segunda-feira, 4 de junho de 2018

O Chefão

Um romance sexy de um dos grandes nomes da literatura erótica mundial.
Na primeira vez que vi Chase Parker não causei exatamente uma boa impressão. Eu estava escondida no banheiro de um restaurante, mandando mensagem de áudio para minha melhor amiga me salvar de um encontro horrível. Ele ouviu, disse que eu era uma canalha e começou a me oferecer conselhos não solicitados de namoro. Eu disse a ele que cuidasse de sua própria vida e voltei para meu encontro miserável. Ao passar pela minha mesa ele sorriu e eu assisti seu traseiro sexy e arrogante voltar para seu jantar. Não pude evitar trocar olhares com o idiota condescendente do outro lado do restaurante. Quando o deslumbrante desconhecido e sua acompanhante apareceram de repente em nossa mesa, pensei que ele iria me denunciar. Mas, ao invés disso, ele fingiu que nos conhecíamos e se juntou a nós – contando histórias elaboradas e embaraçosas sobre nossa suposta infância. E, sem que eu me desse conta, meu encontro tedioso se tornou extremamente excitante. Depois que nos separamos, não consegui parar de pensar naquele estranho que jamais veria novamente. Afinal, quais eram as chances de encontrá-lo de novo em uma cidade com oito milhões de pessoas?
Título: O Chefão
Autor (a): Vi Keeland
Editora: Essência
Número de páginas: 300

Sempre ouvi muitos elogios a respeito dos livros da Vi Keeland e isso fez nascer em mim uma certa curiosidade, afinal de contas eu amo um bom romance, ainda mais se ele tiver uma pegada mais hot. Por isso, vesti minha armadura de coragem e fui encarar O Chefão, lançamento da Planeta, que foi super bem recomendado por uma amiga. E não é que me encantei?
Quando Reese aceitou sair com Martin não imaginava que as coisas iriam sair tanto do seu controle. Ele, que além de se mostrar um desleixado, não consegue travar uma conversa decente sem tocar no nome da mãe a cada nova frase. desesperada, ela sai da mesa em que está para tentar falar com a melhor amiga e pedir ajuda, afinal continuar aquele encontro é tudo que ela não deseja. Porém, enquanto deixa uma mensagem na caixa postal da amiga, ela acaba conhecendo Chase, um bisbilhoteiro que, além de ouvir sua conversa, ainda lhe brinda com algumas de suas observações nada lisonjeiras. Indignada, Reese retorna à mesa certa de que não cruzará mais o caminho do bonitão arrogante. Só que, para sua surpresa, ele e sua acompanhante vão sentar-se justamente próximo ao local  onde ela está.
Chase é o tipo de homem que chama a atenção das mulheres, afinal de contas é um belo pedaço de mau (ou seria bom?) caminho. Dono de um senso de humor único, ele decide fingir ser um amigo de infância de Reese e acaba sentando-se junto com eles. O encontro, que estava sendo um verdadeiro fiasco, acaba se tornando muito divertido. Chase acaba se mostrando um excelente contador de histórias e, ao final da noite, por mais que tente não admitir, Reese está caidinha por ele. 
Os dois acabam se reencontrando algumas semanas depois e ele acaba conseguindo para ela uma entrevista de emprego na Parker Industries. O que ela não sabe é que essa é a empresa de Chase e que, a partir daquele dia, ele seria o seu chefe. Ela será capaz de lidar com a atração forte que sente por ele sem colocar em risco seu novo emprego?
Eu tô apaixonada, gente! Faz duas semanas que terminei essa leitura e estava doida pra vim contar a vocês o quanto essa história é maravilhosa! Não tinha uma ideia muito elaborada do que fosse encontrar, mas sabia que era um romance bem gostosinho de acompanhar. Acho muito bacana começar uma leitura "no escuro", sem saber muito a respeito do livro e ir se encantando com as descobertas. E foi justamente isso que aconteceu comigo e O Chefão.
Toda vez que começo um romance já sei que terá algo bem clichê nele. Vamos ser sinceras: romance e clichê são duas coisas que andam de mãos dadas. E, quando bem escrito, é uma das melhores coisas que existem. Eu sou defensora do clichê bem escrito e fundamentado, e só não vou aqui erguer a bandeira dele porque é uma resenha e não um post de "coisas que eu adoro em um livro". Pois bem, a história tem um romance bacana, é divertido, leve e, como cereja do bolo, temos um draminha que faz  toda a diferença. Gente, a vida é feita de dramas e se eu pego um livro e tá tudo muito perfeitinho, bonitinho, já não gosto. Na minha humilde opinião de leitora, tem que ter uma pitada de sofrimento no meio de tudo pra poder dar mais vivacidade a trama toda, trazer à tona um lado diferente dos personagens e, claro, emocionar a pessoa que está lendo. E eu achei que a Vi soube dosar isso muito bem, colocando um pouquinho de cada coisa em sua trama.
Já de imediato eu gostei de Reese e Chase, e isso se deu por conta do bom humor de ambos. É impossível não se contagiar pelo astral de ambos e isso é o que torna a leitura ainda mais leve e divertida. Chase é um caso a parte, ele conseguiu me arrancar gargalhadas em diversas partes e acabou se tornando um dos meus personagens masculinos preferidos. 
A narrativa é em primeira pessoa e temos capítulos divididos entre Reese e Chase. Os capítulos narrados por ela mostram o presente e vamos acompanhando sua evolução, tanto na empresa, como na relação com Chase. Já a narrativa dele nos remete ao passado, mais precisamente a sete anos atrás, e é através desse ponto de vista que vamos entender um pouco de seu trauma. Sou fã desse tipo de narrativa, acho que enriquece a história e nos proporciona uma visão mais ampla a respeito da trama.
Se eu gostei do que encontrei? Com certeza! A leitura é rápida e a agilidade é tanta que a impressão que tive era de que as páginas viravam sozinhas. Foi o meu primeiro contato com a escrita da autora e estou ansiosa para ler mais livros dela, afinal esse foi uma surpresa mais do que agradável. Se você ainda não conhece O Chefão, tá na hora de mudar isso. Tenho certeza que seu coração também será fisgado por essa história!

Nenhum comentário:

Postar um comentário