sexta-feira, 18 de março de 2016

Robin York e a problematização da Revenge Porn

Quem acompanha o blog e os lançamentos da Editora Arqueiro deve ter visto os livros Intenso e Profundo da autora Robin York entre eles. A obra aborda como temática um tema que cada vez mais tem se tornado evidente: o Revenge Porn.
Consciente da importância de problematizar a questão, a Editora Arqueiro convidou parceiros e amigos a participar de uma ação coletiva para ampliar o alcance da informação e promover o debate sobre a questão.
A principio é importante definirmos o que é Revenge Porn. Segundo artigo veiculado na Wikipedia:
Revenge Porn é uma expressão que remete ao ato de expor na internet fotos e/ou vídeos íntimos de terceiros sem o consentimento dos mesmos, geralmente contendo cenas de sexo explícito que mesmo quando gravadas de forma consentida, não tinham a intenção de divulgá-las publicamente. Após o fim do relacionamento, uma das partes divulga as cenas íntimas na internet como forma de "vingar-se" da pessoa com quem se relacionou.
Não existe uma tradução oficial para o termo consagrado em língua inglesa, revenge porn; a mídia no Brasil tem utilizado, além das expressões "vinganças e revanches pornôs","pornografia de revanche"ou até mesmo termos mais abrangentes como "exposição sexual na internet".
No Brasil, o ex-jogador de futebol e atualmente senador Romário apresentou em outubro de 2013 um projeto de lei que transforma em crime a divulgação indevida de material íntimo. Em junho de 2015, Google começou a aceitar pedidos de usuários para remoção de buscas que tenham relação com pornografia de vingança. Já temos a Lei Carolina Dieckmann que foi criada depois que o caso da atriz - apesar de seu caso não ser por definição Revenge Porn e sim um ataque de hackers - ganhou proporção por aqui.
Apesar do aparente avanço, a sociedade ainda está longe de alcançar um patamar satisfatório no que se refere a criminalização e punição ao ato. Em fevereiro de 2014 a Califórnia aprovou uma das primeiras leis do mundo contra a Revenge Porn, mas o mesmo não acontece nos demais estados americanos. Essa questão levou a autora não só abordar o assunto em sua obra, mas também se pronunciar abertamente através da nota a seguir que consta em cada cópia do livro Profundo.
Voltado um pouco a discussão acho necessário fazer a diferenciação entre o Revenge Porn e o vazamento de fotos feita por terceiros, como os casos das celeridades que tiveram as contas a iCloud invadidas. Ambos são atos criminosos, provavelmente se enquadrem em diferentes artigos da mesma lei, mas há uma significativa diferença quando a ação desrespeitosa e criminosa parte de alguém com quem se relacionou e não de um desconhecido.
Não cabe aqui julgar a decisão do casal de fazer vídeos ou fotografias de cunho íntimos, cada um tem o direito de fazer o que bem entender em sua intimidade, a questão em voga se refere ao direito a privacidade e o respeito ao próximo. O vazamento desse tipo de conteúdo seja qual for a origem é um ato desagradável, ilegal, inconsequente e desumano; um exemplo de total falta de consciência coletiva e pensamento mesquinho.
Levar o assunto para discussão é o melhor caminho para alcançar as mudanças de pensamento e legislativas em torno desses casos. Os primeiros passos já foram dados, mas ainda há muito a caminhar. É preciso olhar o outro como o semelhante que é, respeitar o espaço privado de cada um, e medir a consequência de seus atos.
Vamos alimentar esse debate: vocês conhecem alguém que já passou por isso? Gostariam de repercutir o caso de algum famoso que teve sua privacidade invadida?



2 comentários:

  1. acho super válido a editora abrir um espaço para promover essa discussão!
    os casos de exposição pública de algo intimo tem ganhado mais força com as redes sociais e internet em larga escala, ao passo de que as leis precisam ser ajustadas e prever punição, como no caso da nossa lei brasileira, o mais bacana é que essa divulgação maciça leva o diálogo e principalmente a informação!
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Adorei essa iniciativa da editora, além de divulgar o livro é importante informar as pessoas sobre o assunto e deixar claro a importância de denunciar esses casos e a gravidade deles. Estou louca para ler os livros, a história parece ser bem interessante.
    Beijo
    http://capsuladebanca.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir