terça-feira, 4 de outubro de 2016

A Senhora do Império


Em Kelewan, Mara, a Senhora dos Acoma, sente-se segura e em paz pela primeira vez na vida – até que seus inimigos tentam matá-la e acabam tirando a vida de seu filho. Abalada pela tragédia e cercada por espiões, assassinos e casas rivais, ela enfrentará o maior desafio de sua vida e sofrerá ainda mais perdas durante esse trajeto. Em busca de justiça, ela verá seus planos frustrados pela Assembleia de Magos, que detém o poder real do Império e mantém a população dócil e domesticada, e também pelos terríveis Mantos Negros, que encaram Mara como a ameaça suprema ao seu poder ancestral. Então, para assegurar a paz, Mara deverá viajar para além das fronteiras da civilização, desvendando antigos segredos até os portões de Chakaha, a cidade dos estranhos cho-ja. Reunindo toda a sua coragem e astúcia, a Serva do Império iniciará sua maior batalha em nome da sua vida e do seu lar.
Título: A Senhora do Império
Série: A Saga do Império - Volume 3
Autora: Raymond E. Feist & Janny Wurts
Editora: Arqueiro
Número de Páginas: 752

SKOOB COMPARE & COMPRE - LOJA RECOMENDADA

Chegamos enfim até A Senhora do Império, a conclusão da trilogia A Saga do Império, um elaborado jogo de intrigas e poder criado pelas mentes afiadas de Raymond E. Feist e Janny Wurts. 
Após frustar os planos de seus inimigos, ajudar o Imperador a ter poderes plenos e ascender ao título de Serva do Império, Mara, Senhora dos Acoma, desfruta da estabilidade e calmaria tão sonhada. Porém, a paz que a cerca não será duradoura; uma tentativa falha de assassiná-la acaba por dar fim a vida de seu primogênito, Ayaki. O evento serve de estopim para o fim da paz velada entre os Acoma e os Anasati e marca o início de um conflito travado de forma fria: a misteriosa Assembleia, os magos que se julgam acima das leis e controlam o desenvolvimento do império, proíbem que os clãs Hamada e Ionani se envolvam em confrontos diretos. Para encontrar a justiça pela morte de seu filho Mara precisará usar seus recursos para fazer a jogada mais ousada de sua vida.
Se em A Filha do Império acompanhamos a transformação de uma jovem ingenua em uma governante forte e que impõe respeito, e em A Serva do Império acompanhamos a evolução de Mara não só como governante, mas sua descoberta como mulher plena, aqui vemos que seu desenvolvimento continua firme. Mais uma vez as preocupações da Boa Serva vão além das traições, tentativas de assassinatos, disputas por importância dentro do Império, ou da simples vingança. Como Serva do Império, a cada dia, Mara usa sua influência para levar ao imperador (e ao império) um pouco de seus ideias sobre igualdade, respeito entre as pessoas de diferentes classes e a quebra de tradições. Mas é claro, isso atrai inimizades que buscam manter o controle e impedir o progresso; Mara terá que ir lám das fronteiras para formar parceiras e lidar com as consequências de suas escolhas, pois  talvez o bem de todo o império esteja ligado a isso.
Durante A Saga do Mago (Aprendiz, Mestre, Espinho de Prata e As Trevas de Sethanon) Raimond E. Feist já havia mostrado sua capacidade para construir um universo rico e complexo, com espaço para diversas histórias. Contudo, em sua parceria com Janny Wurts, encontrei um trabalho surpreendente tanto no quesito detalhamento na criação de um universo coeso quanto na qualidade do material produzido. A Saga do Império (A Filha do Império, A Serva do Império e A Senhora do Império) me surpreendeu e fez com que me apaixonasse por toda aquela história construída ali, principalmente pela força e sagacidade de Mara dos Acoma, mas sem esquecer daqueles tantos personagens que a cercam.
A dupla de autores consegue construir uma narrativa segura e agradável, em até certo ponto ágil, mesmo quando detalhamento é requerido. Mesmo assim não se engane achando que essa será uma leitura rápida, pois há muito conteúdo em suas mais de setecentas páginas e qualquer informação pode ser crucial para o seu entendimento. Feist e Wurts trabalham muito bem o enredo de intrigas políticas e estratégias, sem esquecer de dar enfase aos personagens e sem perder o ritmo, seduzindo e cativando o leitor. Os personagens são bem trabalhados, e mostram personalidade e riqueza mesmo quando sua aparição é rápida. O destaque maior - novamente - é de Mara, que mais uma vez se mostra uma protagonista realmente forte, mas dessa vez há outros personagens que ganharam muito mais espaço na trama. Hokanu, esposo de Mara e Herdeiro dos Shinzawai, e Arakasi, Líder dos Espiões dos Acoma, desempenham papeis fundamentais na narrativa, bem como os antagonistas Jiro dos Anasati e seu maquiavélico Conselheiro-Mor, e os Magos da Assembleia.
Como dito em resenhas anteriores: apesar de se passar no mesmo universo de histórias da Saga do Mago e seus eventos possuírem entrelaçamentos, A Saga do Império é totalmente independente podendo ser lido antes ou depois. Quem já leu os volumes da série anterior certamente se sentirá mais familiaridade com o cenário de Kelewan e irá identificar alguns personagens e acontecimentos, mas o leitor de primeira viagem será apresentado a um cenário rico e repleto de similaridade com as culturas orientais do nosso mundo. No forte senso de honra, tradições e família, no patriarcado rigoroso, na organização política do Império, nas construções e cultura, a cada momento isso fica mais evidente e próximo, apesar de ao mesmo tempo passar uma impressão de estranheza com a presença do fantástico e do original.
Feist e Wurts finalizam a saga com a mesma qualidade a qual inciaram: mantendo uma trama inteligente, fascinante e com personagens fortes. Os amantes da boa literatura, e principalmente os de fantasia de qualidade, precisam incluir esta série em suas listas de leitura, pois a Saga do Império é uma das coisas mais bacanas a qual terá o prazer de ler. Agradeço a Editora Arqueiro por ter mantido o compromisso de finalizar o trabalho da Saída de Emergência!

14 comentários:

  1. Oie

    Acredita que eu não conhecia?
    Gostei muito da premissa e já vou colocar na minha lista essa dica de leitura. Acho tão bom quando chegamos ao final de uma Saga satisfeitos, que não perdeu a qualidade e nem o rumo das coisas.
    Gostei também que mesmo nas partes mais detalhadas não foi cansativo.
    Parabéns pela ótima resenha!

    Fernanda
    http://pacoteliterario.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oi Ace, tenho uma curiosidade tremendo com estes livro, tanto A Saga do Mago quanto A Senhora do imperio, mas meu maior receio era a questão do detalhamento, como leitora de aventura e fantasia já me deparei com diversos livros que pecam nesse quesito, mas esse não parece ser o casa já que vocÊ disse que meso quando esse recurso é necessário o livro não deixa de ser ágil. Não sabia que ambas as séries passavam no mesmo universo, vou colocar na pilha de próximas leituras

    ResponderExcluir
  3. Olá!
    Quando um autor, no caso, autores, consegue uma narrativa ágil mesmo em momentos de detalhamento da história, com certeza desperta minha atenção. Adoro fantasia e o livro tem todos os elementos para me agradar. Com certeza entrou para minha listinha de desejados.
    Ótima resenha.
    Beijos.

    Li
    Literalizando Sonhos

    ResponderExcluir
  4. Oi Ace, tudo bem?
    Eu não sabia que a saga do Império se passa no mesmo cenário da saga do Mago, eu já tinha adicionado a saga do Mago a minha lista agora preciso adicionar a do Império. O universo construído pelos autores nas duas sagas parece ser muito bem elaborado e ter um enredo que instiga. E mesmo em meio a informações mais densas parece ser uma leitura gostosa de se fazer para quem gosta de literatura fantástica. Já adicionei as minhas futuras leituras, obrigada pela dica!
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Oi, tudo bem? Eu não conhecia nenhuma das sagas que você citou. Parece mesmo uma obra muito rica em detalhes, o que me preocupa um pouco haha. Detalhes são ótimos, mas comigo a linha entre descrição e encher o saco é muito tenue. Fico apreensiva quando vejo alguém dizer que determinado autor é muito descritivo e detalhista, quando pesam a mão costuma me incomodar. Mesmo você dizendo que a narrativa é agil, me dá um medinho, afinal de conta são mais de 700 páginas. Gostei muito da sua resenha, beijos!

    ourbravenewblog.weebly.com

    ResponderExcluir
  6. Oi Ace!

    Não sabia que A Saga do Império fazia parte da série O Mago, achei bem curioso e confesso que agora me bateu uma curiosidade de ler, mas não sei se você lembra o quanto foi complicado para mim ler O Mago, acho que foi a fantasia mais densa que li e me envolvi pouco, no entanto, eu gostei da sua analise e agora já estou em dúvida se tento dar uma chance novamente, gosto de fantasia, mas como Mago não rolou, ainda bate aquela incerteza.

    Bem, dar um nova chance não mata né? Mas por exemplo, mesmo sendo com eventos interligados, posso ler a Saga do Império, sem concluir a saga Mago?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dê uma chance sim, a Saga do Império é melhor de modo geral. Você pode sim concluir a leitura dessa saga sem ter lido a outra; tudo que você vai precisar saber a Saga do Império vai te fornecer. Mas se tiver lido as duas sagas você tem um entendimento maior de tudo, afinal os pontos de vista se ampliam.

      Excluir
  7. Oi Ace, tudo bem?
    Apesar de ter ótimas recomendações desse autor, ainda não vou ler essa trilogia Império. Eu adoro tramas que envolvam esse jogo de intrigas, de poder e complexidade, mas estou com muitas leituras aqui e não quero começar séries por agora. Então vou deixar por ano que vem, mas é bom saber que o terceiro volume foi ótimo e mesmo sendo independente eu gosto de seguir certinho.
    Dica anotada.
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Mesmo essa saga sendo independente eu quero muito ler a outra. Adoro fantasia, e só leio resenhas positivas sobre a série. E como eu nunca li nada desse autor, está aí a chance, né? Adoro histórias com intrigas, e a ambientação em si me chama a atenção. Ansiosa para conferir!
    beijos
    www.apenasumvicio.com

    ResponderExcluir
  9. Oi Ace, tudo bom?
    Mais uma vez uma ótima resenha. Por ser uma série passado num universo já criado e já explorado em outra saga, os autores se aprofundam na ambientação novamente ou não?
    Gosto muito de fantasia e já faz algum tempo que não leio uma história desse tipo e dessa maestria. Fiquei bem curiosa e gostaria muito de ler, as duas series alias.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Elas compartilham o mesmo universo de modo geral, mas são mundos diferentes, por isso há sim um aprofundamento também aqui: Mago se passa em Midkemia e a Saga do Império em Kelewan.

      Excluir
  10. Olá,
    Ainda não li nenhuma obra dos autores! Mas fiquei extremamente curiosa para conferir toda essa sagacidade de Mara no decorrer da série e como ela irá lidar com a perda de seu primogênito nesse volume.
    Adorei o fato de Mara ser uma personagem forte e que o autor apresenta com maestria o desfecho da série mantendo a trama inteligente.

    http://leitoradescontrolada.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Olá!
    Gente, onde eu estava que não conhecia essa série/saga?
    Parece ser muito bom e diferente, fiquei boiando na resenha pois nem sei da outra série do Mago, mas assim que tiver oportunidade irei conferir!

    Beijos

    ResponderExcluir
  12. Olá!
    Eu confesso que não conhecia essa série, mas pelo que li da sua resenha a história é cheia de aventura, guerras e intrigas. Gostei de saber que Mara cresceu como mulher e governante.
    Adorei a sua resenha e vou procurar saber mais sobre os outros livros.
    Beijinhos!

    ResponderExcluir