quarta-feira, 21 de novembro de 2018

Não Confie em Ninguém

O melhor livro de Charlie Donlea - até agora. O destino de Grace Sebold toma um rumo inesperado durante uma tranquila viagem com o
namorado. O rapaz é assassinado... e ela é condenada pelo crime. Depois de dez anos na prisão, surge a chance de Grace provar sua inocência ao conhecer a cineasta Sidney. Em um documentário que exibe as falhas do processo, a cineasta questiona se a condenação foi fruto de incompetência policial ou se a jovem foi vítima de uma conspiração. Antes do término das filmagens, o clamor popular leva o caso ser reaberto, mas um novo fato provoca uma reviravolta: Sidney recebe uma carta anônima afirmando que ela está sendo enganada pela assassina. A cineasta começa a investigar o passado de Grace e quanto mais se aprofunda na história, mais dúvidas aparecem. No entanto, agora, o que está em jogo não é apenas a repentina fama e carreira, mas sua própria vida.
Título: Não Confie em Ninguém
Autor (a): Charlie Donlea
Editora: Faro Editorial
Número de páginas: 352


Eita que hoje tem resenha do livro de mozão aqui no blog. Seguuuuuuura esse coração que eu tô toda trabalhada na empolgação pra contar o que esse livro me proporcionou. Eu adoro demais os livros do Charlie Donlea e estava muito, muito ansiosa para ler Não Confie em Ninguém, livro que vem sido muito bem elogiado por diversos leitores. Então eu li e pela forma que esse post começa você já sabe que gostei. Então, sem mais delongas, vamos começar essa resenha já!
Sidney é uma jovem cineasta que ficou conhecida por conta de seus documentários investigativos, que acabaram mostrando alguns erros em julgamentos e, com isso, inocentando aqueles que foram julgados de forma errônea. Não são poucas as cartas que recebe de familiares e presidiários, pedindo uma chance para que ela mostre sua história. Mas entre todas  a história de Grace Sebold que lhe chama atenção.
Há 10 anos ela foi condenada por matar o namorado e cumpre a sentença em Santa Lucia, cidade onde aconteceu o crime. Disposta a contar essa história, Sidney começa a gravar partes do seu documentário e logo de imediato percebe que há alguns pontos na investigação que não receberam a devida atenção. Muitas das evidências utilizadas para incriminar Grace não eram tão confiáveis assim e é notável que faltou uma investigação mais aprofundada. Enquanto vai produzindo novos episódios, fica cada vez mais evidente de que Grace foi acusada injustamente.
O documentário acaba virando uma verdadeira febre e acaba provando que ela não era culpada pelo crime. Porém, assim que isso acontece, Sidney recebe uma carta anônima e é aí que tudo começa a desencadear. Ela, que acreditava piamente na inocência de Grace, descobre novos fatos e que colocam em dúvida tudo aquilo que veio apresentando em seu programa. Será que Grace é realmente inocente?
Gente do céu, o que foi esse livro? Minha expectativa estava altíssima, afinal de contas eu amo os livros do Charlie Donlea e até hoje nenhuma das suas histórias me decepcionou. O homem tem o dom de escrever thrillers que prendem e surpreendem, é um daqueles autores que faço questão de ler tudo que for lançado porque ele é fera! E Confie em Mim veio para aclamar ainda mais o talento dele.
Sabe quando você começa a ler um livro e se vê presa a ele de uma forma intensa? Foi o que aconteceu comigo. A história é muito boa e, enquanto avançava as páginas, ela foi me instigando cada vez mais, até chegar num ponto que parar de ler não era uma opção (e agradeço demais por ter lido ele em um final de semana já que pude emendar horas e horas de leitura sem me preocupar).
Pra começo de conversa, vamos falar dos personagens. Cada um deles possui personalidades bem distintas e gostei muito da forma como o autor foi nos apresentado a cada um, mostrando suas características e expondo seus pontos fortes. Sidney, entre todos, foi quem eu mais gostei, principalmente por conta da simpatia que ela emana. Para mim não tem nada pior que uma protagonista despida de carisma, com personalidade fraca e que não cativa. Pra ser protagonista tem que mostrar a que veio, tem que cativar o leitor. E isso ela soube fazer muito bem, principalmente por conta do seu jeito mais obstinado, sempre buscando a verdade.
Grace também tem sua quota de simpatia, muito embora não esteja no mesmo patamar de Sidney. Mas isso é bem compreensível, afinal de contas passou 10 anos de sua vida sendo acusada de um crime pelo qual ela insistia em alegar inocência. Não vou mentir pra vocês: fiquei muito na dúvida em relação a ela, principalmente por conta de algumas de suas atitudes um tanto quanto dúbias. E acho que essa foi uma das maiores sacadas do autor, já que deixa o leitor sem saber no que confiar.
A leitura foi muito rápida e as páginas, adivinhem só, praticamente passavam sozinhas (eu adoro usar essa frase, podem reparar - hahaha). Acho que thrillers precisam de uma agilidade, afinal de contas o leitor quer descobrir os mistérios que rondam a trama e uma narrativa mais devagar acaba atrapalhando a leitura, bem como deixando-a monótona. E nesse aqui tivemos agilidade do começo ao fim. Me senti a própria detetive, principalmente porque suspeitei da pessoa certa. o/
O livro foi muito bem escrito e o final surpreendeu por ter sido totalmente inusitado. Vi que algumas pessoas não ficaram satisfeitas com o rumo que a trama tomou ou que achou o final ruim, mas eu gostei muito. É sempre bom trazer algo novo, mexer com as emoções e, por mais que eu tenha ficado revoltada com o que aconteceu, também me senti em êxtase por ele ter trazido algo tão diferente dos seus livros anteriores.
Se você ainda não leu nada do Charlie Donlea, precisa mudar isso já! Ele escreve muito bem, suas histórias instigam e, para complementar, é a simpatia em pessoa. <3 Leiam e depois venham aqui me contar o que acharam.

Nenhum comentário:

Postar um comentário