terça-feira, 29 de novembro de 2016

Caçadora de Estrelas

Após flagrar o seu atual namorado com outro cara - não, você não leu errado - e constatar que o safado tinha um gosto para homens até melhor do que o seu, Eva se arrepende por ter abandonado a família, o gato, o emprego, os amigos e até e o país para segui-lo e decide que é hora de voltar para a casa, com o rabo entre as pernas, um mau humor feroz e sem um tostão no bolso. Mas ao contrário do que imaginou não é recebida com faixas e balões, muito menos com boas-vindas e sim com mais e mais azar - como se não bastasse todas as vezes em que foi traída, abandonada pelo circo ou roubada por alguma estrela errada -, seu irmão acabou com seu carro novo, seu pai se casou, ela ganhou duas quase irmãs indesejadas, seu melhor amigo roubou seu gato e ainda de quebra arrumou uma namorada.
Embora a vida em casa não esteja como deixou, Eva é obrigada a seguir em frente e lidar com a situação como uma mulher adulta. O que em seu dicionário quer dizer se embebedar, distribuir socos e grosserias a quem quer que esteja ao seu alcance e recuperar seu gato - a qualquer custo -, nem que para isso precise roubá-lo de volta.
O que desconhece é que o destino iria lhe preparar uma surpresa, lhe oferecendo algo que não poderia ter, um amor proibido. Será ela corajosa o suficiente para lidar com mais um coração partido, mesmo que seja pela estrela mais brilhante do céu?
Título: Caçadora de Estrelas
Autor (a): Raíza Varela
Editora: Amazon
Número de páginas: 322


E para fechar com chave de ouro a Semana Caçadora de Estrelas, nada mais justo do que falarmos sobre esse livro que me enganou direitinho. Não sei se já comentei aqui, mas eu tenho o péssimo hábito de não ler as sinopses da grande maioria dos livros, ainda mais quando é de algum (a) autor (a) que eu gosto muito. E foi o caso desse livro. Já conhecia a Raiza e comecei a ler no escuro, sem saber bem o que iria encontrar. Também não levei em consideração o alerta da autora de que esse era um livro triste. Resultado: tomei um baita choque, fiquei sem chão e terminei a leitura com o coração colado com super bonder.
Eva Marinho não tem sorte no amor e boa parte disso se deve ao fato dela ter o dedo podre pra escolher homem. Todas as vezes em que esta mocinha se apaixonou, acabou dando com os burros d'água. O mais recente foi o pior: ela foi embora atrás do cara para Londres, largou a família, o melhor amigo, o emprego e o gato pra trás, sem nem ao menos se despedir, e foi viver ao lado do amor de sua vida. Alguns meses depois ela acabou flagrando o bonitão com um outro cara (ainda mais bonito) na cama e agora está de malas prontas para voltar para casa. Ela sabia que teria que enfrentar o pai, o irmão, a melhor amiga Olivia e Gabriel, seu melhor amigo. Mas não imaginava que quando chegasse iria encontrar tanta coisa diferente.
No tempo em que esteve fora, seu pai casou-se novamente sem nem ao menos lhe dar o trabalho de aviar (e ela ainda ganhou duas "irmãs"), o irmão bateu seu carro novinho (e foi perda total), o gato foi "sequestrado" pelo seu melhor amigo e, pra fechar com chave de ouro, Gabriel está namorando com a filha de sua madrasta, Alice. Como se não bastasse, a criatura é detestável e, óbvio, não suporta Eva. Tudo que ela mais desejava era voltar para casa, para sua vida de antes, mas agora terá que aprender a conviver com todas essas mudanças.
Eva é o tipo de pessoa que acredita no amor, que já teve o coração partido e remendado diversas vezes, mas que sempre sonhou em encontrar a sua estrela. O problema é que ela não pensa na hora de se envolver, ela simplesmente vai e se entrega com força em um sentimento que, na maioria das vezes, não passou de um fogo de palha. E quem é que está sempre lá, pronto pra catar todos os caquinhos quando ela se quebra? Gabriel, claro. 
Gabriel sempre foi o porto seguro de Eva, aquele que estava ali em todas as horas, que secou suas lágrimas, que a defendeu e fez tudo que estava a seu alcance para fazê-la feliz. Ele a ama desde que eram crianças e esse sentimento não mudou depois que cresceram. Contudo, como Eva nunca demonstrou sentir nada mais que amizade, ele se conformou em ser sempre o melhor amigo e desejar que ela seja feliz, mesmo que não seja ao seu lado. Os dois possuem uma ligação muito forte e, apesar de ser uma baita duma egoísta, Eva ama Gabriel com todas as suas forças. O que ela não imaginava era que descobriria, no seu melhor amigo, o grande amor de sua vida. 
Eu jurava que encontraria um chick-lit, gente! Comecei a leitura dando sonoras gargalhadas, do tipo que é ouvida por toda a vizinhança. Mas terminei o livro com os olhos molhados de lágrimas e com uma coisa aqui no peito que, até agora, não consegui descobrir o que é. O fato é que esse livro vai muito além de um mero romance clichê. Ele traz sim uma história divertida, com cenas que são hilárias e que me fizeram rir como uma hiena bêbada. Porém, ele também tem uma parte tocante, que nos mostra o verdadeiro valor do amor e do perdão, que me fizeram ficar chorona e reflexiva (e só de me lembrar meus olhos já se enchem de lágrimas).
É impossível não se envolver com essa história, ainda mais com um protagonista como Gabriel. Ele é encantador e seu jeito protetor só o torna ainda mais apaixonante. A cada nova página, a cada nova descoberta, eu me derretia ainda mais por ele e me perguntava como Eva poderia ser tão cega de não ter notado o cara maravilhoso que sempre esteve ao seu lado pra tudo! E a resposta é que ela era egocêntrica demais pra poder notar. 
E agora preciso confessar: não gostei de Eva logo de início. Achei chata, mimada, cheia de vontades, egoísta, sem limites, mal educada, mal agradecida, uma pessoa realmente difícil de lidar. Logo quando comecei a ler achei-a engraçada, mas com o passar comecei a me cansar daquele jeito. Eva era imatura, não conseguia lidar com nada e era tida como frágil por todos. Por mais que a achasse divertida, percebia que ela não era o tipo de pessoa que eu suportaria ter como amiga por conta do jeito de agir. Cheguei até a pensar: "Dessa vez Raíza errou a mão feio, que menina mais sem noção.". Mas com o passar das páginas, pude perceber o quanto ela foi amadurecendo e aprendendo a lidar com as coisas que aconteciam ao seu redor. Foi maravilhoso perceber essa mudança e acompanhar seu crescimento. Acabei me apegando muito a ela no final das contas.
A história é muito bonita, com uma dose de diversão e outra de melancolia. Fui lendo devagar pra poder digerir tudo que estava acontecendo. Chorei em diversas partes, me coloquei no lugar de Eva muitas vezes e fiquei pensando se eu seria forte o suficiente como ela pra superar cada provação que foi colocada em seu caminho. Foi um livro que me fez refletir sobre inúmeras coisas, principalmente sobre o valor do amor e da amizade. 
Os capítulos são narrados em primeira pessoa, intercalados entre os personagens, o que nos permite perceber várias nuances da história por pontos de vista diferentes. Sou fã desse tipo de narrativa por achar enriquecedor conhecer a trama por meio dos outros personagens e não ficar preso apenas a um só narrador.
Caçadora de Estrelas faz jus ao burburinho que está todo em cima dele. É uma história de enternecer o coração, que mexe com os sentimentos, e que me levou do riso às lágrimas e deixou aquele misto de alegria, tristeza e raiva. Foi uma leitura incrível, que superou as minhas expectativas e que, mais uma vez, mostrou o porque gosto tanto da escrita da Raíza. Além da fluidez e agilidade, já batida e rebatida em tantas resenhas pela blogosfera literária, ela consegue inserir o leitor na história, fazendo com que ele se sinta parte daquilo tudo, como uma espécie de amigo de cada personagem. Eu senti cada uma das dores de Eva como se fossem minhas, eu chorei por ela e com ela, e senti como se aquela história também fosse um pouco minha.
Os corações apaixonados e as românticas de plantão com certeza irão gostar dessa história que tem tudo que um bom romance precisa ter. Recomendo.


4 comentários:

  1. Que resenha linda e bem escrita! Amei, muito obrigada Neyla <3

    ResponderExcluir
  2. Que linda sua resenha.. Tô muito curiosa para ler Caçadora!! Prevejo lágrimas.. Beijossss, Neyla!!

    Jocasta - www.curtaleitura.com.br

    ResponderExcluir
  3. adorei a resenha!! primeira pessoa que eu conheço que não lê sinopses haha a capa do livro é linda, já está na minha lista, gosto de drama bygugel.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Oi, Neyla! olha quem voltou, euzinha!
    Estava acompanhando a semana Caçadora de Estrelas e não iria deixar o último e mais esperado post sem comentário: gente, que. resenha.
    Menina, confesso que estava super empolgada com o começo de seu texto, feliz por ler o melhor amigo apaixonado e protetor. No entanto, quando vc começou a falar da personalidade da Eva, fiquei com o pé atrás.
    Eu já sabia que seria um livro triste por conta daquela trilha sonora destruidora que você mostrou. Então sei lá quando meu psicológico estará bom para me aventurar nas páginas dessa obra.
    Lerei, com certeza, porque confio no nosso gosto para romances.
    Quero muito conhecer a escrita da autora, por isso, já garanti o meu O garoto de olhos azuis. Quem sabe algo menos doloroso primeiro seja melhor, não é mesmo?

    Adorei a resenha, Ney!
    Beijos, Iza
    http://livrosontemhojeesempre.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir