terça-feira, 4 de abril de 2017

Crônicas da Tormenta Vol. 2




Prepare-se para uma jornada a Arton, o mundo de Tormenta, o maior universo de fantasia brasileiro.
Nascido nas páginas da revista Dragão Brasil, Tormenta é hoje lar de séries em quadrinhos, livros de RPG, romances e games. Neste volume, dezesseis autores, incluindo quatro dos criadores do cenário, irão conduzi-lo por histórias de vingança e aprendizado, ódio e amor, deuses e vilões, heróis e monstros. Acompanhe-os e descubra que, em Arton, nem mesmo a imaginação é o limite.


Título: Crônicas da Tormenta - Volume 2
Autores: Ana Cristina Rodrigues, Bruno Schlatter, Davide Di Benedetto, Douglas “Mago D’Zilla” Reis, Guilherme Dei Svaldi, Igor André Pereira dos Santos, José Roberto Vieira, Karen Soarele, Leonel Caldela, Leonel Domingos, Lucas Silva Borne, Marcelo Cassaro, Marlon Teske, Remo di Sconzi, Rogerio Saladino, Vagner Abreu
Editora: Jâmbo
Páginas:  336



Tormenta é  muito mais que um cenário de RPG. Para ser bem sincero: Tormenta é o cenário de fantasia mais amado do Brasil. São mais de 15 anos de história entre quadrinhos, jogos e literatura em um universo muito além do RPG. Se você nunca ouviu sobre nada disso basta ir ao Multiverso X, onde estamos chegamos a dedicar um mês inteiro para falar sobre a história do cenário e resenhar alguns produtos. Agora se você quer conhecer esse universo mais a fundo, mas não se sente a vontade para encarar uma série de postagens, diferentes séries em quadrinhos ou mesmo uma trilogia de livros, talvez eu tenha o livro ideal para você entrar no clima que permeia o mundo de Arton.
O livro apresenta as várias faces do mundo Arton com contos que tratam de aventura, guerra, tragédia, magia, amor e traição. Somos agraciados com a chance de conhecer diversos tons de um mundo ao lado de paladinos, noviças, guerreiros, ladrões e até mesmo uma pedra. O que foi dito no volume anterior dessa antologia cabe perfeitamente para essa sequência: Nestas páginas há pequenas tragédias e vitórias, ao lado de grandes caçadas a monstros e guerras que mudam o destino do mundo. Seus protagonistas são crianças e deuses, guerreiros e artistas. Seus cenários são os salões da nobreza, as tavernas imundas, os campos de batalha sanguinolentos, as estradas empoeiradas, os mares bravios.
Por se tratar de um livro de contos contos e não um romance, Crônicas da Tormenta tem a vantagem de se poder ler os capítulos sem se preocupar com a continuidade ou mesmo lê-los em ordem, não há uma seqüência de eventos que te obrigue a ler os arquivos anteriores. Em contraponto a maior desvantagem - se é que podemos chamar dessa forma - seja despertar nos leitores aquela vontade de saber mais sobre aquelas histórias e personagens, ansiar por uma continuação ou mesmo um desenvolvimento posterior no espaço de um romance completo.
Pelo mesmíssimo motivo fica difícil comentar conto a conto sem tornar a postagem longa, mas não deixarei de falar sobre aqueles que me chamaram a atenção. A média dos contos se mantem em um bom nível de qualidade. Não tem nenhum deles que eu possa apontar como fraco, apenas uns me permitiram uma imersão maior e me conquistaram mais do que outros.
  • O conto que mais me divertiu e me deixou alegre: A nova armadura de Katabrok, de Rogerio Saladino. Um conto com muito humor e aventura, bem inscrito, com personagens e tiradas engraçadas.
  • O conto que mais gostei, e que me fez pensar: como um conto sobre uma pedra pode ser tão bacana? - O coração de Arton, de Lucas Silva Borne. Além de muito bem escrito e intrigante, a construção entorno do protagonista é muito bem feita. Quero mais textos do Borne!
  • Os contos em que me senti mais imerso e curioso, que me ganharam por detalhes e pequenas facetas do mundo de Arton: Encontros & desencontros, de Leonel Domingos da Costa, Anábase, de Davide Di Benedetto, e Jogo de damas, de Remo Di Sconzi. Cada um deles mostrou como a fantasia pode ser trabalhada com outros elementos que não somente os básicos e clichês.
  • Não posso deixar de destacar também as republicações dos contos Martelo pendente e A maior ambição, de Marcelo Cassaro, e A Companhia Rubra, de Leonel Caldela. Além de se tornarem mais acessíveis aos que não acompanham as publicações de RPG, ficaram mais fáceis de ler que em sua publicações anteriores - divididos em partes nas aberturas de capítulos - nessa reedição.
Os que já conhecem o cenário encontrarão locais e personagens que já conhecem - seja através dos contos reeditados e republicados na antologia ou por meio dos contos inéditos - e terão a chance de descobrir outras facetas deste mundo fascinante. Os recém-chegados irão se deparar com uma terra repleta de magia e maravilhas, mas que também apresenta diversas questões que precisam de solução e irão entender o que torna Arton tão interessante.
Crônicas de Tormenta garante boas horas de uma leitura de alto nível, com histórias para diferentes gostos e diferentes níveis, e em cada uma diferentes estilos de escrita; certamente um deles irá te agradarA cada conto fica visível não apenas a amplitude do cenário, mas também que Tormenta tem muito o que contar; seja isso feito através de romances, quadrinhos ou contos. Fica aqui até o meu desejo por mais antologias com narrativas ambientadas em Arton, ou quem sabe novos romances. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário