quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

Muito Amor, Por Favor


Este livro reúne textos que mostram o amor do ponto de vista de quatro jovens que escrevem sobre relacionamentos legítimos e atuais, que souberam se reinventar. Sem medo de expressar seus sentimentos, deixam para trás estereótipos já obsoletos – como o controlador machista ou o piegas choroso – e falam sobre viver a dois e sobre a natureza das relações em todos os seus aspectos. Assim, cada autor reflete sobre o amor representado por um elemento: Arthur Aguiar escreve que “O amor é água”, dizendo que ele é fluido, mas por vezes gelado; ora tempestade, ora profundo. Fred Elboni explica que “O amor é ar”, mostrando a leveza de se amar sem sofrer, da brisa que envolve os apaixonados, mas que por vezes torna-se furacão. Ique Carvalho se debruça sobre quando “O amor é fogo”, que arde, aquece a alma, mas que também pode incendiar até doer. E Matheus Rocha conta que “O amor é terra”, estável, tranquilo, mas que não escapa dos terremotos da vida, que tiram tudo do lugar para que a rotina não o extermine. Um livro apaixonante, para quem ama e para quem quer amar um dia... e sempre.
Título: Muito Amor, Por Favor
Autor (a): Arthur Aguiar, Frederico Elboni, Ique Carvalho, Matheus Rocha
Editora: Arqueiro
Número de páginas: 240


Em Muito Amor, Por Favor, a Editora Arqueiro reuniu quatro homens para falar de amor de um jeito que não estamos muito acostumados a ver. Quando um homem escreve sobre o amor de forma tocante, geralmente viraliza e ganha uma legião de fãs apaixonados. Confesso que me encanto por homens que falam de amor de uma forma tão bela, principalmente por vivermos em um tempo em que não há tempo para amar. Nos últimos anos alguns autores foram surgindo justamente depois de terem viralizado. 
Aconteceu inicialmente com o Ique Carvalho que se tornou viral após escrever uns textos quando terminou um longo relacionamento e descobriu uma doença grave do seu pai em 2013. Foi quando ele começou a escrever sobre amor, sobre a vida e sobre o seu pai. A primeira parte do livro é justamente escrita por ele, em O Amor é Fogo. Conforme escrito na sinopse, o amor pode queimar como fogo ou aguardar o seu momento como a brasa. As crônicas e os contos são muito bem escritos e tem uma escrita bem madura. Provavelmente por ele ser o autor mais velho dos quatro e, consequentemente, já deve ter passado por muitas coisas na vida. Muitos textos eram explosivos, sobre o sentir no calor da coisa, quando você olha para pessoa e se atrai só no olhar. E sobre se arriscar no amor, pois o tempo passa e não é por causa de uma decepção que precisamos deixar de amar.
Em O Amor é Terra é a vez de Matheus Rocha expressar o amor. Matheus é baiano como eu, e eu já conhecia sua página no Facebook antes do seu primeiro livro ser publicado - No Meio do Caminho Tinha um Amor - a Neologismo. Assim como o conto anterior, há uma mistura de contos e crônicas, que falam do amor seguro e firme. Mas sobre aquele que mesmo estando firmado, um abalo sísmico tira tudo do lugar. Percebi que ele escreve de um jeito simples e real, exatamente sobre aquilo que acontece no dia a dia. Assim como o autor anterior, algumas das suas experiências amorosas inspiraram a sua escrita, e curti muito perceber que mesmo sendo tão novo, fala de amor com muita propriedade.
O Arthur Aguiar era a surpresa para mim aqui, em O Amor é Água ele escreveu um pouco sobre o amor que fere, e o amor que aquece. Percebi que diferente dos dois autores anteriores, ele não escreveu tanto sobre sua vida. Justamente por ele ser uma pessoa pública há tantos anos, a gente acaba conhecendo bastante a vida dos famosos. Ele escreve bem, e me surpreendi por isso, mas não gostei tanto como gostei dos outros. Acho que parecia um pouco montado, como se fosse um enredo de novela. Como complemento aos contos e crônicas, há uns poemas similares a letras de músicas e eu gostei disso. 
Por fim, o último é o Frederico Elboni. Em O Amor é Ar, ele fala sobre a leveza do amor e de quem ama. Ainda que o vento possa se tornar um vendaval, quando volta ao normal ele continua leve, e te faz flutuar. O Frederico é, além de escritor, roteirista de programas globais e já possui outras obras publicadas. Dos outros autores é o que mais é conhecido nacionalmente pelo que escreve e são textos muitos bons. Realmente seus textos inspiram a calma no amor e na alma. Uma das melhores partes ficaram para o final. Gostei bastante dos dois primeiros, mas este me deu mais paz. 
A editora com certeza acertou em juntar os quatro autores para falar de singularidades e particularidades do amor. São contos e crônicas na visão daqueles que, muitas vezes, não falam o que sentem e nem fazem a mínima questão de demonstrar. É bem legal perceber que os homens sentem tão intensamente quanto nós. E quando piramos por um sentimento louco e arrebatador, eles também piram, e talvez até um pouquinho mais. Não tenho como não falar do trabalho gráfico. O livro é um pouco menor e a capa é aveludada. Internamente as cores e desenhos dão uma cara maravilhosa ao livro. Para as pessoas que gostam de livros de não-ficção, e que gostam de bons textos, este é um livro muito mais que recomendado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário