segunda-feira, 29 de maio de 2017

Ligeiramente Perigosos

Aos 35 anos, Wulfric Bedwyn, o recluso e frio duque de Bewcastle, está ávido por encontrar uma nova amante. Quando chega a Londres, os boatos que correm são os de que ele é tão reservado que nem a maior beldade seria capaz de capturar sua atenção.
Durante o evento social mais badalado da temporada, uma dama desperta seu interesse: a única que não tinha essa intenção. Christine é impulsiva, independente e altiva – uma mulher totalmente inadequada para se tornar a companheira de um duque. Ao mesmo tempo, é linda e muito, muito atraente.
Mas ela rejeita os galanteios de todos os pretendentes, pois ainda sofre para superar as circunstâncias pavorosas da perda do marido. No entanto, quando o lobo solitário do clã Bedwyn jura seduzi-la, alguma coisa estranha e maravilhosa acontece. Enquanto a atração dela pelo sisudo duque começa a se revelar irresistível, Wulfric descobre que, ao contrário do que sempre pensou, pode ser capaz de deixar o coração ditar o rumo de sua vida.Em Ligeiramente Perigosos, o sexto e último livro da série Os Bedwyns, Mary Balogh conclui a saga desta encantadora família em uma trama repleta de cenas sensuais, tiradas espirituosas e personagens à frente de seu tempo. Ao unir um homem e uma mulher tão diferentes, ela mostra que o resultado só poderia ser um par perfeito.
Título: Ligeiramente Perigosos
Série: Os Bedwyns
Autor (a): Mary Balogh
Editora: Arqueiro
Número de páginas: 304


E mais uma série queridinha do coração chega ao final. Confesso a vocês que estava em cólicas de ansiedade por esse livro e, aparentemente, os correios sabiam disso e resolveram me torturar já que ele demorou quase um mês pra chegar na minha casa. Esse sempre foi o livro da série mais desejado por mim, afinal aqui vamos conhecer um pouco da história do Wulfric, o duque de Bewcastle, minha paixão literária.
Quem leu os livros anteriores já sabe que Wulf não é bem o tipo de homem que podemos chamar de amistoso. De porte austero, o duque é dono de um ar constantemente arrogante, capaz de congelar qualquer pessoa com seu olhar frio e cortante. Apesar de ser um ótimo partido, seu jeito espanta as pretendentes e suas mãe, afinal quem em seu juízo perfeito cruzaria seu caminho para flertar com ele correndo o risco de passar vergonha? Wulfric impõe respeito e medo por onde passa, e muitas pessoas certamente acreditam que não existe resquícios de um coração naquele peito. O que eles não sabem é o motivo dele ser sempre tão sério, formal e gélido.
O caso, meus caros leitores, é que desde os 12 anos ele começou a ser preparado para ser um duque, função que passou a ocupar aos 17 quando o pai faleceu. Ele acabou tomando para si a função de cuidar das propriedades, dos irmãos, e assumiu essa postura que já conhecemos anteriormente.
Casamento é algo que já passou pela sua cabeça sim, mas após uma situação totalmente desastrosa, ele optou por ter uma amante e assim viveu a vida por 10 anos. Após o falecimento da mesma, há 2 anos, ela nunca mais buscou nenhuma outra mulher. Mas tudo muda quando ele conhece Christine em um badalado evento pós temporada.
Ela certamente não é o tipo de mulher que Wulf desejaria ter ao seu lado. Christine é filha de um ex-professor e vive, desde o falecimento de seu marido, com a mãe e a irmã numa propriedade rural. Apesar de ter passado muito tempo frequentado eventos aristocráticos, ela nunca se adaptou totalmente a eles já que não seguia os padrões de refinamento e recato exigidos pela alta sociedade. Christine é dona de um sorriso franco, gosta de crianças (e de brincar com elas) e vive sua vida da melhor forma possível, prezando sempre sua felicidade. Não era sua intenção participar dessa temporada festiva programada por sua amiga, mas acabou sendo vencida pelo poder de persuasão de Melanie que nunca aceita um não como resposta.
O primeiro encontro entre o duque e Christine não é dos mais favoráveis, e as coisas tendem a piorar com o passar dos dias. Ela está longe de ser o tipo de mulher com quem ele se envolveria já que, aparentemente, está sempre agindo de forma fora dos padrões. Já ela o acha frio e arrogante, e não abaixa a cabeça nem mesmo quando ele a encara com aqueles congelantes olhos azuis. O que eles não admitem, mas que eu vou contar agora pra vocês, é que por trás de toda animosidade, existe uma faísca de desejo capaz de fazer ambos perderem a cabeça de uma forma que jamais imaginariam.
Eu já sabia, antes mesmo de ler, que esse seria meu livro preferido da série. Na minha opinião, nenhum Bedwyn foi tão intenso quanto Wulf e desde a sua primeira aparição em Ligeiramente Casados, ele já dava mostras do que veria a seguir. Inicialmente o que mais chama atenção é o jeito arrogante e o nariz em pé, característica marcante da família. Contudo, há todo uma história por trás de seu jeito de agir e quando a gente vai descobrindo já se vê apaixonada. Mentira, me apaixonei bem antes disso. O caso é que ele é um personagem que já trás uma aura de mistério, é impossível não querer conhecer um pouco mais a seu respeito e, claro, torcer para que ele rompa a casca da arrogância e se mostre como verdadeiramente é.
Christine foi uma surpresa. Eu sempre soube que o par do Wulf teria que ser uma mulher de fibra, que fizesse um contraponto com tudo que ele é. E ela foi além disso, já que além de ser o total oposto do que ele é, ainda possui características que de certa forma o deixava transtornado. Em uma época onde a mulher tinha por obrigação se comportar de forma mais contida e reservada, Christine dá um tapa na cara da sociedade, mostrando toda sua simpatia e sempre pronta a esbanjar seu sorriso àqueles que estão ao seu redor. Ela é natural e conquista as pessoas com sua forma de ser, talvez tenha sido isso o que mais assustou o duque.
O casal tem uma química forte e a história valorizou muito isso. Mary colocou romantismo e sensualidade na medida que fez toda a diferença nessa trama. Isso sem contar nos temas abordados no decorrer do livro, que embora sejam abordados de uma forma mais leve, tocam fundo no leitor. Isso é uma característica forte da autora, já que ela sempre busca trazer em suas histórias assuntos mais atuais inseridos no contexto daquela época.
Foi delicioso acompanhar a descoberta dos sentimentos, participar (mesmo que de forma indireta) dos embates do casal e, principalmente, reencontrar todos os Bedwyns e seus devidos pares. A história flui muito bem, a escrita da Mary é fantástica e eu simplesmente rasgo todas as sedas possíveis, cabíveis e imagináveis para essa mulher porque ela é maravilhosa! Fica agora o gostinho da saudade e a expectativa de que novos livros da autora possam ser lançados.
Divertido, sexy e romântico, Ligeiramente Perigosos fecha com chave de ouro essa série que é uma das melhores que já li. Se você ainda não conhece essa família, não sabe o que está perdendo.


10 comentários:

  1. Olá!
    Nunca li nada da autora, mas tenho muita curiosidade por essa série, ainda mais depois da sua resenha.
    Christine parece ser uma personagem cativante e fiquei bem curiosa para ver como vai ser o envolvimento com o Duque.
    Ótima resenha.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Oi Neyla, concordo contigo, o livro fechou muito bem esta série, e para mim foi o melhor dos livros. Gostei muito do jeito da Christine, e fiquei tocada pelo Wulfric.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  3. Oi, tudo bem?
    Essa série é bem comentada, mas nunca li nenhum dos livros dela, por falta de oportunidade. Pelo que descreveu na sua resenha o livro parece ser muito bom, acho que recompensou a tortura que os correios causou em você por ter que esperar mais de um mês. Saber as medidas exatas de tudo o que coloca em um livro é um ponto positivo para a autora, até porque não é uma tarefa fácil dosar romantismo e sensualidade. Fiquei curiosa, irei procurar o primeiro livro para ler.
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Oi, eu amo os livros da arqueiro. Por não ter lido resenhas dos livros anteriores (pelo menos não lembro) e nem ter lido os livros que antecedem este, acho que meu comentário será um pouco raso. Mas apesar disso, livros deste tipo têm me conquistado muito e sua resenha por ser bem elucidativa me convida a ler. obrigada, beijos.

    ResponderExcluir
  5. Não conhecia a autora e o livro. Mesmo não sendo o meu gênero preferido de leitura, por não ter lido muitos romances de época, achei esse bem interessante. Talvez eu conheça melhor a história no futuro.
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Olá!
    Nossa eu sou louca para ler essa série, conheci ela recentemente mas ainda não tive a oportunidade de ler, parece ser excelente, parabéns por sua resenha.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  7. oi tudo bem
    que resenha linda
    não sou de ler este gênero mais so esculto coisas positivas sobre esta serie quem sabe um dia eu de oportunidade.

    ResponderExcluir
  8. Oii, tudo bem?
    Eu estou começando a entrar no mundo dos romances de época agora e tenho que dizer que estou morrendo de vontade de conhecer essa série. Parece que a escrita da autora é uma delicia e os personagens são apaixonantes. Fico feliz que a autora tenha fechado a série com chave de ouro, isso só me deixa motivada a procurar os livros para ler.

    ResponderExcluir
  9. legal que você curtiu toda a trama e se despediu dela com louvor hahaha
    pena o atraso dos correios, eu tbm fico agoniada quando meus livrinhos não chegam logo, mas quase um mês é pra surtar xD
    bjs...

    ResponderExcluir
  10. Oi tudo bom?
    dessa série só li o primeiro livro e pensei que não ia gostar, pelos Bedwins serem bem antipáticos a primeira vista, mas acabei gostando muito e querendo ler os outros livros. Wulfric foi um dos personagens que eu mais detestei enquanto lia, então acho que Ligeiramente Perigosos iria me surpreender.
    P.S.: Achei essa capa muito feia.
    Beijos

    ResponderExcluir