segunda-feira, 2 de abril de 2018

Depois Daquela Montanha




O Dr. Ben Payne acordou na neve. Flocos sobre os cílios. Vento cortante na pele. Dor aguda nas costelas toda vez que respirava fundo.
Teve flashes do que havia acontecido. Luzes piscavam no painel do avião. Ele estava conversando com o piloto. O piloto. Ataque cardíaco, sem dúvida.
Mas havia uma mulher também – Ashley, ele se lembra. Encontrou-a. Ombro deslocado. Perna quebrada.
Agora eles estão sozinhos, isolados a quase 3.500 metros de altitude, numa extensa área de floresta coberta por quilômetros de neve. Como sair dali e, ainda mais complicado, como tirar Ashley daquele lugar sem agravar seu estado?
À medida que os dias passam, porém, vai ficando claro que, se Ben cuida das feridas físicas de Ashley, é ela quem revigora o coração dele. Cada vez mais um se torna o grande apoio e a maior motivação do outro. E, se há dúvidas de que possam sobreviver, uma certeza eles têm: nada jamais será igual em suas vidas.
Titulo: Depois Daquela Montanha
Autor (a): Charles Martin
Editora: Arqueiro
Número de páginas: 304



Esse foi aquele típico livro que me atiçou a vontade de ler por conta dos muitos comentários a respeito dele e do fatídico filme. Foram muitas críticas positivas a respeito da história, muitas negativas a respeito do filme e, como eu estava (e ainda estou) mega a fim de ver o filme decidi me jogar na leitura pra poder aproveitar os dois. E me vi surpreendida!
Ben Payne é um médico cirurgião de 39 anos, casado e completamente apaixonado por sua esposa Rachel. Voltando de um congresso em Salt Lake City, ele se vê preso no aeroporto por conta de uma tempestade que impossibilita que os aviões decolem. Contudo, ele precisa estar de volta à sua cidade o mais rápido possível já que tem cirurgias agendadas e não quer faltar com seu compromisso. E é por conta disso que decide fretar um avião particular.
Ashley é uma jornalista de 35 anos que está às vésperas do casamento, presa no mesmo aeroporto que Ben e sonhando em ir para casa pra poder realizar seu grande sonho. E é justamente por conta de sua história de amor que Ben lhe oferece uma carona em seu vôo particular, afinal de contas ele sabe o quanto o casamento é importante na vida de uma mulher.
A distância não é muito grande, o piloto é experiente e tudo parece ir muito bem, até que um acidente vira a vida de todos de cabeça para baixo. O que acontece é que Grover, o piloto, sente um mal estar súbito e sofre um ataque cardíaco. Ele ainda consegue fazer com que o avião pouse, de forma desajeitada, entre as árvores da montanha, mas em uma altitude de cerca de 3.500 m, sem recursos e feridos, a chance de sobrevivência é quase zero.
O que você faria? Eu certamente me desesperaria, afinal de contas sou uma pessoa desesperada. Mas Ben, graças aos céus, é um homem prático e sensato, que após avaliar a situação, cuidar de Ashley e usar os poucos recursos que estão à sua disposição, decide traçar uma rota de salvação. Ele sabe que não vai ser fácil, afinal de contas o local está todo coberto pela neve, sua companheira de viagem não pode andar pois está com a perna quebrada e ele está com muitas dores. Porém, com a altitude, os ferimentos e a falta de comida eles irão padecer se ficarem parados à espera de uma ajuda que, possivelmente, nunca virá.
E em meio a todas essas adversidades vai crescer um sentimento mais forte entre os dois, uma cumplicidade que acaba se mostrando mais forte a cada novo dia vivido, a cada nova situação difícil. E o que vai acontecer a esses dois, isso é algo que você precisa descobrir lendo.
Não vou mentir pra vocês: eu estava num medo terrível de me decepcionar com esse livro. Minhas expectativas estavam altíssimas, minha curiosidade estava quase que incontrolável e eu não sei quanto a vocês, mas quando estou esperando ansiosamente por um livro acabo idealizando-o demais e tomando aquela velha portada na cara. Mas isso não aconteceu e foi uma experiência incrível!
Pra início de conversa, temos aqui uma trama que é de tirar o fôlego. Eu não sabia bem o que esperar dele, mas tinha certeza que a história seria emocionante e que drama não faltaria. Mas fiquei surpresa por encontrar diálogos bem humorados, e inesperados, que me fizeram rir e trouxeram leveza àquela situação tão desesperadora.
A história é narrada em primeira pessoa por Ben e os capítulos são intercalados entre presente e passado. E é através das lembranças de Ben, gravadas por ele em seu gravador, que vamos conhecendo mais a respeito de sua vida e sua família. A relação conturbada com o pai, o amor incondicional pela esposa Rachel, as dores, alegrias e frustrações vão ficando expostas a cada novo capítulo, fazendo com que o leitor se sinta mais próximo dele.
Os personagens são um show a parte e não sei dizer a vocês de quem gostei mais porque ambos são maravilhosos. Ben é um homem difícil de descrever. Dono de um jeito mais fechado, muitas vezes ele assumia um tom misterioso, sempre evitando falar de si e mantendo seus sentimentos a uma distância segura. Contudo, é o seu jeito protetor, sua inteligência e a sagacidade que mais impressionam. Se eu estivesse no lugar dele não teria sobrevivido nem dois dias, entraria em pânico, perderia a cabeça e não conseguiria pensar em nada que me ajudasse a sair dali. Mas ele, apesar de tudo, se manteve centrado e esse foi um dos pontos chaves de toda a trama.
Ashley é dona de uma personalidade forte, é mais falante e, apesar de estar presa à uma maca improvisada e não poder ajudar muito, ela é de grande importância à trama já que é sua presença que faz com que Ben se mantenha focado em não desistir. Juntos eles formam uma boa dupla e muito embora a situação não seja a mais favorável, eles conseguem extrair forças e manter-se unidos o tempo todo.
Depois Daquela Montanha é um daqueles livros que são uma verdadeira lição de vida. A história sensível e delicada, é cheia de reflexões e momentos que são pura emoção. Eu ri, chorei, gritei, perdi a compostura e terminei a leitura com um sorriso enorme de satisfação.Foi uma história intensa, que me prendeu do início ao fim e que me proporcionou momentos maravilhosos. Para quem ficou curioso, leia! Tenho certeza que não irão se decepcionar.


Nenhum comentário:

Postar um comentário