quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

A Irmã da Tempestade

Em "A irmã da tempestade", segundo volume da série As Sete Irmãs, as vidas de duas grandes mulheres separadas por gerações se entrelaçam numa história sobre amor, ambição, família, perda e o incrível poder de se reinventar quando o destino destrói todas as suas certezas.
Ally D’Aplièse é uma grande velejadora e está se preparando para uma importante regata, mas a notícia da morte do pai faz com que ela abandone seus planos e volte para casa, para se reunir com as cinco irmãs. Lá, elas descobrem que Pa Salt – como era carinhosamente chamado pelas filhas adotivas – deixou, para cada uma delas, uma pista sobre suas verdadeiras origens.
Apesar do choque, Ally encontra apoio em um grande amor. Porém mais uma vez seu mundo vira de cabeça para baixo, então ela decide seguir as pistas deixadas por Pa Salt e ir em busca do próprio passado.
Nessa jornada, ela chega à Noruega, onde descobre que sua história está ligada à da jovem cantora Anna Landvik, que viveu há mais de cem anos e participou da estreia de uma das obras mais famosas do grande compositor Edvard Grieg. E, à medida que mergulha na vida de Anna, Ally começa a se perguntar quem realmente era seu pai adotivo.
Título: A Irmã da Tempestade
Série: As Sete Irmãs
Autora: Lucinda Riley
Editora: Arqueiro
Número de páginas: 528

Conheci Lucinda Riley faz uns 2 ou 3 anos e fiquei fascinada com a escrita fabulosa dessa mulher. Lembro que, ao me deparar com o primeiro livro dela fiquei intimidada com o tamanho, mas assim que comecei a ler me apaixonei. O mesmo aconteceu com os livros que vieram depois e foi uma sucessão de histórias incríveis, que me tiravam o fôlego e me deixavam sem chão. E com A Irmã da tempestade não foi diferente.
A grande paixão de Ally D’Aplièse é velejar. Quando era mais jovem, chegou a cursar música, mas o amor pelo mar acabou falando mais alto e ela se tornou uma grande velejadora. Prestes a participar de uma grande regata, ela conhece Theo, capitão de uma das embarcações e logo se vê arrebatada por ele. Ally jamais imaginou que poderia um dia sentir tudo aquilo por alguém e juntos eles vão viver momentos de pura e intensa paixão.
Contudo, com a noticia da morte do pai, ela deixa tudo para trás e retorna à sua antiga casa, onde encontra as outras irmãs. Para cada uma delas, o pai deixou uma carta com pistas sobre sua verdadeira origem. De imediato Ally não se interessa em descobrir nada, afinal ela sempre foi muito ligada ao pai e enfrentar sua perda não é fácil. Tudo que ela deseja é voltar para sua regata e para os braços de seu amado. Mas, acreditem, "a maré não está pra peixe" e mais uma tragédia acontece, deixando nossa protagonista à beira da depressão. E é aí que ela, finalmente, decide ler a carta que o pai deixou (e eu confesso gente, já estava me roendo de curiosidade, querendo entrar no livro e obrigá-la a ler). E é nesse ponto que iremos conhecer Anna Landvik, uma jovem que nasceu numa família de camponeses e que possuía uma linda voz.
Anna desde muito cedo apresentava uma certa inclinação musical, sempre fazendo seus trabalhos e cantando. Tudo muda quando seu talento é descoberto e ela recebe uma proposta de estudar música. Apesar da proposta tentadora, ela fica um pouco relutante, mas acaba indo de encontro ao sonho de se tornar uma cantora. E é em busca de seus sonhos que ela vai conhecer Jens, mais conhecido como O Canalha, que se encanta por sua voz antes mesmo de conhecer a mulher por trás dela. Aí você deve estar se perguntando: o que a história desses dois tem a ver com a de Ally? Ah meus caros, tem tudo a ver! Mas o motivo não vou poder contar, vocês terão que ler para tirar suas próprias conclusões.
Sensacional! Acho que nenhuma outra palavra definiria tão bem essa história pra lá de emocionante. Já havia lido o primeiro livro e amado, mas esse foi ainda melhor. Se tem uma coisa que Lucinda consegue fazer é se superar a cada novo livro. Gosto da forma como ela constrói seus personagens. Cada um apresenta características marcantes e são donos de personalidades fascinantes. Gosto da forma como ela consegue envolver o leitor, da emoção que transmite em cada cena, de como consegue nos levar da alegria ao desespero, do riso às lágrimas. Mas, principalmente, eu amo como ela mescla o presente e o passado, fazendo com que histórias diferentes se entrelacem. Sempre fico surpresa como ela consegue fazer com que, no final, tudo se encaixe com perfeição.
 É difícil não se apaixonar pelas histórias e personagens que essa brilhante autora constrói. Tanto Ally quanto Anna são mulheres fortes, decididas e corajosas, o tipo de mocinha que eu admiro e que me encanta. Não sei de quem mais gostei, mas me arrisco a dizer que me senti mais próxima de Ally por sermos parecidas em alguns aspectos.
Assim como em seus outros livros, a narrativa é dividida entre presente e passado. Pelos olhos de Ally, vamos conhecendo os fatos atuais, contudo quando somos remetidos ao passado, encontramos uma narrativa em terceira pessoa. Quem já leu algo da autora sabe que seus livros fluem com facilidade e sua escrita é ágil. Muitas vezes a impressão que tinha era de que as páginas estavam virando sozinhas. Para quem, assim como eu, é chorona, vai preparando o lenço. É impossível ler Lucinda sem sentir os olhos marejarem em algumas passagens (no meu caso, na maior parte do livro).
Este é o segundo livro da série (o primeiro, As Sete Irmãs, foi lançado pela Novo Conceito) e é ainda melhor que o primeiro. Quem é fã de bons romances, precisa ler essa série. Estou ansiosa para o terceiro livro. Com certeza fortes emoções me aguardam.


4 comentários:

  1. Oie Neyla,
    nossa não conhecia o livro, vou procurar o primeiro volume. A história parece ser muito boa.

    bjos
    http://blog.vanessasueroz.com.br

    ResponderExcluir
  2. Esse artifício que ela usa de voltar ao passado e de novo no presente, é maravilhoso!! E nenhuma outra usa isso tão bem quanto ela.
    Quero muito ler este livro logo!!!

    Adorei a resenha. Sei que vou amar o livro!

    Bjkssssssssss

    Lelê

    ResponderExcluir
  3. Oi Neyla, também achei este livro melhor que o primeiro. Sou fã da autora, e acho incrível como ela faz esta mescla de passado e presente.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  4. oi flor, eu adorei esse livro e sou só elogios a trama de Lucinda! ja to cheia de hipóteses! cheia de ansiedade pela história seguinte
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir