quarta-feira, 12 de abril de 2017

Perdida

Sofia vive em uma metrópole e está acostumada com a modernidade e as facilidades que ela traz. Ela é independente e tem pavor à mera menção da palavra casamento. Os únicos romances em sua vida são aqueles que os livros proporcionam. Após comprar um celular novo, algo misterioso acontece e Sofia descobre que está perdida no século dezenove, sem ter ideia de como voltar para casa ou se isso sequer é possível. Enquanto tenta desesperadamente encontrar um meio de retornar ao tempo presente, ela é acolhida pela família Clarke. Com a ajuda do prestativo e lindo Ian Clarke, Sofia embarca numa busca frenética e acaba encontrando pistas que talvez possam ajudá-la a resolver esse mistério e voltar para sua tão amada vida moderna. O que ela não sabia era que seu coração tinha outros planos... 
Título: Perdida
Autor (a): Carina Rissi
Editora: Verus
Número de páginas: 364


E finalmente eu li Perdida! Já estava me dando agonia ver esse livro duas vezes seguidas na meta de leitura anual e, antes mesmo de 2017 começar, eu já estava pensando nele na meta de 2018. Foi graças a Daiane, que conheci no instagram, que a leitura deslanchou. Fizemos uma espécie de leitura conjunta e acho que, se não fosse por isso, o pobrezinho ainda estaria ali na estante, tomando chá de poeira (obrigada Daiane!). Quer saber o que achei? Então vem comigo.
Sophia é uma jovem como muitas que conhecemos por aí. Tem um trabalho mais ou menos, um chefe insuportável, uma melhor amiga fofa e um vício chamado tecnologia. A vida amorosa é praticamente inexistente e o único romance que faz parte de sua vida é aquele dos livros, em especial o de Orgulho e Preconceito seu livro favorito da vida. Sua vida é praticamente bem rotineira, mas ela vê tudo mudar quando seu amado celular cai no vaso sanitário e acaba pifando. Pra maioria das pessoas isso seria o fim do mundo, certo? Bom, pra Sofia não é muito diferente disso, e logo que amanhece ela sai para comprar um novo aparelho pra voltar a ter "vida".
Ao chegar na loja, ela é atendida por uma mulher estranha, que lhe apresenta um celular modelo único que, segundo ela, tem tudo aquilo que Sofia precisa. Ela compra, claro, e assim que sai da loja tropeça em uma pedra, desmaia e... acorda em 1830. Desnorteada, acaba encontrando ajuda de um rapaz bonito e gentil chamado Ian Clarke, que irá levá-la para sua casa e juntos tentarão entender o que aconteceu com ela para que aparecesse do nada no meio da estrada.
Claro que ela não irá contar que veio do futuro, quem iria acreditar numa história tão fantasiosa? Tudo que pode fazer é aguardar instruções pelo seu celular e tentar se adequar aos moldes da sociedade daquela época. E nesse meio tempo ela acaba se aproximando mais de Elisa, irmã e Ian, e dele também, é claro.
Ian é uma criatura sem igual. Dono de um coração puro e gentil, não mede esforços para ajudar a toda e qualquer pessoa. E, claro, além disso ainda é lindo demais e dono de um sorriso apaixonante. Ele é o sonho de toda garota e com seu charme consegue encantar 11 entre 10 garotas. E com Sofia não é diferente. Contudo, ela sabe que não pode se envolver já que ali não é seu lugar. Mas no coração não se manda e ele vai acabar lhe pregando uma grande peça.
Apesar de já saber do que se tratava a história, ainda não tinha certeza se iria me agradar. Muito embora meu histórico com os livros da Carina Rissi sejam positivos, sempre fiquei pé atrás com esse livro. Já falei aqui algumas vezes que, toda vez que um livro é elogiado em excesso sempre fico receosa de me desapontar. Contudo, como já havia lido outros livros da autora já sabia bem quais os pontos que me agradariam ou não.
A história é muito divertida, tem protagonistas ótimos e envolve o leitor do início ao fim. Gosto demais da escrita da Carina e da forma como ela consegue criar protagonistas que se assemelham tanto conosco. É muito fácil gostar de Sofia, ela é esperta, carismática e muito engraçada. Sem contar que acaba se metendo em situações bem constrangedoras que nos fazem rolar de rir. Contudo, ninguém me cativou tanto como Ian. Agora sim eu entendo porque ele é o crush literário de tantas meninas, afinal acabou se tornando meu também. E não digo isso apenas por ele ser uma verdadeira beldade. Ian é puro de coração, um amor de pessoa, as vezes um pouco ingênuo, mas nem por isso menos amável. Achei a química entre ele e Sofia muito boa, gostei da forma como o romance foi sendo introduzido na trama e achei que, em boa parte do tempo, a trama foi extremamente ágil.
Mas nem tudo aqui são só elogios. Assim como nos demais livros, achei alguns diálogos extensos demais e, em alguns momentos, um pouco forçados. Isso é algo já característico da autora e sei que vou acabar batendo sempre na mesma tecla em todas as resenhas que fizer a respeito de seus livros. Essas passagens acabaram tornando a leitura mais arrastada, quebrando o ritmo constante que ela vinha apresentando.
Tirando os pontos acima, eu gostei muito do livro. Dei boas risadas enquanto acompanhava a saga de Sofia para descobrir como voltar para seu tempo, suspirei muito pelo Ian e torci demais para que, no final, eles conseguissem seu final feliz. E já que falamos em final, que amorzinho que ele foi. Achei fofo demais e, embora já estivesse esperando por aquilo, não deixei de me encantar. Recomendo muito!

Nenhum comentário:

Postar um comentário