quarta-feira, 23 de agosto de 2017

Delícia, Delícia


Quando a extraordinária confeiteira Leilani Trusdale trocou a agitação de Nova York pela pacata e doce Ilha de Sugarberry, não esperava que seu passado a seguisse. Seu antigo chefe, Baxter Dunne, também conhecido como Chef Hot Cakes, o homem que ensinou a ela que o creme compensa, reaparece desejando filmar seu famoso programa de culinária. O problema é que ele escolheu filmar na Cakes by The Cup, a minúscula e aconchegante confeitaria de Leilani. Com seu olhar de brigadeiro de colher e aquele irresistível sotaque britânico -- que faz a moça babar e seu rosto corar como calda de cereja --, ele fez as fofocas de cozinha rolarem soltas.
Lani, lá no fundo, só deseja que algumas sejam deliciosamente verdadeiras... Os amigos estão convencidos de que o ex-chefe é o ingrediente que falta para a definitiva receita de felicidade dela. Porém, Baxter terá que botar a mão na massa se quiser tirar do forno um grande, verdadeiro, quentinho e saboroso amor. No Clube do Cupcake, cozinhar é apenas um detalhe. Entre altos papos e doces lambidas, amizades crescem como pão quentinho e a vida vai ficando, hummmm, mais saborosa. Mas quando é preciso decidir entre a vida que você sempre sonhou e o amor da sua vida, só as melhores amigas, as melhores receitas e uma caixa cheia de Red Velvets podem ajudar. É hora de praticar boloterapia!!!
Título: Delícia, Delícia
Série: Cupcake Club #1
Autor (a): Donna Kauffman
Editora: Valentina
Número de páginas: 296


Delícia, Delícia foi um daqueles livros que desejei de imediato por conta da capa. Apesar de simples, a combinação de cores fez com que ele me chamasse minha atenção no meio de tantos outros livros. Ok, o cupcake também foi culpado, admito! Eu tinha a impressão de que encontraria uma história doce, divertida e que me encheria os olhos, principalmente pelas delícias que encontraria nas páginas. E não foi diferente! A história ganhou meu coração e eu queria poder entrar no livro para experimentar cada um daqueles cupcakes maravilhosos.
Leilani Trusdale, ou simplesmente Lani, é uma cozinheira de mão cheia, que deixou para trás um futuro promissor em Nova York, para se dedicar unicamente a sua confeitaria em uma ilha chamada Sugarberry, onde mora seu pai. Ela, que trabalhava em um famoso restaurante e tinha como chefe o renomado Baxter Dunne, o Chef Hot Cakes, surpreendeu a todos com essa escolha já que seu trabalho sempre fora exemplar e suas criações eram muito elogiadas. 
O que aconteceu, meus caros leitores, é que Lani estava cansada de sempre ouvir piadinhas a seu respeito, como se ela tivesse conseguido chegar onde chegou por ter algum caso com seu chefe e não por sua competência. Por mais que amasse seu trabalho, lidar com as fofoquinhas era algo que estava desgastando-a e a decisão que tomou, por mais que a afetasse, era um modo de fugir de tudo isso e se reencontrar fazendo algo que gosta só que em um local mais tranquilo. 
E antes que você venha me perguntar a respeito desses boatos a respeito dela e do chefe, são infundados. Eles sempre mantiveram um comportamento estritamente profissional e, apesar de nutrir uma paixão secreta por Baxter, Lani procurou manter isso o menos perceptível possível. 
Tudo estava muito bem, até Baxter aparecer em Sugarberry com uma proposta: filmar seu reality show, o Cakes By The Cups, na confeitaria de Lani. Tê-lo por perto era tudo que ela não queria, principalmente porque iria acabar reacendendo sentimentos que ela julgara ter enterrado. Além do mais, sua presença ali iria virar sua vida (e sua confeitaria) pelo avesso. Lani não está disposta a ceder seu espaço, mas será que vai continuar tão firme nesse propósito quando eles, finalmente, se reencontrarem?
Que delícia de leitura! Desde o início eu sabia que iria gostar da trama, ainda mais por mexer com comida (e nesse ponto eu preciso dizer que sabia que passaria mal com as deliciosas descrições dos cupcackes de nossa mocinha). Só não esperava me apaixonar tanto pela história e pelo Baxter. A cada nova virada de página eu me via mais e mais presa ao livro, ao ponto de não querer pausar a leitura só para descobrir o que iria acontecer depois.
Baxter foi, de longe, meu personagem preferido da história. Comecei a leitura imaginando-o de uma forma e precisei reconstruí-la depois de conhecê-lo melhor. Apesar da fama e do inegável talento, ele é um cara super humilde e do bem, que não deixou o sucesso subir à cabeça e que não esqueceu suas origens. Eu me apaixonei por ele perdidamente e não entendia como Lani poderia deixar um partidão daquele dando sopa por aí, ainda mais tão disposto a conquistá-la. Isso mesmo, Bax (perceba a intimidade) também tinha uma bela queda pela bela confeiteira e sua ida à Sugarberry também tinha uma segunda intenção, que era a de ficar mais próximo dela.
Já Lani teve seus altos e baixos comigo. Inicialmente me encantei por ela, já que é uma personagem forte, de caráter bem moldado e de um talento inegável. Queria ser sua melhor amiga só para poder provar de seus incríveis cupcakes que tanto me fizeram salivar. Contudo, o que era bom durou pouco e comecei a ficar incomodada com algumas de suas atitudes. Apesar de ser uma mulher madura, ela não sabe lidar com seus sentimentos e isso acabou tornando-a chata. Eu entendia o fato dela não querer ficar próxima a Baxter quando não sabia dos sentimentos dele por ela, afinal de contas ficar ao lado daquela pessoa que a gente ama sem levantar suspeitas é uma situação MUITO tensa. Mas depois que ele abriu o coração e contou que também gostava dela (eu sei, gostar soa muito 5ª série, mas né, disfarça) eu não pensaria nem duas vezes e iria viver esse romance que tinha tudo para ser especial. Só que Lani preferiu continuar a manter a distância para evitar se machucar, mesmo que com isso ela estivesse se machucando. Essa situação perdurou quase todo o livro e eu queria, em bom baianês, "dar na cara dela". Achei que ela passou tempo demais listando motivos para não ficar com Baxter em vez de aproveitar o momento e ser feliz.
E já que toquei nesse assunto, devo salientar que esse foi o principal motivo do livro não ganhar nota máxima já que eu não tenho paciência para essas mocinhas que sabem o que querem, mas que não possuem coragem suficiente para dar um passo em busca de sua felicidade amorosa. Nisso aí Lani deixou muito a desejar, esperava muito mais dela.
A história é muito gostosa de acompanhar e embora haja algumas quebras de ritmo na leitura, ela é agradável e envolve o leitor. Um dos pontos principais do livro foi a introdução de alguns personagens, como Alva e Charlotte, que trouxeram mais dinamismo e diversão à trama, e do clube do cupcake, que começou de uma forma despretensiosa e acabou se transformando em algo muito fofo e bacana (e que eu adoraria participar, diga-se de passagem).
Se eu recomendo a leitura? Com certeza! Uma história envolvente, com um romance fofo, muita doçura e algumas cenas quentes também, afinal de contas nem só de açúcar se vive um bom romance, não é mesmo? Leiam e depois me contem o que acharam!


6 comentários:

  1. Oi Neyal,
    super tenho problema quando o ritmo de leitura oscila demais, fico cansada..
    Já li várias resenhas que dizem que a Lani deixa a desejar em vários momentos. Acho que esse livro não iria servir pra mim, mesmo achando que a história seja bem interessante

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    A capa me chama muito a atenção, mas à princípio era só isso, até ler sua resenha. Pela premissa não imaginava que a história fosse tão boa. Parece ser muito amorzinho e Baxter então, nem se fala.
    Gostei muito da sua resenha.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Oi, Neyla!
    Eu não sei se foi a repetição do título "Delícia, Delícia", mas, por mais fofa que seja essa capa, o meu cérebro assimilou de imediato àquele Malícias e Delícias, hahaha Vai entender. Mas, pensa, realmente deve ser incrível - e uma tentação, diga-se de passagem - ler tantas passagens sobre cupcakes e essas gostosuras, envolve ainda mais na leitura sem querer, rs E sinto que me apaixonaria de cara - ou o mais próximo disso - pelo Bax - olha a intimidade, culpa da sua resenha, hahaha -, mocinhos humildes, fofos e ainda talentosos na cozinha são um fraco para muitas, hein? hehe Mas isso da protagonista perder tanto tempo repensando nessa oportunidade de romance é péssimo mesmo, já vi situações do gênero em outros livros e eu também quis muito 'dar um tapa' na hora, mas, né, paciência, fazer o que, antes tarde do que nunca, rs. Com exceção das cenas mais hots, que eu definitivamente passo, rs, vou pensar nessa dica um dia que quiser algo com culinária, hahaha.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Realmente, essa capa linda e a história envolvendo cupcakes me deixam com muita vontade de ler o livro. Porém, eu acho que já li ele em inglês há um tempão atrás. Pelo menos a história me parece bem familiar...
    Beijos
    Mari
    www.pequenosretalhos.com

    ResponderExcluir
  5. Não gosto muito do gênero, mas me interessei por essa história.
    Deixei na listinha de desejados.
    Quem sabe não me interesso mais pelo gênero.
    A capa também é linda!
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Oi Neyla, conheço o livro, mas confesso que não me sinto atraída pela história dele. Em compensação, acho esta capa muito fofa. Também não tenho muita paciência com a falta de coragem de alguns personagens.
    Bjs, Rose

    ResponderExcluir