempre leio ótimos comentários sobre os livros da autora,mas ainda não li nenhum. Mas tenho bastante curiosidade.
    Quanto a história me parece um drama cheio de superações.
    Acho que Lycia Barros sempre tenta de alguma forma passar alguma mensagem do bem.
    Assim que der vou ler. :)

    ResponderExcluir
  2. Ainda não li nenhum livro dela, mas vou ler, \0/ porque agora eu tenho um, rs. Primeiro o livro já me conquistou

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Publiquei sem querer, mas não vou apagar, continuo daqui, o livro me conquistou só pelo título, porque me faço essa indagação todo santo dia, kkkkk
      Livros que nos dão lições de vida, lições que nos fazem refletir, são os meus livros favoritos, sem dúvida alguma. Depois de ler meu novo livrinho da autora, tentarei ler esse também.

      Excluir
  3. Ainda não li nenhum livro da autora, mas acabo de me interessar, a sua resenha está excelente, mostrando que o livro fala sobre mulheres com problemas no relacionamento, parece mesmo muito emocionante, vou adicionar na minha listra pra ler.

    ResponderExcluir
  4. Neyla!
    Não li nada da autora ainda, porém estou com a Bandeja aqui aguardando uma oportunidade de leitura. Achei que ele a impressionou mais que este, embora queira lê-lo também, porque livros que trazem aprendizado de vida são sempre muito bons de serem lidos.
    “Sofremos muito com o pouco que nos falta e gozamos pouco o muito que temos.”(William Shakespeare)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    Participem do nosso Top Comentarista!

    ResponderExcluir
  5. É muito bom ler um livro que tenha uma boa descrição dos locais. Nós sempre nos sentimos presentes na historia como se estivemos vivendo aquilo.
    Não conhecia esse livro. Boa recomendação, anotado!

    ResponderExcluir
  6. Eu gostei da premissa desse livro e estou muito curiosa para lê-lo. É a primeira resenha que leio e estou animada, quero muito ver as lições de vida desse livro.
    Boa resenha!

    ResponderExcluir
  7. Li algumas resenhas sobre esse livros, e elas diziam a mesma coisa que você disse.
    Eu achei a historia boa, mas ainda não sei se daria uma oportunidade a esse livro.

    ResponderExcluir