sexta-feira, 3 de maio de 2019

A Contrapartida

"O que poucas pessoas têm em mente é que Cultura, no sentido mais amplo da palavra, não se restringe apenas ao entretenimento. O objetivo maior e primeiro da Cultura é nos transformar em pessoas melhores, agregando novos conhecimentos e percepções sobre nós mesmos, os outros e o entorno em que vivemos – é isso que A Contrapartida faz. A sua leitura nos proporciona uma série de profundas e valiosas reflexões sem, contudo, deixar o entretenimento e o suspense de lado. Com relação ao suspense, gostaria de fazer uma breve analogia com o mundo do cinema para ser mais claro em minha exposição. Um bom thriller é aquele que nos causa ansiedade para ver a próxima cena e nele os acontecimentos não são óbvios e declarados. Enfim, é o que aconteceu comigo quando li A Contrapartida – eu queria saber o que estava para acontecer na próxima página, de modo a poder ligar os fatos apresentados no livro e ter as respostas às perguntas que a leitura indiretamente me fazia. Inevitavelmente, a leitura do livro me remeteu à Hollywood. Quando nos referimos a thrillers, logo vem à mente o nome de Alfred Hitchcock, cuja genialidade se encontrava em entender profundamente a psiquê do ser humano e em criar um estado emocional tão intenso no público, que seus filmes se transformavam imediatamente em sucesso. Essa mesma genialidade foi reproduzida aqui neste livro. O autor conseguiu criar caminhos mentais de condução de nós, leitores, em um mundo imaginativo de suspense e mistério dignos de um grande blockbuster.” Lion Andreassa – produtor e diretor de cinema da Lumix Art Films.
Título: A Contrapartida
Autor(a): Uranio Bonoldi
Editora: Valentina
Número de páginas: 336


Vamos começar essa resenha com aquela já conhecida frase clichê: se você acompanha as minhas leituras/resenhas aqui ou no instagram, sabe que eu tenho um apreço especial pelos thrillers. Gosto daquela sensação de mistério que predomina em toda a leitura e de me sentir uma detetive ao tentar desvendar os segredos escondidos. Foi com uma curiosidade enorme que comecei a ler A Contrapartida, primeiro thriller lançado pela editora Valentina e livro de estreia do autor fulano de tal. O que eu achei da leitura você vai ficar sabendo agora.
Octávio, ou Tavinho para os mais íntimos, sempre foi um garoto estudioso, mas que tinha muita dificuldade em apreender o que lhe era ensinado. Por mais que ele se dedicasse e estudasse, nada mudava e ele se achava incapaz de um dia orgulhar a memória de seu pai, um conhecido professor que foi assassinado em um assalto. Parecia ser o fim do seu sonho de se tornar médico. Porém, a ajuda que ele tanto precisa pode estar mais perto do que imagina.
Iaúna é uma índia que, bem novinha, viu sua tribo ser dizimada por homens mal intencionados. Ela acabou sendo adotada pela mãe de Tavinho, Cristina, e vive com a família desde então. Apegada a Tavinho e cansada de vê-lo tristonho por conta de seu desempenho escolar, ela decide dividir com ele a história de um ritual antigo de sua tribo que concede uma inteligência desmedida a quem o toma. Contudo, ele necessita aceitar todos os termos e estar ciente de tudo que envolve esse ritual. Será que ele aceitará passar por tudo isso para, enfim, ter uma chance de realizar seu grande sonho?
Vocês sabem que eu sou sempre muito sincera em relação a tudo que leio e, infelizmente, esse livro não me fisgou por uma série de motivos. Sou uma leitora assídua de thrillers e gosto de ser surpreendida, de ir conhecendo os fatos e tentando descobrir o que está por trás de tudo aquilo. Porém, em poucas páginas eu já tinha uma ideia do que estava acontecendo, até mesmo a grande revelação do final do livro já me era esperada. Senti falta do elemento surpresa, do mistério, da expectativa que as descobertas me trazem enquanto leio livros desse gênero.
Outra coisa que me incomodou foi a linguagem formal demais entre jovens que vivem na atualidade. Precisei retornar algumas páginas para ter certeza de que a história se passava nos tempos atuais porque a impressão que tive foi de que aqueles jovens saíram de algumas décadas atrás. Por mais que o autor tenha tentado trazer um pouco mais de jovialidade ao texto, não conseguiu me fazer enxergá-los em uma época mais atual.
A história não me conquistou e deixou alguns furos, que não vou comentar aqui porque serão spoilers. Algumas das situações vividas por Tavinho chegam a ser surreais, aquele tipo que você não consegue imaginar acontecendo com ninguém.  Por mais que eu entenda que ali é um livro de ficção e que coisas desse tipo possam acontecer, não consegui "engolir" muito bem. O final foi o que mais curti e, mesmo que já soubesse a resolução do grande mistério, a última página me deixou um pouco aflita. Embora o embate final não tenha sido tão grandioso para mim, os últimos momentos foram uma grande sacada do autor.
Muito embora eu não tenha curtido tanto o livro devo ressaltar que a leitura dele foi muito rápida e levei menos de 24 horas para terminá-lo. A história fluiu e, mesmo não tendo muitas surpresas, eu ficava querendo ver o que aconteceria mais para frente. Na minha opinião, faltou emoção à trama e, olha eu batendo na tecla de novo, o elemento surpresa. Talvez, por ser o primeiro livro do autor, ele tenha pecado um pouco em revelar demais antes do tempo, o que deixou sua história um tanto quanto óbvia.
Vi muitas resenhas positivas dele e, como sabemos que os livros funcionam de forma diferente para cada pessoa, acredito que ele possa agradar a leitores que estão começando a trilhar o caminhos dos thrillers. As vezes o que não é legal para uma pessoa pode ser bacana para outra. Tirem suas conclusões e depois venham me contar o que acharam.

4 comentários:

  1. Entendo sobre como a experiência do livro é diferente para cada pessoa, mas espero que eu goste de lê-lo já que achei interessante e o melhor, leitura rápida.

    ResponderExcluir
  2. Uma delícia a gente bancar a detetive em uma leitura, não é mesmo? Amooo! Mas é muito chato quando descobrimos as coisas logo no início da trama, isso faz a leitura perder a graça para mim, apesar de ter algumas resenhas positivas não pretendo investir neste livro.

    Bjo
    Tânia Bueno

    ResponderExcluir
  3. Oi! Li algumas resenhas sobre esse livro, e por elas serem bem parecidas com a sua, referente á história, eu não fiquei tão interessada. Também sou leitora de livros de thrillers e suspenses, e é horrível pegar uma história, que e poucas páginas conseguimos saber o desenrolar inteiro. Uma pena que a leitura tenha sido um pouco decepcionante. Obrigada pela dica.

    Bjoxx ~ Aline ~ www.stalker-literaria.com ♥

    ResponderExcluir
  4. Oi Neyla, a capa desse livro sempre me chamou muito a atenção e eu não entendia ao certo o motivo, confesso que nutria certa expectativa e agora tô tristinha por saber que a obra não atendeu ao esperado. Uma pena mas o que vale é a experiência.

    ResponderExcluir