terça-feira, 19 de abril de 2016

Mares de Sangue




Após uma batalha brutal no submundo do crime, o golpista Locke Lamora e seu fiel companheiro, Jean Tannen, fogem de sua cidade natal e desembarcam na exótica Tal Verrar para se recuperar das perdas e feridas. Porém, mesmo no extremo ocidental da civilização, não conseguem descansar por muito tempo e logo estão de volta ao que fazem de melhor: roubar dos ricos e embolsar o dinheiro.
Desta vez, eles têm como alvo o maior dos prêmios, a Agulha do Pecado, a mais exclusiva casa de jogos do mundo, onde a regra de ouro é punir com a morte qualquer um que tente trapacear. É o tipo de desafio a que Locke não consegue resistir... só que o crime perfeito terá que esperar.
Antigos rivais dos Nobres Vigaristas revelam o plano a Stragos, o ambicioso líder militar verrari, que resolve manipulá-los em favor de seus próprios interesses. Em pouco tempo, a dupla se vê envolvida com o mundo da pirataria, um trabalho inusitado para ladrões que mal sabem diferenciar a proa da popa de um navio.
Em Mares de sangue, Locke e Jean terão que se mostrar malabaristas de mentiras, enganando todos ao seu redor sem a mínima falha, para que consigam sair vivos. Mas até mesmo isso pode não ser o bastante...
Título: Mares de Sangue
Série: Nobres Vigaristas - Vol. 2
Autor: Scott Lynch
Editora: Arqueiro
Número de Páginas: 514


Quando um livro te captura e te entrega não apenas diversão, mas uma enorme qualidade, é quase uma certeza que se houver uma sequência - que faça sentido, afinal ninguém merece caça-níquéis baratos - você irá atrás dela. As vezes isso acontece e você só tem a opção de esperar o lançamento do desejado volume daquela série. Uma triste angustia...
Ainda bem que quando adentrei nesse novo mundo a Editora Arqueiro já havia lançado três volumes da série. :) Até que precise esperar pelo quarto volume já me satisfiz desbravando com prazer as desventuras dos Nobre Vigaristas.
E tão boa quanto a de As Mentiras de Locke Lamora, foi a leitura de Mares de Sangue...
Após o desenrolar dos eventos narrados no primeiro volume da série, os Nobres Vigaristas Locke Lamora e Jean Tannen deixam Camorr para trás na esperança reconstruir suas vidas em Tal Verrar, no extremo ocidente. Abalados pelas perdas, os servos fieis do Treze Sem Nome, precisam deixar o descanso de lado, reencontrar sua vocação para o crime e fazer o aquilo que fazem de melhor: roubar dos ricos e embolsar o dinheiro.
Em meio a execução de um arriscado golpe no grande "cassino" Agulha do Pecado, onde a regra de ouro é punir com a morte qualquer um que tente trapacear, antigos inimigos voltam para tornar as coisas mais difíceis. Para ser sincero: muito mais difíceis.
Conhecendo o segredo de Locke e Jean graças ao auxílio dos vingativos Magos-Servidores, Maxilan Stragos - o Arconte de Tal Verrar - resolve manipulá-los e forçá-los a trabalhar em favor de seus próprios interesses. O líder militar verrari precisa que os Nobre Vigaristas se lancem ao mar para convencer piratas a atacarem os portos do reino para assim no comando de sua marinha, tornar-se herói e recuperar sua autoridade diminuída pelos tempos de paz.
Locke e Jean precisam a todo o tempo usar suas mentes e habilidades para encontrar uma forma de libertar-se do domínio do Arconte, sobreviver a jornada em meio aos piratas e voltar para finalizar seu audacioso plano na Agulha do Pecado. E por fim, talvez apenas isso não seja o bastante. Será preciso ir além...
Em Mares de Sangue, Scott Lynch nos trás de volta os seus Nobres Vigaristas, mantendo sua já apresentada agradável e fluida narrativa em terceira pessoa e seus interlúdios informativos. Apesar de estar em plena expansão de seu cenário, o ritmo imposto pelo autor permanece ágil apesar da grande quantidade de informações que passa a cada página, tornando a leitura agradável. A linguagem utilizada pelo Lynch permanece também simples e de fácil entendimento, e embora graças ao descostume com os jargões navais fiquemos confusos em alguns momentos não chega a atrapalhar bom andamento da leitura.
A tão elogiada construção do cenário elogiada na resenha do volume anterior se torna ainda mais digna de nota. Deixamos os ares itálicos que permeavam Camorr e seus canais, e somos levados a conhecer mais a fundo culturas apenas citadas em As Mentiras de Locke Lamora. Mais especificamente Tal Verrar e suas proximidades, e também os mistérios que rondam as ilhas piratas dos Ventos Fantasmas. Com cada vez mais cor e graça, o cenário se mostra ainda mais rico e envolvente; não é só repleto de informação para dar grandeza, é repleto de informação para que os detalhes lhe convençam que por mais diferente que aquela realidade lhe pareça, ainda sim seja plenamente palpável. Das vestes a cultura popular com suas datas, festejos e cultos, das regras e leis aos tratados não escritos, cada elemento te encaminha para uma imersão profunda e encantadora.
Lynch a brincar de surpreender o leitor com seus plots, tramas e sub-tramas, e cada informação dada no avançar das páginas pode ser útil para compreensão dos fatos em algum momento. É bom prestar atenção nisso. Sendo assim não podemos esquecer de um elemento decisivo para que fiquemos grudados nas páginas do livro: as personagens. Lamora e Tannen voltam a nos conquistar com sua lealdade, seus golpes bem arquitetados, e com uma inocência que os coloca várias vezes em risco. A amizade da dupla é testada em diferente momentos da trama e você teme pelo pior. Conhecemos também coadjuvantes intrigantes como Requin, o proprietário da Agulha do Pecado, e sua esposa e segurança Selendri, outros ocultos como Merrane e  outros nem tanto como o Arconte Stragos. É claro temos aqueles que além de ter uma grande importância na trama te ganham pela postura e carisma como a capitã Zamira Drakasha e a tenente Ezri Delmastro. Ambas são mulheres independentes que por nada no mundo abririam mão do controle de suas próprias vidas e do que conseguiram no mar.
Mares de Sangue é uma história com aventura, romance, amizade em uma corrida contra o tempo para os protagonistas, mas também com aquela riqueza de detalhes que agrada aqueles como eu. A cada etapa ouso dizer que a série Nobres Vigaristas se torna mais instigante e apaixonantes, e se começada duvido muito que tenha vontade de parar. Concordo plenamente, dessa vez com as palavras da Locus Magazine, ao dizer que: "Nenhum crítico pode deixar de admitir as qualidades inesgotáveis de Lynch: sua inventividade, sua audaciosa construção de mundos, sua caracterização cativante."


10 comentários:

  1. Ooi
    Até gosto de livros de aventura,embora tenho lido poucos. Esse parece bem legal mas não chamou muito minha atenção. :(
    Não leria, mas vou indicar para uns amigos que sei que amariam. Haha
    Beijoos!
    www.estantemineira.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Oie!
    Eu já tinha visto sobre a série no site da editora, mas nunca tinha me chamado atenção.
    Confesso que me deixou bem curiosa e fiquei interessada nessa aventura toda.
    Talvez eu dê uma chance para a série.

    Lisossomos

    ResponderExcluir
  3. Sou louca pra ler essa série Nobres Vigaristas! Amo histórias de aventura, com romance e amizade então, muito melhor! Adoro quando o cenário é rico, isso realmente ajuda no meu envolvimento com o enredo, curto demais quando um autor se preocupa em colocar detalhes que deem mais veracidade ao que ele criou.

    Beijo!

    Ju
    Entre Palcos e Livros

    ResponderExcluir
  4. Oi Ace, tudo bem?
    Eu simplesmente devorei cada palavra da sua resenha, acho o enredo dessa série simplesmente fantástico. E é muito bom saber que a qualidade é mantida na continuação que está cheia de aventuras e destaca-se pela construção dos personagens. Não vejo a hora de ler. Sua resenha ficou ótima!!!
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Oi, tudo bem?
    Já conheço um pouco sobre a história da série Nobres Vigaristas por causa de um evento que fui. Eu adoro histórias com aventuras e romance, então algum dia tenho interesse em ler essa série. Só não vou ler por agora porque tenho uma lista imensa de leituras, mas a dica está anotada.
    Acho as capas da série lindas. Uma dúvida: quantos livros vão ser?

    Beijos,
    www.leitorasempre.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Serão 7 livros ao todo. Ao menos esse foi o prometido: trabalhar entre 15 e 20 anos da vida desses personagens.

      Excluir
  6. Oi Ace!

    De verdade, eu não daria nada para esse série, quando primeiro lançou, nem dei bola, mas agora depois de alguns resenhas que li, e ao terminar a leitura da sua resenha de Mares de Sangue, estou arrependida de ainda não ter o meu e me aventurar nesse enredo! Fico contente em ver que Mares de Sangue é tão bom, realmente me animou demais para conhecer o enredo, espero mesmo gostar, até agora não tive sorte com essas fantasias da Arqueiro, mas quem sabe com esse isso venha a mudar?

    Da Imaginação à Escrita

    ResponderExcluir
  7. OI! Não conhecia a série ainda e curti bastante o enredo. Confesso que me perdi no cenário e nos nomes, mas acho que pra entender esse tipo de mundo é só lendo mesmo, haha Vou procurar o primeiro volume, ver se me interesso mesmo ;) Adorei a dica!

    Bjs, Cass | www.livroseoutrascoisas.com.br

    ResponderExcluir
  8. Jargões navais, taí uma coisa que sempre faz eu me perder. Já li mais de um livro nessa pegqda de mar, piratas e tal, eles tinhamos jargões e ainda não os aprendi. Da uma quebrada no meu ritmo de leitura mas é impossível fazer a história sem isso né?
    Eu conhecia só esse livro pra falar a verdade, porque ele me chamou a atenção pela capa linda, agora que fui saber que é uma série e percebi que ja tinha visto o primeiro livro por aí sim. Gosto muito desse tipo de história e depois dessa sua ótima resenha, é claro que fiquei com vontade de ler.
    beijo

    ResponderExcluir
  9. Tinha vontade de ler Locke Lamora, mas depois perdi a vontade,sua resenha esta otima, o tem tudo o que eu gosto, mas não me senti atraida para ler, não por enquanto
    http://marifriend.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir