sexta-feira, 6 de julho de 2018

Doce Lar

Primeiro livro da série de maior sucesso da autora de Mil Beijos de Garoto.
Aos vinte anos, Molly Shakespeare acha que já sabe de tudo.
Ela leu Descartes e Kant.
Ela estudou em Oxford.
Ela sabe que as pessoas que te amam também te deixam.
Mas quando Molly se muda da cinzenta Inglaterra para começar uma nova vida nos Estados Unidos, ela descobre que ainda tem muito a aprender. No Alabama os verões são mais quentes, as pessoas mais intimidantes e os alunos de sua nova escola muito mais viciados em futebol.
Após conhecer o famoso quarterback Romeu Prince, Molly só consegue pensar em seus olhos castanhos, cabelos loiros, físico perfeito... e em como sua vida tranquila e solitária parece estar a ponto de mudar drasticamente.
Título: Doce Lar
Série: Sweet #1
Autor (a): Tillie Cole
Editora: Essência
Número de páginas: 320



Esse foi, de longe, o livro mais esperado do ano. Em 2017 eu ouvi muitos comentários maravilhosos a respeito da Tillie Cole e seu livro Mil Beijos de Garoto. Quando soube do lançamento de Doce Lar, fiquei em cólicas de ansiedade  já que queria muito ler algo da autora. E quando ele chegou aqui em casa, devorei como se não houvesse amanhã.
Molly é aquela típica mocinha que já sofreu muito na vida. Sua mãe morreu no parto, perdeu o pais aos 6 anos e a avó, que a criou desde então, sucumbiu ao câncer quando ela estava com 14 anos. Ela viveu em um lar adotivo e, após terminar o ensino médio e entrar na faculdade, passou a viver sozinha. Por conta de todo seu sofrimento, Molly não permite que as pessoas se aproximem demais e o máximo que chegou de um relacionamento amoroso foi com um colega de faculdade e, quando as coisas ameaçavam ficar mais sérias, simplesmente fugiu e foi para o Alabama fazer seu mestrado. Aos 20 anos, Molly não viveu um terço do que as garotas de sua idade viveram, nem sequer viveu um grande amor. Mas isso tudo muda quando ela conhece Rome Prince.
Rome é o sonho de qualquer garota. Alto, forte, lindo, a sensação do colégio, quarterback do time e com uma carreira promissora, ele parece ser o cara perfeito. Porém, sua vida não é tão perfeitinha como muitos pensam. O relacionamento nada saudável com a família, as constantes brigas e a pressão psicológica acabaram tornando-o um cara explosivo, que não consegue controlar a raiva e acaba agindo, muitas vezes, como um grande babaca.
Ninguém jamais poderia imaginar que esse dois, aparentemente tão diferentes, pudessem se envolver. Mas é o que acontece e, a partir daí, vamos acompanhando a luta para ficarem juntos e os obstáculos que precisarão enfrentar para viverem esse amor.
Então, vamos conversar a respeito de Doce Lar. Antes de escrever essa resenha, dei uma lida em algumas resenhas e vi uma grande quantidade de pessoas dizendo que essa foi sua maior decepção do ano e que, depois de terem lido Mil Beijos de Garoto, esperavam muito mais da autora. Talvez por esse ter sido o meu primeiro contato com a escrita da autora, minha opinião vai ser diferente das demais. Eu gostei muito desse livro e, muito embora eu tenha alguns pontos a criticar, foi uma leitura que me prendeu demais.
A história é bem clichê e logo no início eu já fazia uma ideia do que aconteceria e como aquilo terminaria. Mas eu gosto de clichês bem escritos, portanto isso não foi algo que me incomodou, principalmente porque ele tem uma boa dose de drama e eu adoro! O romance entre os personagens é uma graça e nasce de uma forma tão bonitinha,  que me deixou encantada. Porém, existiram alguns pontos que me deixaram um pouco com o pé atrás nessa história e é isso que vou contar a vocês agora.
Pra início de conversa, vamos falar dos personagens. Molly e Rome possuem uma boa química e as cenas românticas dos dois são de fazer suspirar. Ela é uma garota mais independente, que sabe o que quer e que, mesmo com as adversidades que encontrou na vida, não desistiu de encontrar o seu lugar no mundo. Eu gostei dela de imediato e, muito embora algumas de suas atitudes tenham me incomodado, não deixei de admirar a mulher forte que ela é. 
Meu problema foi com ele. Não vou dizer a vocês que fiquei imune ao charme de Rome porque estaria mentindo descaradamente. Sim, eu fiquei bem caidinha pelo rapaz, confesso. Mas bastou ele tomar algumas atitudes para meu radar de "é cilada, Bino" começar a apitar. Rome é uma criatura cheia de problemas, que desde a infância precisou lidar com a agressão, tanto verbal quanto física, vinda daqueles que deveriam amá-lo e cuidar de seu bem estar e isso o afetou de diversas maneiras.
Eu entendo que todas aquelas palavras e atitudes tenham deixado marcas profundas e por isso ele age de forma tão explosiva com tudo e todos. Porém, me incomodou demais a possessividade e o jeito controlador do rapaz. O relacionamento, que começou todo fofo, começou a ir por um caminho que me assustou já que as atitudes de Rome chegaram a ser extremamente tóxicas para Molly. Suas reações extremas, o medo de perder, o "não saber como agir", me fizeram ficar muito dividida em relação a ele. Até hoje, mais de uma semana após terminar a leitura, ainda não sei dizer a vocês o que sinto em relação a ele. Existe sim uma espécie de "redenção" do personagem e isso foi algo bacana do livro. Mas as atitudes que ele teve antes disso contaram muito na minha avaliação do livro como um todo.
Apesar dos meus problemas com o protagonista, gostei da leitura e o classifiquei com 4 estrelas no Skoob. Eu devorei o livro de uma forma que nem sei explicar. Me emocionei em algumas passagens (eu sou chorona, vocês sabem) e fiquei bem curiosa pelos próximos livros da série. Se eu recomendo a leitura? Com toda certeza. É uma história bonita, bem escrita e com todos aqueles clichês gostosinhos de acompanhar. Espero que gostem tanto quanto eu. <3 

Nenhum comentário:

Postar um comentário