sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

Separada e Dividida






Alice, uma assessora de imprensa de 32 anos, decide dar a volta por cima em sua vida, logo após enfrentar a crise do término de seu casamento. Com a tarefa de cuidar de um bebê de um mês e das filhas gêmeas de cinco anos, ela reavalia seu papel no mundo atual, onde a mulher tem que dar conta de inúmeras funções sem borrar o batom, quebrar o salto alto ou descabelar-se no processo.
No melhor estilo mulher moderna era pós-industrial, na qual o aspirador de pó prometia ser o símbolo da solução para as tarefas domésticas, Alice reconhece que está sobrecarregada e que necessita, antes de tudo, olhar para si, para então reiniciar sua caminhada de forma mais leve, feminina e feliz.
Alice não vive no País das Maravilhas... Mas sabe que pode sim sentir-se num conto de fadas, se assim desejar, desde que seja responsável por suas escolhas. Alice não é biônica, perfeita e nem uma super-heroína. Alice é apenas uma... nova mulher!
Título: Separada e Dividida
Autor (a): Clélia Gorski
Editora: Novo Século
Número de páginas: 192




Antes de começar a resenha "propriamente dita", preciso contar uma curiosidade pra vocês. Meu primeiro contato com esse livro foi através das news da editora. Li a sinopse e, imediatamente, quis ler. A história parecia ser mega divertida, bem no estilo chick-lit (que eu adoro) e acabou sendo bem diferente do que eu imaginava, mas tão gostosa de ler que eu não consegui parar até ter terminado.
Em Separada e Dividida, vamos conhecer Alice, uma mulher de trinta e poucos anos, que acabou de se divorciar do marido e agora precisa "rebolar" pra cuidar das filhas gêmeas de cinco anos e do bebê de apenas um mês. Nós sabemos que uma mulher, após a gestação, está bem fragilizada e precisa do apoio das pessoas que ama. Com o pedido inesperado de divórcio, Alice fica totalmente desestruturada e com a autoestima bem abalada. Contudo, ela não é uma mulher que se deixa abater tão facilmente e resolve dar uma guinada em sua vida. 
O primeiro passo é dar um jeito na aparência, já que seu corpo está bem roliço e ela não tem se cuidado muito ultimamente. E nós sabemos o quanto cuidar de si e se sentir bem é importante, não é verdade? O segundo é seguir em frente e voltar à rotina, cuidar da casa e dos filhos, trabalhar e ainda arrumar um tempinho para distrair a mente. E para dar conta de tudo ela vai contar com a ajuda de amigos e da mãe, que estavam sempre prontos para lhe dar uma mãozinha.
No decorrer das páginas, vamos acompanhando o crescimento de Alice, seu amadurecimento e a nova visão do mundo que ela vai adquirindo a partir desta nova fase de sua vida. As coisas não são nada fáceis para ela, mas sua postura e a forma de encarar todas as atribulações foram essenciais para que pudesse levar uma vida produtiva e feliz.
A leitura desse livro foi deliciosa e é como se a personagem estivesse batendo um papo com o leitor. A narrativa fluiu super bem e li o livro em poucas horas. Alice é uma personagem carismática e que logo de imediato conseguiu minha simpatia. Vocês estão cansados de ler que eu não tenho paciência para aquelas mocinhas chatas, cheias de frescuras e sem iniciativa. Gosto quando elas são decididas e sabem o que querem da vida (ou pelo menos se esforçam para isso). Alice tinha tudo para ser uma mulher reclamona, afinal foi deixada sozinha com duas filhas e um bebê, numa fase em que tudo que mais precisava era de carinho e atenção. Contudo ela deu a volta por cima e, em vez de ficar no sofá de casa, ouvindo "All by myself" e devorando um pote de sorvete, ela foi atrás de sua felicidade. E, é claro, a vida lhe sorriu, mostrando quantas coisas boas ela ainda tinha pra aproveitar. E, claro, colocou em sua vida novas paixões.
E aí vamos para a melhor parte do livro: os relacionamentos amorosos. Gente, eu sou uma pessoa que acredita no amor, assim como Alice. Mas alguns de seus namorados foram uma tremenda furada. Em um dado momento, quando ela contava sobre o namorado atual (atual no capítulo), me peguei pensando: "Essa mulher é louca, será que não vê que esse cara não tem nada a ver com ela?". Mas depois parei pra pensar: Quantas vezes já namoramos alguém por pura carência ou porque a pessoa estava ali, cheia de amor pra dar, e nos deixamos levar pelo momento? É minha amiga, que atire a primeira pedra quem nunca na vida passou por isso (só esperem eu pegar um capacete, vai que eu preciso? - hahaha). Alice é gente como a gente e esse foi um dos fatos que me levaram a gostar tanto do livro. É uma história leve e, ao mesmo tempo, sensível, que pode acontecer com qualquer pessoa.
Não foram poucas as vezes que já falei aqui no blog da minha paixão por livros nacionais e fico imensamente feliz por ter sido, mais uma vez, surpreendida de maneira positiva por um livro. Para quem está em busca de uma leitura leve, esse livro é uma ótima pedida. Tenho certeza que, assim como eu, vocês não irão se decepcionar.

6 comentários:

  1. Amei a capa deste livro, simples, mas chama a atenção.

    ResponderExcluir
  2. Oi Neyla. Tudo bem?

    Não conhecia esse livro e fiquei com muita vontade de ler, pois tenho poucos chick-lit. A capa é muito fofa e conseguiu despertar interesse. Dica anotada.

    Bjos

    http://historiasexistemparaseremcontadas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Não conhecia esse lançamento e adorei saber que gostou do livro, ainda mais sendo nacional. Vou conferir. É bom ler mocinhas fortes, que dão a volta por cima e ainda dão lição na gente!
    Já coloquei na lista de leituras.
    Beijão, Mari

    ResponderExcluir
  4. Olá, Neyla.
    Eu li uma resenha desse livro recentemente e me interessei por ele. Por isso é legal lermos várias resenahs do mesmo livro porque cada blogueiro levanta um ponto diferente do livro e e só faz com que fiquemos mais interessadas ainda na história. A capa é linda e assim que der eu vou ler ele. Também estou cheia de mocinhas coitadas e ri na hora que você falou sobre ficar sentada no sofá, ouvindo a musica com um pote de sorvete, já imaginei a cena hehe.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  5. Eu fiquei encantada com a história, parece ser uma leitura bem divertida, é por isso que adoro chick lits. <3 Não conhecia a obra, e o que me interessou, além da trama, é que é nacional. *-*
    Eu estou curiosa para conhecer esses namorados que não tem nada a ver com ela, rs.
    beijos
    www.apenasumvicio.com

    ResponderExcluir
  6. Oi Neyla.
    Também amo livros nacionais e é bom demais ver quanta coisa boa tem sido lançada.
    Não conhecia esse livro, mas já adorei. Adoro chick-lits, ainda mais com o amadurecimento da personagem principal.
    Beijos

    ResponderExcluir