quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

O Último dos Canalhas


O devasso Vere Mallory, duque de Ainswood, está pronto para sua próxima conquista e já escolheu o alvo: a jornalista Lydia Grenville. Só que desta vez, além de seduzir uma bela mulher, ele deseja também se vingar dela.
Ao se envolver numa discussão numa taverna, Vere foi nocauteado por Lydia e se tornou alvo de chacota de toda a sociedade. Agora ele quer dar o troco manchando a reputação da moça.
Mas Lydia não está interessada em romance, principalmente com um homem pervertido feito Mallory. Em seus artigos, ela ataca nobres insensatos como ele, a quem considera a principal causa dos problemas sociais.
Nesse duelo de vontades, Vere e Lydia se esforçam para provocar a derrota mais humilhante ao mesmo tempo que lutam contra a atração que o adversário lhe desperta. E, nessa divertida batalha de sedução e malícia, resta saber quem será o primeiro a ceder à tentação.
Título: O Último dos Canalhas
Autora: Loretta Chase
Editora: Arqueiro
Número de Páginas: 304



Quem leu minha resenha de O Príncipe dos Canalhas, sabe que eu gostei muito do livro, porém fiz algumas ressalvas em relação a história. Por conta disso, comecei a ler O Último dos Canalhas com um pouco mais de apreensão, sem muitas expectativas em relação a história. Mas minha preocupação deu lugar a mais pura satisfação, afinal o livro foi além do que eu esperava e me proporcionou horas divertidíssimas de leitura.
Em O Último dos Canalhas conhecemos o Duque de Ainswood, Vere Mallory, um verdadeiro libertino de corpo, alma e coração. O homem é um verdadeiro cretino e no livro anterior temos um pequeno vislumbre de uma briga dele com Lorde Belzebú (e eu tive uma péssima impressão dele, assumo). Porém, por trás de toda fama de canalha, se esconde um homem que já passou por muita coisa nessa vida e perdeu pessoas que amava. A mais recente delas, seu pequeno primo Robin, deixou uma marca profunda em seu coração. Ele amava o garoto e, por mais que tentasse, não conseguia se livrar da tristeza que carrega.
Vere nunca na vida se apaixonou, essa palavra nem sequer existe em seu vocabulário. Ele pode ter a mulher que quiser em sua cama e a seu dispor, mas sempre por uma noite, tempo necessário para obter o que deseja. Ele nunca imaginou que uma mulher fosse capaz de fisgar seu coração, ainda mais alguém como Lydia Grenville. Decidida, intrometida, cheia de força e coragem, Lydia é o tipo de mulher que os homens naquela época gostariam de domar. Ela escreve para um dos jornais da cidade e tem uma inclinação enorme para ser a heroína dos que se encontram em apuros. E é, justamente, quando está tentando salvar uma mocinha indefesa das mãos da mais perigosa cafetina de Londres, que ela conhece Vere.
Ele se envolve na discussão entre Lydia e a cafetina, mas acaba colocando-se em maus lençóis ao tentar bancar o canalha pra cima da moça beijando-a na frente de uma multidão. O que Vere não esperava era receber um baita soco no maxilar que o levou a nocaute na frente de todos os presentes. Humilhação, raiva e uma pontada de desejo se formam e ele decide que se vingar é uma questão de honra.
Aí você já deve estar juntando dois mais dois e formando quatro, né verdade? Primeiro eles vão brigar e, na primeira oportunidade, irão se entregar a uma paixão. É quase isso mesmo, mas antes eles vão se meter em algumas encrencas. Entendam, Lydia é uma mulher que está sempre pronta para defender quem precisa de ajuda e ela não mede esforços para isso. Vere, por sua vez, está seguindo-a de perto, doido para encontrar uma situação que possa comprometê-la. Estando sempre próximos, é evidente que algo mais irá nascer, mas qual deles será o primeiro a deixar isso transparecer?
Que leitura divertida! Gente, o que eu ri com (e dos) personagens principais não foi pouco. Logo de cara eu me encantei com Lydia e seu jeito decidido de ser. Já com Vere as coisas foram diferentes. Eu me apaixonei por ele logo no primeiro capítulo (não adianta, eu sempre caio de amores por esses canalhas), mas depois passei do amor à raiva por conta de suas atitudes. O fato é que Vere é irritante, do tipo que eu adoraria ver tomando uma bela lição. Vocês podem imaginar, portanto, a felicidade que fiquei quando Lydia o levou à lona (ou seria à lama?). Foi só com o passar das páginas que consegui voltar ao estágio inicial da paixão por ele. 
A história vai do humor ao drama, e me levou dos sorrisos aos olhos marejados. Gostei muito do que encontrei, não só dos personagens, mas da trama por completo. Achei que Loretta soube dosar muito bem o drama e o bom humor. Em algumas partes achei que a trama perdeu um pouco o ritmo, mas na maior parte do tempo a agilidade predominou e a leitura foi empolgante. Além do romance, acompanhamos a luta de Lydia para colocar a tão perigosa cafetina (a que ela discute no início do livro) atrás das grades. Ou seja, além de todo amor, toda paixão (e corações estão correndo soltos agora nesta resenha), há também um espaço para a ação, o que foi incrível!
Se eu recomendo? Mas é claro que sim! Romance de época de qualidade, feito para rir e suspirar. Os fãs de uma boa história, com certeza, irão amar!



8 comentários:

  1. Oi, Neyla, tudo bem?
    É tão bom quando a gente se surpreende positivamente com uma leitura que tínhamos receio, né? Passei por muito disso no ano passado e a sensação é ótima! *---*
    Confesso que, apesar de ser uma romântica assumida e ler muitos romances, não sou muito propensa aos romances épicos ou históricos. Foram pouquíssimos os que li do gênero até agora, apesar de me deparar com diversos elogios à vários títulos do gênero, como a sua resenha, e, nesse caso, o livro de Loretta até que me despertou sim a curiosidade por conhecer os personagens de verdade, principalmente depois de tantos elogios à mocinha da história e sua postura mais ativa, independente e corajosa; é o perfil de protagonistas que gosto de encontrar nos livros, então se surgir uma oportunidade, de repente eu posso pensar em dar mais chances aos títulos do gênero. Alternando entre os risos às lágrimas, e com um bom toque de ação, realmente parece ser uma boa pedida para entretenimento geral.
    Beijos!

    ♥ Sâmmy ♥
    ♥ SammySacional ♥

    ResponderExcluir
  2. Oii! Esse livro está na minha lista de desejados, eu li o primeiro e ameeeeiii. Sou uma amante de romances de época e histórico, eu tinha lido o primeiro livro antes de ser lançado no Brasil e reli depois que lançou. O que me incomoda um pouco é que a editora não está publicando seguindo a ordem de publicação lá fora, sei que não impede a leitura. Parece que quanto mais canalha, mais gostamos, eu pelo menos nos romances de época. O que me atrai nesse é a protagonista, gosto delas assim, que não aceitam o que a sociedade dita. Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Neyla, eu gostei de O príncipe dos Canalhas, mas não tinha tantas expectativas por O último dos Canalhas, mas as coisas aconteceram quase como com você, a diferença é que eu não consegui desgostar do Vere, pq percebi que toda aquela atitude era mais fachada do que realidade. Lydia é mesmo uma excelente personagem, mas o que eu mais gostei foi a relçao dela com o casal do livro anterior. Porém, como li o primeiro livro há muito tempo foi estranho quando a autora falava de algumas passagens e eu não as recordava. Há e eu tbm desprezei Vere no primeiro livro, disso eu lembro com certeza rs

    ResponderExcluir
  4. Oi Neyla, tudo bem?

    Eu não sou muito fã de romances de época, mas parece ser uma história divertida. Já gostei da Lydia e de seu jeito decidido de ser, e imagine a surpresa do Vere ao levar um tabefe... bem, não sei o que pensar dele, tudo bem que ele tem esse lado "amargo" que seria uma máscara para os dramas que sofreu e as pessoas que perdeu, mas esse jeito dele de querer domar a Lydia me deixa um pouco receosa, não gosto de personagens assim.

    Beijinhos,

    Rafaella Lima || Vamos Falar de Livros?

    ResponderExcluir
  5. Oi, Neyla, tudo bem?
    Então, nunca li romances históricos, acredita? Não é muito a minha praia, mas ultimamente eles têm feito tanto sucesso que eu começo a ficar com vontade de conhecer alguns deles. Quando eu estiver procurando por uma leitura mais divertida assim, com certeza irei dar uma olhada nessas séries que a Arqueiro tem lançado. O pessoal fala muito bem da Julia Quinn também.
    P.S. Se tem drama no meio, eu já quero (adoro dramas ♥)

    Beijo!
    João Victor - De Cabeça para baixo | All Pop Stuff

    ResponderExcluir
  6. Oi amiga!

    Olha, vou te dizer, se fosse por essa capa, eu não leria o livro, sério, achei esse modelo feio demais, quando a Arqueiro anunciou a obra, torci o nariz, pois na minha opinião podia ser um pouco melhor essa capa, mas enfim. Gostei da história, os romances de época são legais por conta disso, de trazer cenas engraçadas, os que li sempre teve cenas de humor, que rende um bom riso ao leitor, e o drama, além do romance, e gostei de saber que O Último dos Canalhas proporciona tudo isso e é um livro que envolve o leitor de inúmera formas!

    http://www.daimaginacaoaescrita.com/

    ResponderExcluir
  7. Oi Neyla, tenho que confessar que não sou muito fã de romance de época. O único que li até hoje foi Segredos de uma noite de verão, e não suspirei tanto. Mas já ouvi falar super bem dessa série. Quem leu eles foi a resenhista do meu blog. E ela amou!! Li sua resenha e gostei muito quando você disse que essa leitura era bem divertida. Acho que vou dar uma chance.
    Bjss

    http://livrosemarshmallows.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Primeira vez que leio uma resenha de um livro de época, ainda não tive a oportunidade de ler, mas ao ler sua resenha me deixou muito curiosa, quero saber mais, quero rir e entreter com os personagens.
    Mas antes, me desculpe tenho que perguntar: os livros desta autora é uma estoria complementando a outra, tipo, uma continuação?
    Outra coisa: é tipo 50 tons a estória?!
    Me interesseei muito, mas não sou do tipo que ler livros do tipo 50 tons, então só pra saber pra não ter que largar no meio da leitura!!
    (Por favor, não me julguem)

    Nathália Bastos// Biblioteca Lecture

    ResponderExcluir