segunda-feira, 24 de abril de 2017

Véu do Tempo

A medicação para a epilepsia mantém Maggie num estado permanente de torpor, mas não consegue aliviar sua dor por ter perdido a filha em decorrência da mesma doença. Com o fim do seu casamento e o filho mais velho num colégio interno, Maggie se muda para uma casa de campo nas ruínas de Dunadd, o local histórico que um dia foi a sede da realeza da Escócia. Tudo muda em sua vida após uma convulsão, e Maggie desperta num vilarejo dentro dos muros de Dunadd do século VIII. Mesmo sem saber se isso realidade ou apenas uma alucinação causada pela doença, ela é atraída pela presença de Fergus, irmão do rei e pai de Illa, uma menina que tem uma semelhança impressionante com a sua falecida filha. Mas, com as demandas do presente chamando-a de volta, conseguirá Maggie deixar para trás o príncipe escocês que já a chama de meu amor?
Título:Véu do Tempo
Autor (a): Claire R. McDougall
Editora: Jangada
Número de páginas: 368



Sou fã de carteirinha de romances, acho que todo mundo bem sabe disso. Gosto dos clichês, dos doces, mas confesso que meu coração bate mais forte mesmo é quando a proposta dele é mais inovadora. E foi isso que me chamou atenção em Véu do Tempo, livro que me atiçou a curiosidade logo no primeiro parágrafo da sinopse. 
Maggie é uma mulher forte e dedicada, que viu sua vida ruir por conta da morte prematura de sua filha caçula. A garotinha herdou da mãe a epilepsia e por isso ela se martiriza, culpando-se pelo que aconteceu (não só ela, mas o marido também). O casamento, antes tão sólido, ruiu e até mesmo seu filho mais velho acabou se afastando. Sozinha, disposta a recomeçar apesar dos pesares, ela deixa pra trás seu passado, adota o nome de solteira e vai morar em uma outra cidade enquanto espera pela cirurgia que fará em breve. 
Enquanto trabalha em sua tese sobre bruxas, ela acaba tendo uma série de "apagões" por conta dos medicamentos que utiliza no dia a dia. Em seus sonhos, que por sinal são bem lúcidos, ela é levada a uma outra época e lá conhece Fergus, irmão do rei Murdoch, um homem honrado e muito atraente, que vai acabar criando laços com ela. 
Os sonhos, que antes poderiam ser tidos como uma forma do subconsciente trazer à tona tudo aquilo que ela vem estudando, passa a tomar uma nova projeção a medida que vai trazendo para Maggie informações que ela sequer imaginaria que fossem verdade. Quando os fatos vivenciados nos sonhos mostram-se verdadeiros, ela percebe que algo de muito estranho está realmente acontecendo. O que estaria acontecendo com ela? Isso, meus caros leitores, você só vai descobrir lendo.
Apesar de já ter uma base do que esperar, acabei sendo surpreendida pela trama. Pra início de conversa, preciso dizer que ela é ricamente construída e logo de imediato fica explícito todo o cuidado da autora com pesquisas relacionadas ao tema. O que percebemos aqui é que ela foi a fundo para trazer informações e mesclou-as com a história do livro, tornando tudo muito verossímil. A escrita detalhista, contudo, não é das mais ágeis. A história demora a engrenar por conta da narrativa mais arrastada, principalmente quando está no presente. Tive uma grande dificuldade inicial, não conseguia me encontrar na história, até que ela deu um salto para o sonho e ali sim, as coisas começaram a ficar melhores. A narrativa é mesclada entre primeira e terceira pessoa (presente e sonhos, respectivamente) e, apesar de geralmente gostar dessas variações, dessa vez senti uma dificuldade maior para me adaptar. Achei que a narração em terceira pessoa deixou a história mais dinâmica, enquanto a outra acabava quebrando o ritmo por apresentar uma lentidão nos fatos.
Em relação aos personagens, fiquei bem dividida. Maggie começou mostrando ser o oposto do que realmente era. Eu, que a achava submissa, sem iniciativa e dona de uma personalidade muito fraca, me vi surpreendida pela força que demonstrou ter no decorrer da história. Apesar de não ser o tipo de mocinha que me cativa, ela ganhou minha simpatia pelo caráter forte e pelas atitudes sempre racionais. Notei também uma variação da personagem. A Maggie "real" não é o tipo de pessoa que me agrada, era somente quando a dos sonhos entrava em ação que conseguia me conectar a ela, sentir sua verdadeira essência.
Com Fergus as coisas foram totalmente diferentes e ele ganhou minha simpatia logo de imediato. Não sei dizer o que mais gostei nele, mas acho que a força, determinação e o amor incondicional que carrega consigo foi parte crucial para que eu desenvolvesse um tipo de conexão com ele. O relacionamento entre os personagens se deu de forma gradativa, o que me agradou demais porque não aprecio os amores instantâneos.
A leitura realmente me dividiu, tiveram pontos que gostei muito e outros que deixaram um pouco a desejar. Fazendo um balanço geral, Véu do Tempo é uma boa leitura, com uma proposta diferente, personagens muito bem construídos e uma história interessante. Os fãs de livros com drama, romance e um leve ar de mistério, com certeza vão apreciar a leitura.


8 comentários:

  1. Oi Neyla..
    Que livro interessante, notei que ele tem altos e baixos na leitura. Tenho vontade de ler ele só para saber se a história seria boa pra mim e se eu ia curtir os personagens..
    Livros que me deixam com dúvidas são meus favoritos sério.

    ResponderExcluir
  2. Oii. Td bem?
    Este parece ser um livro forte, com uma estória emocionante.
    Caso tenha oportunidade, é com certeza um livro que eu gostaria de ler!
    bjo

    ResponderExcluir
  3. Oiii tudo bem?
    Eu realmente n conhecia esse livro menina, fiquei até interessada, parece ser aqueles romances de nos emocionar e estou precisando muito disso viu.
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Acabei de efetua a compra do livro porque adorei sua resenha e essa sinopse <3 Sou apaixonada por livros com viagens no tempo.

    ResponderExcluir
  5. Oi Neyla, não conhecia este livro ainda, e assim como você, tenho esta paixão por romances, então, lógico que fiquei interessada neste.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  6. Oi tudo bem,
    Fiquei curiosa em relação a esse livro, apesar de suspeitar que o desfecho dessa história será semelhante ao de uma curva no tempo, mesmo assim eu gostaria de fazer essa leitura.

    ResponderExcluir
  7. Olá, nossa! Te confesso que ao contrário de vc, não curto muito romances, mas comecei a ler sua resenha e achei a premissa muito interessante, como vc disse, inovadora. Acho que os rumos que a história toma acaba nos prendendo. Fiquei bem curiosa! Bjs

    ResponderExcluir
  8. Olá, tudo bem?
    A proposta do livro é de fato bem interessante e essa mistura que leva o leitor a acreditar ou duvidar do que está de fato acontecendo é instigante, porém a presença de um romance me desanimou um pouco, principalmente por se tratar de um príncipe deixou a história menos verossímil. Vou anotar a dica aqui e quem sabe um dia não arrisco em realizar a leitura.
    Beijos

    ResponderExcluir