terça-feira, 8 de novembro de 2016

Doutor Estranho





Doutor Estranho acompanha a história do neurocirurgião Doutor Stephen Strange que, após um terrível acidente de carro, perde a habilidade com as mãos, algo fundamental para seu trabalho. Desesperado para voltar a ser um médico de prestígio, Stephen vai ao Himalaia em busca de cura e lá se torna aprendiz de um mestre, descobrindo um mundo escondido de magia e dimensões alternativas.




Título: Doutor Estranho
Título Original: Doctor Strange 
Lançamento/Duração: 2016 - 1h 55 min
Gênero: Aventura/Ação/Fantasia
Direção: Scott Derrickson
Roteiro: Jon Spaihts e Scott Derrickson


O Mago Supremo do Universo Marvel, o Doutor Stephen Strange, finalmente deu as caras. Um personagem desconhecido para muitos, com boas participações nas principais equipes da editora, uma animação até bacana lançada em 2007, mas ainda sem muita expressividade e alcance. Conseguiria a Marvel Studios introduzir bem um personagem como esse e retrabalhar o conceito de magia no Universo Cinematográfico Marvel? Bem... Essa é uma pergunta meio cretina, já que eles tem conseguido fazer isso muito bem até agora, e com o Doutor Estranho não seria diferente.
Pois é! Tal qual acontecido com Guardiões da Galáxia e Homem Formiga, a Marvel apostou em um personagem com pouco ou nenhum apelo para o público não consumidor de quadrinhos e provou que, além de possuir um público fidelizado a partir de suas obras anteriores, consegue fazer filmes divertidos com qualquer um de seus personagens...
No filme conhecemos Stephen Strange, um famoso Neurocirurgião de talento só comparável a sua grande arrogância. É essa prepotência que leva Strange a um terrível acidente de carro onde perde a habilidade com as mãos, algo fundamental para seu trabalho. Desesperado para voltar a ser um médico de prestígio, Stephen gasta o que tem e o que não tem para conseguir um tratamento que o traga de volta a sua vida, e aquilo que acredita ser seu grande talento. Isso irá levá-lo ao Himalaia em busca de cura e lá se tornar aprendiz de um Mestre Supremo, descobrindo um mundo escondido de magia e dimensões alternativas por trás de tudo que acreditava ser real.
O enredo do longa, não é muito diferente da animação já citada, mas a forma como o foi trabalhada pela Marvel Studios o torna mais acessível aos diferentes públicos da audiência. Apesar de trabalhar com conceitos profundos e um "fundo sombrio", Doutor Estranho na verdade se mostra muito mais leve do que os trailer indicavam ser. E isso é bom. Os detalhes do enredo vão até onde precisam e não forçam além do entendimento do público, isso vale para a trama quanto para os personagens.
O drama de Stephen Strange, sua jornada de autoconhecimento e evolução são visíveis, tangíveis e criveis, tornando o personagem interessante e cativante (o carisma e a atuação de Cumberbatch fecham essa soma com chave de ouro). O núcleo de apoio do herói tem bastante destaque, principalmente Mordo e a Anciã, e vão além de servir de escada e reforço em combate. Já o vilão acaba sofrendo do mesmo mal que aflige todos os outros dos filmes da Casa das Ideias, ficando de lado em função dos eventos ao redor do protagonista (e também pela decorrência de um mal maior inserido na trama).
Apesar de estar atrelado ao Universo Cinematográfico Marvel, Dr. Estranho não se prende a amarras - e mesmo com as citações, referências e conexões - consegue se sustentar sem auxílio de moletas. O filme funciona muito bem sozinho e isso é extremamente positivo, não só para a obra, mas para os próximos filmes da Marvel Studios!
A parte estética do filme é toda muito bem trabalhada, da fotografia aos efeitos visuais, e acompanham bem toda a loucura que envolve o conceito de magia e múltiplos universos apresentado no filme. Apesar da maioria dos efeitos não serem novidade - como a dobra dos prédios, que muito lembra o filme A Origem - a forma como são alocados complementam e dão sentido a trama. O mesmo pode ser dito da parte sonora, que se reforça mais nas Trilhas Originais e não se apoia em músicas famosas, embora existam em sua trilha.
A atuações estão TODAS muito bem, e dificilmente fugiria disso com os nomes que possui no elenco, talvez o melhor reunido até agora em um filme da Marvel Studios. O elenco entrou totalmente no clima do filme e a sinergia entre eles fica visível no resultado final da obra. A interação entre os personagens é natural, fluida, sem forçação de barra.
E por falar nele, o filme surpreende ao não focar apenas em feitiços e utilizar toda a parte absorvida da cultura oriental para introduzir muito de físico e coreografias marciais. O resultado disso é facilmente refletido no público das sessões, seja nas partes de humor ou nos embates empolgantes.
Doutor Estranho é com certeza absoluta um dos mais divertidos do ano, dosando perfeitamente ação, drama, comédia e aventura sem quebrar ritmo, cada qual seu devido momento. O filme entrega para o espectador uma experiência extremamente positiva de entretenimento, independente, capaz de agradar pessoas dos mais variados gostos, estejam elas por dentro do Universo Cinematográfico Marvel ou não. É diversão descompromissada e garantida, como obra é melhor que Guerra Civil (mas não é mais massaveio) e com certeza vale a pena conferir e desbravar com Stephen Strange o multiverso.



Um comentário:

  1. Ace, adorei a resenha do filme! Estou super ansiosa para poder assisti-lo. Confesso que não tinha ideia do que esperar e depois do seu post, vou para o cinema com uma base já.
    Todo esse elenco está maravilhoso: eu adoro essa atriz, gzuz. E o Cuberbatch já é o chuchu mais querido depois de Sherlock.

    Beijos, Iza
    http://livrosontemhojeesempre.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir