sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Belgravia

Ambientada nos anos 1840, quando os altos escalões da sociedade londrina começam a conviver com a classe industrial emergente, e com um riquíssimo rol de personagens, a saga de Belgravia tem início na véspera da Batalha de Waterloo, em junho de 1815, no lendário baile oferecido em Bruxelas pela duquesa de Richmond em homenagem ao duque de Wellington.
Pouco antes de uma da manhã, os convidados são surpreendidos pela notícia de que Napoleão invadiu o país. O duque de Wellington precisa partir imediatamente com suas tropas. Muitos morrerão no campo de batalha ainda vestidos com os uniformes de gala.No baile estão James e Anne Trenchard, um casal que fez fortuna com o comércio. Sua bela filha, Sophia, encanta os olhos de Edmund Bellasis, o herdeiro de uma das famílias mais proeminentes da Bretanha. Um único acontecimento nessa noite afetará drasticamente a vida de todos os envolvidos. Passados vinte e cinco anos, quando as duas famílias estão instaladas no recente bairro de Belgravia, as consequências daquele terrível episódio ainda são marcantes, e ficarão cada vez mais enredadas na intrincada teia de fofocas e intrigas que fervilham no interior das mansões da Belgrave Square.
Título: Belgravia
Autor (a): Jullian Fellowers
Editora: Intrínseca
Número de páginas: 432
E eis que chegou a hora de resenhar Belgravia e eu me pego aqui, sentada em frente ao computador, simplesmente sem palavras. O que dizer dessa trama que, já nas primeiras páginas, me prendeu a cada palavra? Com uma trama inteligente, ele me conduziu por um cenário de beleza, luxo e intrigas sem igual. Já me adianto pedindo desculpas pois terei que ser sucinta ao contar um pouco sobre o livro e logo vocês irão descobrir o porquê.
Nossa história começa em 1815, e vamos conhecer a jovem Sophia, filha do casal Trenchard. Seu pai é um dos maiores fornecedores de alimentos para o duque e é conhecido como O Mágico. O sonho desse homem ambicioso é fazer parte da alta sociedade e, quando percebe o interesse mútuo entre sua filha e Edmund Bellasis, vê aí a porta de entrada para conseguir aquilo que tanto almeja. E é graças a essa ligação entre os dois jovens que os Trenchard são convidados para o o baile dos Richmond.
Apesar de todo o temor da guerra, o baile serviu como um alívio de tensão para todos os presentes até a chegada das más notícias. As tropas inimigas estavam rumando a Waterloo e ali aconteceria a tão temida batalha contra os soldados de Napoleão. Esse dia ficará marcado para sempre na vida de todos aqueles que participaram do baile, em especial para duas famílias.
Vinte e cinco anos se passam, mas até hoje as marcas dessa guerra ainda estão bem fortes na lembrança daqueles que participaram daquele baile, principalmente de Anne Trenchard, mãe de Sophia. Seu marido conseguiu, finalmente, a tão almejada ascensão e, apesar de não possuir nenhum título, é bem vindo na alta sociedade. Contudo, essa mulher não é feliz. Alguns fatos passados ainda a atormentam e ela esconde segredos que irão mexer com a vida de muitas pessoas quando forem revelados.
Não falarei mais do que isso pois a história é tão complexa que qualquer fato que eu possa contar  aqui pode se transformar em um spoiller e tirará toda a surpresa da descoberta. Narrado em terceira pessoa, Belgravia é um romance histórico diferente de todos aqueles que estamos acostumados a ler. Dividido em 11 capítulos, ele vai inserindo o leitor em um mundo de luxo e poder, sem aquela romantização que é padrão nos romances atuais. 
Os personagens são bem peculiares, cada um com uma personalidade distinta e marcante. Apesar do foco inicial ser no casal Sophia e Edmund, confesso que eles pouco me apeteceram. Ela por ser uma garota um tanto quanto mimada e deslumbrada, tal qual o pai. Ele, por faltar carisma. Não consegui criar uma conexão com ambos, muito embora tenha achado a história dos dois intrigante. Contudo, foram Anne Trenchard e Lady Brockenhurst (mãe de Edmund) que me arrebataram.
Apesar de serem extremamente diferentes, as duas mulheres possuem características que admiro muito: são fortes e decidas. Ambas foram, na minha opinião, as senhoras da história e protagonistas fantásticas. Anne é uma mulher muito pé no chão, que não se deixou levar pelo deslumbre do marido e que nunca abriu mão de suas convicções. Em alguns momentos cheguei a achá-la tola, mas com o passar das páginas fui percebendo o quanto era sábia. Já Lady Brockenhurst é uma mulher dura e, por muitas vezes, arrogante. Muito embora eu tenha tido várias ressalvas em relação a ela durante toda a leitura, tenho que tirar meu chapéu já que é uma das personagens mais fascinantes da história.
Belgravia mexeu comigo e, por ser uma história intensa, acabei desenvolvendo uma forma de leitura diferente das que utilizo nos demais livros. Cada capítulo era recheado de informações e comecei a me sentir "bombardeada". Eu fechava o livro pensando: "Nossa, preciso assimilar tudo isso." ou "Como assim isso foi acontecer? Não acredito!" e acabava ficando num misto de sentimentos. Decidi que leria um capítulo por dia e foi uma das decisões mais acertadas que tomei. Pude assimilar a história muito melhor e, como eu imaginava as cenas como numa série (culpa de quem? De Downtown Abbey, claro!), ficava ansiosa aguardando por mais.
Os amantes de um bom romance histórico não pode deixar de ler Belgravia. Leitura intensa e marcante, que mexe com os sentimentos e nos transporta a um mundo cheia de intrigas e segredos. Amei e recomendo muito!


9 comentários:

  1. gostei muito da ambientação da trama, gostei dos segredos e da forma como a história me prendeu
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oi Neyla!

    Eu não sou muito de ler romance histórico, parando pra pensar, mas fiquei curiosa só pela sua animação ao escrever essa resenha. Eu também já fiquei sem palavras para descrever algum livro que tenha mexido tanto comigo também... Mas enfim, o que me deixou com vontade de verdade de ler é a ânsia para conhecer Anne Trenchard e Lady Brockenhurst, essas tais duas mulheres tão fortes e arrebatadoras. Costumo gostar e me identificar muito com personagens assim. Mas confesso que também fiquei um tiquinho curiosa com o romance entre Sophia e Edmund. ;)

    Beijo!
    http://www.roendolivros.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oi Neyla, tudo bem?
    Olha eu tô até com medo de começar essa leitura...rsrs, porque eu estou lendo tantas resenhas boas que criei expectativas, então espero não me decepcionar pois Belgavria vai ser minha próxima leitura.
    Sou apaixonada por livros desse gênero e gostei de saber que ele é diferente dos romances atuais. Não sei porque mais me lembrou de A Indomável Sofia, não por ter uma trama parecida, mas de trazer um romance histórico diferente dos atuais.
    Ótima resenha.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Oi, Neyla!
    Já conferi algumas outras resenhas desse livro e realmente a história parece muito rica em detalhes e conteúdo, além das duas personagens que se sobressaíram de formas tão firmes e marcantes na leitura, como você citou. Ainda assim, por não ter o costume de ler muitos - quase nada, na verdade - romances históricos, acho que eu já absorveria a história com mais lentidão e quem sabe até certa confusão, alguns pontos políticos e históricos às vezes me deixam um pouco perdida em certos enredos, não sou muito a par de questões assim, mas parece ser uma leitura muito boa mesmo. Acatarei a dica, possivelmente, em um momento que sentir vontade de ler algo do tipo, valeu a dica!
    Beijos!

    ♥ Sâmmy ♥
    ♥ SammySacional ♥

    ResponderExcluir
  5. Olá,
    Ainda não tive a oportunidade de ler a obra, mas já vi críticas de todo o tipo por ai. Umas dizendo que adoraram e que o livro é maravilhoso. Outras dizendo que o segredo entre as famílias não é lá tudo isso e que esperavam mais.
    Claro que ninguém tem a mesma sensação quando lê alguma obra, pois somos indivíduos diferentes e, por isso, ainda assim quero muito me aventurar no livro e conferir a ambientação que parece ser maravilhosa. Fiquei ainda mais curiosa para conhecer as personagens pelo fato de você dizer que se sobressaem de forma marcante.

    http://leitoradescontrolada.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. OLá, Neyla! Belgravia parece ter conquistado mesmo muitos corações! Já o vi em muitos blogs e posso te dizer que a sua resenha é uma das melhores que já encontrei sobre ele. Percebo que a história é mesmo rica em seus desdobramentos e bem amarrada. Fiquei imaginando o "boom" de sentimentos que você disse que sentiu a cada capítulo.rs A questão da leitura ir além da romantização padronizada e das personagens fortes também me agradam muito e fico aqui cada vez mais interessada por esta leitura! Obrigada! <3
    Bjs,
    Yohana Sanfer
    http://www.papelpalavracoracao.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Olá Neyla!
    Eu já li comentários maravilhosos a respeito desse livro. Desde o lançamento que estou empolgada para lê-lo, mas ainda não tive a oportunidade. Fico feliz em saber que é um livro com uma narrativa envolvente e cheia de intrigas, porém com muita informação. Vou guardar sua dica para quando lê-lo e tentar ler um capítulo por dia também para aproveitar um pouco mais essa história.

    ResponderExcluir
  8. Parabéns por ter conseguido escrever a resenha do livro. Eu terminei a leitura ontem e ainda não sei como escrever a minha, hahaha. Eu amei muito a leitura, é bem diferente dos romances de época/históricos que eu estou acostumada a ler, então foi uma surpresa bem-vinda. A trama é bem complexa mesmo de explicar, nem sei como fazer isso...
    rsrs
    beijos
    www.apenasumvicio.com

    ResponderExcluir
  9. Olá! Que delícia saber que a história te conquistou logo nas primeiras páginas! Adoro livros com detalhes históricos, sobretudo quando envolvem histórias de guerra. Também gosto muito quando o autor elabora bem os personagens, os constrói de forma peculiar e com personalidade única. Amo leituras intensas e esse livro entrará na minha lista de leitura.
    Valeu a dica!

    Beijos!
    Karla Samira

    http://pacoteliterario.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir